segunda-feira, 30 de novembro de 2009

A esperança e o sonho se fortalece

O nosso Encontro de Fé e Politica, foi uma oportunidade de renovar a Fé no Deus que é Pai, Mãe, Filho encarnado nas várias dimensões da vida e criação, o Compromisso, a Esperança, a Alegria e o Encanto pela vida, pelo cuidado com a Vida! Encontramos e reencontramos pessoas que de tantas e diferentes formas cuidam e contribuem na construção de um novo mundo, uma nova sociedade que possa acolher as diferenças e os diferentes,e muito mais, tudo isso a partir do nosso cotidiano.

Um sinal forte do nosso encontro foi a partida, onde nos preparávamos para partir, choveu. Era uma chuva que caia depois de uma calor intenso nos ultimos dias e tão desejada por todos. Ela veio como sinal de Deus para firmar o nosso compromisso com a Vida! lembra que plantamos algumas árvores? Plantamos tantas outras formas de semente, plantamos sonhos! Resgatamos a nossa Utopia! Vai brotar, e vai dar frutos "põe a semente na terra não será em vão, não te preocupes a colheita, plantas para o irmão" Então, campanheiros e companheiras, vamos confiar, nos organizar, acreditar que estamos no caminho certo, mesmo que sejamos poucos nessa missão, com perseverança outros vão se juntando conosco e a roda mais crescendo! Ah, a Esperança é muito maior que os desafios encontrados pelo caminho.

Valeu pela oportunidade de compartilhar a fé, a politica, a vida, poder conhecer novas pessas e refletir sobre a dimensão do cuidado para a vida, e na politica no seu sentido pleno - do cuidado do bem comum!

Liliane Melo
Ipatinga - MG
(31)9775-8623

7° Encontro Nacional de Fé e Política em Ipatinga

7° Encontro Nacional de Fé e Política acontece em Ipatinga


Aconteceu neste sábado (28) e domingo (29) no Centro Esportivo e Cultural 7 de Outubro em Ipatinga, o 7° Encontro Nacional de Fé e Política, com o tema “Cuidar da Vida: Espiritualidade, Ecologia e Economia”.


O encontro faz parte do Movimento Nacional Fé e Política, que surgiu no final da década de 80 com o intuito de reunir grupos informais de reflexão sobre a política à luz da fé cristã. Durante o encontro, foram realizadas 20 plenárias em salões paroquiais, igrejas e escolas situadas no Vale do Aço.


Os temas debatidos foram Impasses e perspectivas do movimento sindical; Novos caminhos da América Latina e Caribe; Espiritualidade e profetismo; Consciência planetária; Ética e transformação social das instituições; Poder popular e democracia participativa.


Caravanas de várias cidades do País estiveram presentes na abertura que contou com a presença de várias autoridades.


O prefeito de Ipatinga, cidade anfitriã, Robson Gomes (PPS), participou da abertura ao lado da presidente da Câmara de vereadores de Coronel Fabriciano, Andréia Botelho (PPS) e da prefeita de Governador Valadares Elisa Costa (PT).


Também presentes na abertura, os petistas, Chico Simões, prefeito de Coronel Fabriciano, Humberto Lopes , prefeito de Belo Oriente e o deputado estadual Carlos Gomes.


O deputado federal, Alexandre Silveira (PPS), também compareceu ao encontro e disse que apesar das intensas atividades parlamentas em Brasília, não poderia se ausentar deste evento.


A presidente do PT de Ipatinga, Lente Teixeira, faz parte do Movimento.


Elma Guidine, de Ipatinga e os padres Ernesto Barcelos, de Riacho dos Machado e Daniel Higino Lopes, de Belo Horizonte, explicaram um pouco da história e missão movimento Fé e Política no Brasil. Segundo eles, a definição mais simples desta instituição seria a busca de uma aplicação prática da fé. Eles citaram várias conquistas alcançadas a partir do surgimento e atuação do grupo.

O ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, um dos fundadores do movimento, também esteve no encontro. Patrus disse que é importante os cristãos refletirem sobre sua responsabilidade política à luz dos princípios evangélicos e do ensino social cristão.


Os organizadores estimaram em mais de 3 mil pessoas o número de participantes.


O prefeito de Ipatinga, Robson Gomes (PPS), o prefeito de Belo Oriente, Humberto Lopes (PT) e o secretário de governo da Prefeitura de Ipatinga, Anderson Franco, ao lado de participantes do evento.

Programação completa do evento:

Sábado (28)
7h - Recepção e Credenciamento
8h - Abertura e Celebração
9h - Abertura
10h – Explanação “Cuidar da Vida: Espiritualidade, Ecologia e Economia”, ministrada por Patrus Ananias, Chico Alencar e Delze dos Santos Laureano
12h - Almoço
13h30 - Deslocamento para os locais onde acontecerão as plenárias temáticas
14 h - Plenárias temáticas
Fim de tarde - Momento Cultural no Parque Ipanema

Domingo (29)
8h – Celebração Ecumênica
9h30 – Explanação “Cuidar da Vida: Espiritualidade, Ecologia e Economia”, ministrada por Milton Schwantes, Dom Tomás Balduíno e Ivoni Reimer
11h30 – Envio ecumênico
12h – Encerramento
12h30 – Almoço e apresentação cultural

sábado, 28 de novembro de 2009

Dia Mundial de Combate AIDS - 1º de Dezembro

1º de Dezembro – É dia de luta!

O Dia Mundial de Combate AIDS foi instituído em 1988, uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) e dos movimentos sociais de luta contra AIDS para mobilizar as pessoas no mundo todo na luta contra o HIV/AIDS. Esta data entrou na agenda do movimento LGBT que atua diariamente contra o estigma e o preconceito da doença e para exigir políticas públicas de enfrentamento a epidemia. Por mais que tenhamos grandes avanços e conquistas para reverter o quadro da epidemia de HIV e AIDS entre gays e travestis no país, ainda não é hora de festejar. A situação de gays e travestis é preocupante.

A homofobia é um elemento estruturante da vulnerabilidade. Segundo os estudos, o risco relativo à infecção pelo HIV: probabilidade de estar infectado entre os gays e outros HSH é 11 vezes maior que entre os homens heterossexuais*. Risco Relativo para AIDS - a probabilidade de desenvolver a doença entre gays e outros HSH é pelo menos 18 vezes maior que entre homens heterossexuais**. Mas infelizmente estes dados não têm sensibilizados os gestores públicos, pois os investimentos para as políticas públicas de prevenção ao HIV para população de gays e travestis não tem aumento na mesma proporção do risco relativo para AIDS.

Em 2008, foi lançada o Plano Nacional de Enfretamento a Epidemia de AIDS e outras DST entre Gays, Travestis e outros HSH, com o objetivo enfrentar a epidemia de AIDS e DST entre gays, outros HSH e travestis, por meio da redução de vulnerabilidades, estabelecendo respostas em prevenção, promoção e atenção integral a saúde. O Estado de Minas Gerais é um dos mais atrasados na elaboração e execução do Plano. Como se isso não bastasse, os representantes da Coordenação Estadual de DST-AIDS são trocados constantemente no que resulta numa fragilidade e retrocesso das ações e das políticas de enfrentamento constituídas no estado mineiro

Neste sentido, é preciso que o conjunto da militância LGBT e de luta contra AIDS assuma o seu papel histórico de controle social, mobilizar e pressionar o poder público para que se implemente políticas públicas consistentes de enfrentamento a epidemia de HIV/AIDS e outras DST para Gays, Travestis e a população em geral.

Ato Público – 1º de dezembro e Dia de Luta
Local: Praça Sete, às 16h.
Data: 1/12/2009
Belo Horizonte – MG


(* Scwarcwald e Aristides Barbosa Junior, 1999)

(** Risco relativo para AIDS dos homossexuais masculinos no Brasil, Beloqui J, Cadernos Pela Vida, 2006.)


Contato:
Carlos Magno: 8817-1170
Paulo Cezar: 8761-4750

Festival Gastronômico Francês no Belo Horizonte Othon Palace!


Clique na imagem

Muito Além das Montanhas

Muito além das montanhas

As Grutas e Cavernas são prova vivas de como a natureza, com seus processos, mudam as paisagens transformando o belo em algo ainda mais inacreditável. Os processos geológicos comuns e esperados, como as transformações químicas, tectônicas, biológicas e atmosféricas, contribuem para o surgimento e esculturas inacreditáveis das rochas.

Exatamente sobre as belezas, mistérios e curiosidades que envolvem esse processo de criação das mais belas obras naturais é que trata o livro “Grutas e Cavernas da Província Cárstica do Alto São Francisco Minas Gerais”. A obra será que será lançada no dia 1 de dezembro (terça-feira), às 20h, no Espaço 104 (Praça da Estação 104 – Centro).

Apaixonados pela natureza e encantados por sua beleza, o premiado fotógrafo, Cyro José Soares e o filósofo, Lincoln de Barros, uniram-se para descrever, através de fotos e textos, a fauna e flora que envolvem e completam as grutas e cavernas mineiras, localizadas na Província Cárstica do Alto São Francisco.

Loca da Lua de Mel, Abismo da Passagem, Lapa do Martinho, Toca do Susto, Sumidouro da Loca D´água, Buraco do Macaco, Gruta do Éden, Santuário, são algumas dos nomes dados a algumas das muitas cavernas e grutas da região.

“São muitos os nomes, são muitas as grutas, são muitas as suas formas. Abismo, abrigo, buraco, caverna, furna, gruta, lapa, loca, passagem, sumidouro, toca: as grutas e cavernas do Castre do Alto São Francisco não são apenas grutas e cavernas, são também a imaginação da Geografia, a poesia dos nomes dos lugares que se chamaram assim por mil razões e circunstâncias”, descreve Lincoln.

Para Cyro, que expressou em imagens sua admiração pela natureza no livro, as mais diversas regiões do país por onde passou, Minas, é sem dúvida, uma das mais belas e ricas.

Em “Grutas e Cavernas da Província Cárstica do Alto São Francisco Minas Gerais”, além de belas paisagens, o leitor poderá desfrutar de um texto poético que detalha questões históricas e curiosidades do local.

Sobre os autores:

Cyro José Soares é fotografo profissional desde 1969. Em 1983, fez sua primeira mostra fotográfica. Desde então, participa de vários projetos culturais e de diversas exposições e mostras no Brasil e no exterior. Cyro publicou seus trabalhos em várias revistas e livros especializados em fotografia ambiental em Minas Gerais e no Brasil, e tem vários prêmios em concursos fotográficos nacionais. Nos últimos anos, vem trabalhando freqüentemente em levantamentos fotográficos ambientais. É especialista em macrofotografia, necessidade geral nesses projetos. Sua obra mais recente foi o lançamento, em 2008, do livro “Vereda, berço das águas”, com fotos das veredas do sertão mineiro, em coautoria com o geógrafo Ricardo Soares Boaventura.

Lincoln Avelino de Barros é filósofo, especialista em análise de sistemas e Mestre em Tecnologia da i nfo rmação na Administração Pública. Por esta dupla formação foi analista de sistemas, gerente e coordenador de projetos em empresas públicas e privadas durante vários anos. Foi também professor universitário e consultor em programas de desenvolvimento e em planejamento participativo em vários projetos de desenvolvimento no Brasil e na America Latina.

Agenda:

Lançamento: “Grutas e Cavernas da Província Cárstica do Alto São Francisco Minas Gerais”
Data: 01 de dezembro (terça-feira) // Horário : 20h
Local: no Espaço 104 (Praça da Estação 104 – Centro).
Informação: 3463-8282
Entrada Franca

Informações para a imprensa:

Ampla Soluções em Comunicação:
Liège Camargos e Marianna Moreira
(31) 3225-1116 / 3221-9241 / 8899-0353
ampla@amplacomunicacao.com.br

Marianna Moreira
Ampla Soluções em Comunicação
Rua dos Otoni, 22 / sala 603 - Santa Efigênia
(31) 3225-1116/(31) 3221-9241/(31) 8822-0858
imprensa@amplacomunicacao.com.br

Bolt Brasil no "1° S.E.M. Estratégico

Cléo Silva representa a Bolt Brasil no "1° S.E.M. Eestratégico" em Belo Horizonte (28/11)

O reconhecimento de uma empresa no mercado pode estar não só em seus bons produtos e serviços, mas também no marketing e relacionamento com seus clientes através da Web. Estas estratégias funcionam como uma receita de sucesso para muitas organizações. Uma alternativa eficaz para quem almeja um maior destaque é a divulgação da empresa através dos sites de busca, como o Google, o mais acessado mundialmente.

Por este motivo o 1° Seminário Estratégico de Marketing de Busca, o “S.E.M Estratégico”, que acontece no dia 28 de novembro, no Centro de Convenções do Pampulha Flat (Alameda das Latânias, 1207 – Pampulha- Belo Horizonte- MG). O objetivo é propor alternativas e focar no ensino de estratégias de marketing através do SEO (Search Engine Optimization ou Otimização para sites de busca) e PPC (Pay per click ou Anúncios em links patrocinados).

Cléo Silva, Analista SEO da Bolt Brasil, uma das maiores empresas de comunicação digital de Belo horizonte é uma das palestrantes. Ela abordará os mais importantes elementos de Otimização de Sites (SEO) na hora de desenvolver um novo site com arquitetura de páginas e planejamento. Além de pontuar os fatores On-Page, importantes para ajudar em um melhor posicionamento nos mecanismos de buscas. Cléo alem de atuar como consultora SEO, atua também como especialista de Mídias Sociais na Bolt Brasil.

No seminário ainda serão abordados, passo a passo, as melhores estratégicas para se usar a divulgação nos sites de busca, os fatores que levam as grandes empresas estarem nas primeiras posições, como ser um campeão de visitas etc. Ainda participarão como palestrantes os especialistas em mídias digitais Thiago Luz, Fábio Ricotta, Anderson Lopes, Everson Costa e Rafael Damasceno.

Agenda: “1° S.E.M. Estratégico”
Data: 28 de novembro de 2009, sábado
Horário: 9 h
Local: Alameda das Latânias, 1207
Pampulha- Belo Horizonte- MG)
Informações: (31) 3347-7585

Informações para a imprensa:
Ampla Soluções em Comunicação:
Liège Camargos e Marianna Moreira
(31) 3225-1116 / 3221-9241 / 8899-0353
ampla@amplacomunicacao.com.br

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Por dentro da grana da Educação

Por dentro da grana da Educação

Publicado em 21/11/2009

Financiamento da Educação. "Ih, não sei nada sobre esse assunto!" Você já deve ter ouvido - ou até falado - algo parecido quando alguém traz o tema à tona. A reação é compreensível: inundados por uma infinidade de siglas, planilhas, fontes de recurso e complicadas regras de transferências orçamentárias, os educadores costumam evitar a conversa sobre o dinheiro que move a Educação no Brasil. Não deveria ser assim: conhecer de onde vem e para onde vai o dinheiro da área educacional tem tudo a ver com a qualidade do seu trabalho. Nesta reportagem, propomos quatro questões fundamentais para entender de onde vem o dinheiro da Educação. Mergulhe nas respostas e acompanhe como os recursos são aplicados na sua escola. Você perceberá que, no fundo, o tema não é tão complicado assim.

Quem paga a conta da educação publica no Brasil?
Entre 2000 e 2007, último ano com dados disponíveis no Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), entidade responsável pelo levantamento, a proporção de quem arca com os gastos tem se mantido mais ou menos inalterada:
- a União responde por cerca de 18% do total dos recursos da Educação;
- os estados e o Distrito Federal por 42%;
- os municípios pelos 40% restantes.

O dinheiro que abastece a Educação deriva de duas fontes principais. A primeira, responsável por cerca de 20% do total de verbas, é o salário-educação, uma contribuição social feita pelas empresas ao governo com valor correspondente a 2,5% da folha de pagamento anual. Os outros 80% vêm dos impostos, que são convertidos em orçamento municipal, estadual ou federal.

Que dinheiro é repassado as escolas?
repasse da verba às escolas é regulado pela Constituição brasileira por meio de uma regra pouco encontrada em outros países. É a chamada vinculação de recursos, que determina um percentual mínimo do orçamento a ser investido em Educação.

- Para estados e municípios, esse valor é de 25%.
- Para a União, 18%.

Mesmo com essa lei, de acordo com os dados do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope), cinco estados (Mato Grosso, Paraíba, Rio Grande do Sul, Rondônia e Sergipe) e pelo menos 165 municípios, a maioria de pequeno porte, investiram em 2008 um percentual inferior ao piso.

Como o dinheiro é dividido entre os níveis de ensino?
A Educação Básica abocanha a maior parte do bolo - 84,5%, sendo 64% para o Ensino Fundamental, 13% para o Ensino Médio e 7,5% para a Educação Infantil. Já o Ensino Superior fica com uma fatia de 15,5%, mas o gasto do governo com cada aluno de faculdade é, de longe, o mais elevado de todos os níveis de ensino: 12.322 reais anuais por cabeça, quase seis vezes mais do que o valor médio investido em um estudante das séries iniciais (2.166 reais). A diferença, que ainda é grande, vem caindo: em 2000, um universitário custava 11 vezes mais do que um aluno de 1ª a 4ª série.

Como o dinheiro é distribuido nas unidades de ensino?
A maior parte dos recursos (cerca de 60% do total) é consumida pelo pagamento de gestores, professores e funcionários. Outros 27% são destinados à manutenção e ao funcionamento das instituições de ensino, 6,6% para reformas e construções de novas escolas, 6% para os chamados encargos sociais (contribuições previdenciárias e trabalhistas) e apenas 0,4% na área de pesquisa e desenvolvimento.

O país gasta o suficiente com o sistema de ensino?
As opiniões costumam se dividir. De um lado, ficam os que defendem que os recursos destinados à área são insuficientes - e que, se não houver incremento, será impossível vencer o desafio da qualidade do ensino. De outro, estão os que argumentam que o investimento já chegou a níveis suficientes - e o grande problema seria o gerenciamento adequado dessa verba. Na busca de pistas para a resposta, uma saída possível é comparar o investimento brasileiro com o de outros países. Na maioria desses confrontos, o Brasil sai perdendo, independentemente do critério adotado.

Como é o gasto por aluno?
Para esse cálculo, a base de comparação é o ano de 2006, usado pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), grupo que reúne as 30 nações mais desenvolvidas do mundo, em sua publicação Education at a Glance 2009 (algo como "Educação de Relance", sem edição no Brasil). Na pesquisa, o total anual gasto com cada estudante no Ensino Fundamental no Brasil foi o equivalente a apenas um quarto do valor dispendido pelos países da OCDE (respectivamente, 1.566 e 6.437 dólares PPP, medida que torna comparável o montante investido em cada país). Mesmo se considerarmos apenas a realidade nacional, o gasto público em Educação é pequeno. Em 2007, cada aluno do Ensino Fundamental de 1ª a 4ª série custou 2.166 reais. "Isso dá cerca de 180 reais por mês, um valor baixo em relação à mensalidade média de uma escola privada, que oscila na casa dos 500 reais. Mesmo que descontemos os eventuais lucros das instituições particulares, a comparação mostra que, com o montante gasto pelo governo, não dá para fazer milagre", diz Juca Gil, professor da Universidade de São Paulo (USP) e especialista em políticas educacionais.

Qual o porcentagem do PIB investidaa Educação?
Em 2006, 3,9% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro foram destinados à Educação Básica, valor superior à média da OCDE (3,7%). Aparentemente, levamos vantagem, mas há um ponto importante a considerar: a maioria das nações do bloco gasta apenas na manutenção dos sistemas, enquanto no Brasil ainda é preciso ampliar a oferta e recuperar infraestrutura e salários. "Se quisermos mudar de patamar, precisamos investir mais", afirma Juca Gil. Quanto? Novamente, as comparações ajudam. Para sair de uma situação parecida com a nossa, a Coreia do Sul dedicou, durante uma década, 10% do PIB à Educação.

Qual o gasto publico social?
Esse indicador considera os gastos governamentais no atendimento aos chamados direitos sociais: saúde, saneamento, habitação, previdência e, claro, Educação. Quanto maior o gasto da área, maior a importância relativa dela. No caso brasileiro, de cada 100 reais investidos em políticas sociais, 16 vão para a Educação. É um índice superior à média da OCDE (13%), mas menor que o de países latino-americanos, como o México (22%).

O Fundeb e o fim da DRU podem ser a solução?
Tanto o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) quanto o fim da Desvinculação de Recursos da União (DRU) injetam mais dinheiro no orçamento da Educação e podem gerar melhorias, mas dificilmente trarão condições suficientes para concretizar uma mudança radical em pouco tempo.

Como o Fundeb impacta na Educação?
Instituído em 2007, o Fundeb, que em 2009 deve alçancar 81 bilhões de reais, é abastecido por uma porcentagem de diversos impostos. Cada estado tem o seu Fundo. Depois de recolhida, a verba é repartida com as redes municipais e estaduais conforme o número de matrículas, a etapa e a modalidade de ensino. O cálculo é feito com base em um valor por aluno, estabelecido segundo esses critérios. Como exemplo, em 2009, o valor mínimo anual para cada aluno das séries iniciais do Ensino Fundamental está previsto em 1.350 reais.

A maioria dos estados consegue atingir (e ultrapassar) esse patamar com sua própria arrecadação. Quem não chega lá, entretanto, recebe ajuda do governo Federal, que transfere um complemento para compor o piso. Em 2009, nove estados precisaram ser auxiliados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí.

A tentativa de atenuar as desigualdades regionais, a definição de um valor mínimo por aluno e o controle da aplicação dos recursos (algumas despesas, como a remuneração dos professores, têm percentuais mínimos obrigatórios, que não podem ser modificados por governadores e prefeitos) são os méritos do Fundeb. O que alguns especialistas argumentam é que o tamanho da ajuda ainda não é o suficiente. De fato, em 2007, primeiro ano de vigência do Fundo, o percentual do PIB investido em Educação subiu apenas 0,2%, algo como 6 bilhões de reais. "Esses valores não permitem diminuir as disparidades nas condições de oferta educacional pelo país", afirma a pesquisadora Rosana Evangelista da Cruz, da Universidade Federal do Piauí (UFPI), autora de tese de doutorado sobre a participação federal no financiamento da Educação.

Como o fim da DRU impacta a educação?
Instituída em 1994, a DRU permite ao governo federal gastar livremente 20% dos recursos orçamentários de qualquer área. Tradicionalmente, setores como a Educação acabam perdendo dinheiro. Se a prática for de fato extinta, o Ministério da Educação (MEC) prevê que a pasta disponha de mais 9 bilhões de reais no orçamento, que no ano que vem deve atingir 53 bilhões de reais (30% a mais que neste ano). A novidade, porém, depende da aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) - em tramitação no Congresso -, que prevê uma redução gradual dos recursos que podem ser retirados (12,5% em 2009, 5% em 2010 e zero em 2011).

Como o dinheiro é dividido na escola?
Entenda o destino de duas importantes fontes de financiamento para as escolas: o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e da Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e os recursos do governo federal.

Biblioteca: Parte dos livros que compõem o acervo das escolas é entregue pelo governo federal, por meio do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE). Os demais podem ser comprados com os fundos próprios ou do Fundeb.

Professores e gestores: pelo menos 60% da verba repassada pelo Fundeb deve ser aplicada na remuneração dos docentes e profissionais de suporte pedagógico, tanto efetivos quanto temporários.

Demais funcionários: São pagos com a verba do Fundeb ou dos recursos próprios das redes.

Eventos: Para promover comemorações, as escolas usam sua própria verba. Mas, em geral, essas festas viram fontes de recurso - menos significativos do que os vindos do governo -, administrados pela Associação de Pais e Mestres (APM).

Manutenção: Com o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), o governo federal deposita nas contas das APMs recursos para reparos na instituição.

Alimentação: Parte da merenda dos alunos é paga pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Como nem sempre ela é suficiente, recursos do Fundeb ou da própria rede podem ser direcionados para a área.

Materiais específicos: Equipamentos necessários às aulas de Educação Física ou de música podem ser comprados com recursos do Fundeb.

Obras: Para fazer construções na escola, a rede tem de investir recursos próprios ou usar os vindos do Fundeb.

Sala de informática: Computadores e outros equipamentos são sustentados por duas fontes principais: Fundeb e recursos federais. Assim como nos outros itens, as redes podem complementar com verbas próprias.

Provas: Avaliações federais, estaduais e municipais, como a Prova Brasil, são mantidas pelos governos que as promovem. Os recursos vêm do Fundeb, do governo federal ou das próprias redes.

Sala de aula: Uniformes, livros didáticos, cadernos, mobiliário e equipamentos básicos, como giz, são mantidos com verbas do governo federal por meio do Plano Nacional do Livro Didático (PNLD) e do Fundeb.

Transporte: Verbas do Fundeb e de dois programas federais, o de Apoio ao Transporte Escolar (PNATE) e o Caminho da Escola, são voltadas para o deslocamento de alunos.

Fonte: Educar para Crescer
www.portalabre.com.br

Curso Básico de Educação Alimentar


Clique na imagem

Trem das Artes encerra temporada 2009 em Itaguaí (RJ) neste final de semana

Temporada 2009 encerra em Itaguaí (RJ)

Depois de agraciar sete cidades, cinco de Minas e duas do Rio de Janeiro, projeto faz sua última parada configurando como um dos grandes programas culturais itinerantes

Neste final de semana, 28 e 29 de novembro, em Itaguaí (RJ), acontece a última etapa do projeto Trem das Artes 2009, encerrando uma temporada de sucesso. Durante três meses de intensa e rica programação que ocorreu antes da etapa de Itaguaí, o projeto percorreu sete municípios, sendo cinco de Minas Gerais (Conselheiro Lafaiete, Bom Jardim de Minas, Entre Rios de Minas, Sarzedo e Brumadinho) e dois do Rio de Janeiro (Pinheiral e Paraíba do Sul), levando a todas as comunidades locais oficinas para educadores e gestores culturais, oficinas para crianças, espetáculos de teatro e música, contação de histórias e muito mais.

Para encerrar com chave de ouro o Trem das Artes chega agora à sua última estação, Itaguaí, município localizado a 73Km da capital fluminense.

A primeira atividade a ser promovida na cidade será a oficina “Desenvolvimento de Projetos Culturais”, de 17 a 27 de novembro, no Centro de Educação Integrada (CEI).

Destinada aos artistas, gestores públicos, agentes e produtores culturais da região, seu objetivo é capacitar os participantes para a utilização de técnicas de mapeamento cultural, diagnóstico participativo, planejamento e elaboração de projetos.

A partir da atividade, os alunos terão embasamentos teóricos e conceituais sobre políticas e planejamento, bem como sobre mecanismos de financiamento à cultura, dotando-os de técnicas e conhecimentos para uma atuação mais profissional e consciente na área cultural que cada vez mais exige de seus profissionais uma postura ética e segura.

Como etapa preliminar à realização da oficina, mas ainda como parte do processo formativo, será realizado um exercício de mapeamento cultural no qual os próprios alunos, sob a supervisão e com instrumentos e metodologia elaborados pelos monitores, levantarão dados culturais relevantes para melhor conhecimento dos contextos culturais dos quais participam e, por consequência, maior consciência para a proposição de projetos que venham a interferir nas realidades locais.

A oficina “Desenvolvimento de Projetos Culturais” será ministrada pela gestora cultural, Ana Flávia Macedo, em 45h/aula, no Centro de Educação Integrada (CEI). Toda a programação é gratuita.

Últimas atrações culturais

No sábado (28/11) o Trem das Artes 2009 começa suas atividades a partir de 19h30, com a encenação do espetáculo “Os coloridos” comandada pelo grupo teatral da cidade, MGT. Logo mais, às 20h, acontece o espetáculo musical “Titane e o Campo das Vertentes”. A atração representa a consolidação de todas as atividades, reflexões e processos vivenciados no projeto de mesmo nome. Neste espetáculo sobem ao palco a cantora Titane, o coro cênico-musical composto por participantes do projeto, Sérgio Pererê e ainda o grupo Rosa dos Ventos. O repertório é composto por canções de Sérgio Pererê e Makely Ka, incluindo poemas, representantes da nova geração da música mineira que tem em seus trabalhos elementos diversos da música brasileira e do mundo.

“Titane e o Campo das Vertentes” tem a direção geral de João das Neves, preparação corporal de Irene Zivianni e figurino produzido por Cláudia de Paula.

No domingo (29/11), a primeira atividade inicia-se às 9h, com a oficina “Berimbalança”. Destinada ao público infantil e coordenada pelo professor de educação física Freddy Freiha, a oficina mistura técnicas da capoeira e do circo estimulando o desenvolvimento da criança em cinco pilares estruturais: motor, afetivo, social, cultural e cognitivo. Na oficina, músicas infantis cantadas na escola são transportadas para o universo da capoeira.

Logo depois, às 11h, será a vez da atração “Rúbia: brincando e contando histórias”. O espetáculo, apresentado pela animadora, educadora e contadora de histórias Rúbia Mesquita, promete transportar crianças e adultos para um mundo mágico. Atividades lúdicas, dinâmicas e cantigas fazem parte da peça dirigida por Renata Mesquita e Fernanda Andrade. A apresentadora também abordará o tema da segurança nas linhas do trem. Durante uma conversa divertida e educativa com um maquinista da MRS ela vai falar sobre a importância da ferrovia, informando e conscientizando as crianças com relação aos perigos que a linha de trem representa e sua essencial função como meio de transporte.

Todas as atividades culturais de sábado e domingo são gratuitas e acontecem na Praça 5 de julho – Centro

O projeto

Em sua sexta edição, o Trem das Artes, uma realização do Instituto Artivisão com o patrocínio da MRS Logística, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, vem se configurando como um dos grandes projetos itinerantes dos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro.

O grande objetivo do programa é contribuir para o processo de formação da identidade cultural, propiciando a todos o acesso democrático ao melhor da arte e da cultura.

Para Patrícia Lamego, gestora do Instituto Artivisão e coordenadora geral do Trem das Artes projetos culturais acessíveis a todos são transformadores pelo aspecto da promoção de uma interação entre segmentos diferentes da sociedade. “Sendo a cultura toda e qualquer manifestação do modo de vida de um povo, é em torno dela que gravita a identidade nacional. Daí a sua função catalisadora e a sua capacidade de integração de pessoas e de interpretação do inconsciente coletivo”, afirma.

Serviço: Trem das Artes
Data: 8 de setembro a 29 de novembro
Itaguaí: 17 a 29 de novembro
Cidades: Conselheiro Lafaiete (MG), Bom Jardim de Minas (MG), Entre Rios de Minas (MG), Pinheiral (RJ), Paraíba do Sul (RJ), Sarzedo (MG), Brumadinho (MG) e Itaguaí (RJ)

Programação Gratuita

Realização
Instituto Artivisão

Patrocínio
MRS Logística
Fontes para entrevista:
Patrícia Lamego – Coordenadora Geral do Projeto Trem das Artes
Contatos: (31) 3241-5880 ou (31) 9217-4812
Carmem Maron – Assessora de Comunicação Empresarial da MRS
Contatos: (32) 3239-3604 ou (32) 8427-1158

Assessoria de Imprensa:
Sinal de Fumaça – A comunicação original
Sergio Stockler (31) 9143-1001
Pollyanna Alcântara (31) 9752-4058
Telefones: (31)3264-4404
E-mail:
pollyanna@sinaldefumaca.com.br

6º Encontro Nacional do Terceiro Setor - MG


Clique na imagem

Oficinão Galpão Cine Horto - Espetáculo Prato do Dia

Convidamos todos para assistirem o novo espetáculo do Oficinão Galpão Cine Horto, “Prato do Dia”, com direção de Lenine Martins.

Pedimos a ajuda de vocês na divulgação da 1ª temporada, que vai até o dia 06 de dezembro de 2009!

As informações completas do espetáculo estão disponíveis no site:

http://www.galpaocinehorto.com.br/

Tiago Penna
Assessor de Comunicação
(31) 3481- 5580 / 9308-8359
http://www.galpaocinehorto.com.br/


Clique na imagem

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Convite - Evento de Entrega do Diagnóstico Indígena


Clique na imagem

Educação exige presença do setor privado?! - Folha São Paulo, 24/11/2009

Folha de São Paulo, 24/11/2009 - São Paulo SP

Educação exige presença do setor privado

Para especialistas no assunto de mais de 120 países reunidos em Doha, investimento não depende apenas do setor público. Educação do século 21 requer investimentos complexos que muitas vezes o Estado não dá conta de suprir, diz diretora-geral da Unesco

André Palhano - Enviado Especial a DOHA

Garantir o acesso a uma educação básica de qualidade, um dos desafios do milênio estabelecidos pela ONU (Organização das Nações Unidas) para 2015, exigirá mais do que recursos e esforços do setor público. Exigirá, também, uma participação ativa do setor privado, seja na exploração do segmento, seja no financiamento de atividades educativas e no engajamento com os governos. Essa é a síntese de debates realizados na última semana em Doha (Qatar) durante o World Innovation Summit for Education (Wise), encontro que reuniu especialistas em educação de mais de 120 países. "O direito à educação não é garantido hoje para milhões de pessoas no mundo e dificilmente conseguiremos cumprir essa meta nesses próximos seis anos. Isso ocorre porque a educação do século 21 exige investimentos cada vez mais complexos, que muitas vezes os Estados não dão conta de suprir", disse a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, lembrando que a crise global afetou de maneira significativa o financiamento público à educação em diversos países.

É um debate polêmico. Afinal, não é dever do Estado garantir educação de qualidade para toda a população? A resposta é positiva para grande parte dos especialistas, mas não encontra respaldo na realidade. Mesmo gestores que sempre defenderam o financiamento estatal como modelo único para a universalização da educação, caso do ex-chanceler alemão Gerhard Schröder, começam a jogar a toalha. "O setor público é e provavelmente sempre será o principal agente da educação. Tenho de reconhecer, no entanto, que em muitos países, por diferentes razões, os governos não têm condições de fazê-lo de maneira satisfatória", disse Schröder à Folha. "Em muitos casos, depender exclusivamente do financiamento estatal pode gerar abismos incontornáveis. É aqui que entra a importância do setor privado." Alguns números mostram que, mesmo nos países desenvolvidos, a demanda por educação vem crescendo a passos mais largos do que a capacidade de financiamento estatal. Nos Estados Unidos, por exemplo, o setor privado responde hoje por mais da metade (54%) dos investimentos em educação no nível superior. Na Europa, essa média pulou de minguados 4,2% há sete anos para mais de 15% atualmente. Obviamente, a maior fatia desse bolo se refere à própria exploração do segmento por empresas do setor privado. Nos países em que as faixas de renda média da população começam a mudar estruturalmente para cima, caso do Brasil, esse fenômeno é especialmente visível. Segundo dados do Censo da Educação Superior, do Ministério da Educação, o setor privado representava em 2007 nada menos do que 92,5% das faculdades, 96,7% dos centros universitários e 47,5% das universidades no país.

Desafio global - O investimento social privado em educação também possui papel de destaque nesse contexto, sobretudo nos países em desenvolvimento. No Brasil, a área recebeu a maior parte do R$ 1,1 bilhão investidos pelas empresas entre 2007 e 2008, segundo dados do último Censo Gife (Grupo de Instituições, Fundações e Empresas), que reúne os principais investidores sociais privados do país. "Com tantos modelos e sistemas diferentes, é impossível dar uma resposta única para o desafio global do financiamento à educação. Não há dúvidas, no entanto, de que a cooperação com as empresas e o investimento social privado é um elemento cada vez mais relevante", defende Svava Bjarnason, especialista sênior em educação do International Finance Corporation (IFC), braço financeiro do Banco Mundial para o setor privado.

Não se trata, segundo ela, de simplesmente injetar recursos em projetos e parcerias com organizações não governamentais em troca de retorno institucional, mas de participar da evolução da sociedade na qual a empresa está inserida de maneira ativa, gerando retornos de médio e longo prazos também em termos econômicos. Um dos principais entraves para a ampliação do investimento social privado em educação no planeta, segundo os especialistas reunidos em Doha, está na baixa atratividade dos incentivos fiscais relacionados ao tema. Pesquisas mostram que, no Brasil, essa é a segunda maior dificuldade apontada por empresas de grande porte (a primeira é a falta de recursos disponíveis) na realização de investimentos sociais.

Para ter uma ideia, mais de um terço das companhias não utiliza os incentivos previstos em lei em nível federal, estadual ou municipal, geralmente pelo baixo valor envolvido, pela complexa burocracia para obtê-los ou simplesmente por falta de conhecimento do tema. "Do mesmo modo que as empresas esperam compensações reais, o governo também as espera. Incentivar fiscalmente empresas empreendedoras, para o governo, só é vantajoso se o retorno em investimentos sociais for maior que o valor subsidiado. Para as empresas, porém, isso não ocorre, pois os retornos são inúmeros, de modo que a compensação tributária é somente um dos muitos pontos positivos a serem ganhos", escreveu a economista Aline Aparecida Roberto em relatório sobre o tema. Para o subsecretário-geral do Departamento de Informação Pública da ONU, Kiyo Akasaka, somente ações coordenadas entre setor público, setor privado e organizações da sociedade civil podem dar conta dos desafios impostos à educação. "Isoladamente, ninguém chegará a lugar algum." O jornalista ANDRÉ PALHANO viajou a convite da Fundação Qatar

Convite - 16º Seminário Anual de Direitos Humanos

Convite - 16º Seminário Anual de Direitos Humanos

A Secretaria Municipal Adjunta de Direitos de Cidadania por meio da Coordenadoria de Direitos Humanos, realizará dia 10 de dezembro/09, de 08hs30m às 18 hs, o 16º Seminário Anual de Direitos Humanos, no Espaço Loyola da Escola Superior Dom Helder Câmara, Rua Álvares Maciel, 628 B. Santa Efigênia BH/MG, conforme folder anexo.

Daniel Nepomuceno
Coordenador de Direitos Humanos

Clique na imagem

Voluntariado Transformado - Debate Público

Voluntariado Transformado - Debate Público
30/11/09


Clique na imagem

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Artigo - Gilberto Dimenstein

Acompanhem artigo de Gilberto Dimenstein, publicado na Folha de São Paulo, sobre a chegada da Classe C,D e E na Universidade!

O escândalo da minissaia de Geisy Arruda é apenas um detalhe de um fenômeno muito maior: a entrada dos mais pobres no ensino superior brasileiro. Em breve --e breve significa mais três ou quatro anos-- as classes C, D e E serão maioria nas universidades.

Uma consultoria especializada em ensino superior (Hoper) informa que, de 2004 até 2008, o número de alunos da classe C cresceu 84%, e da classe D, 52%. Isso significa um batalhão de quase 680 mil pessoas.

São brasileiros com mais expectativas profissionais, já que, ao entrarem na faculdade, imaginam-se com mais chance de um bom emprego. É gente que, em geral, tende a tornar-se mais crítica e ciosa de seus direitos --vejam como Geisy Arruda defendeu seus direitos.

É também gente, que, em geral, tem mais garra. Não é fácil sobreviver ao ensino médio público, trabalhar à noite e estudar de dia.

Aposto que está aí o nascimento, aos poucos, de uma nova elite brasileira. Sem perder o olhar crítico e a demanda por mais qualidade de ensino, os acadêmicos deveriam olhar com menos preconceitos para o ensino superior privado.

Assim como é melhor um jovem concluir o ensino médio público, por pior que seja, é melhor ter quatro anos de uma escola privada no ensino superior.

Baseado na suspeita de que esse público tende a demandar mais cultura, fiz a experiência de levar a faculdades privadas a experiência do site Catraca Livre (www.catracalivre.com.br), para treinar os estudantes sobre como aproveitar a programação cultura gratuita da cidade de São Paulo. Rapidamente, uma parcela dos estudantes, segundo depoimentos de diretores das faculdades, começou a frequentar os eventos, até concertos de música erudita e ópera.

Educação e pensamento indígena - Conferência

Educação e pensamento indígena - Conferência nesta quinta-feira, dia 26, às 19h, na Faculdade de Educação da UFMG

Boletim Informativo [UFMG]. Belo Horizonte, nº 1677 - Ano 36, 23.11.2009.

http://www.ufmg.br/boletim/bol1677/7.shtml

Pensamento indígena

Educação e pensamento indígena, conferência que será proferida pelo professor Ruben Caixeta de Queiroz, do Departamento de Sociologia e Antropologia da Fafich, é o tema de mais uma edição do Seminário Nacional Pensar a Educação, Pensar o Brasil. A conferência será nesta quinta-feira, dia 26, às 19h, no auditório Neidson Rodrigues da Faculdade de Educação da UFMG [endereço e ônibus abaixo], com transmissão pela rádio WebFae (www.radio.fae.ufmg.br/ao_vivo). A entrada é gratuita e não há necessidade de inscrição prévia.

UFMG – Campus Pampulha: Av. Pres. Antônio Carlos, 6.627, Pampulha, BH.

Ônibus:

+ Adentram o Campus:

- 5102 UFMG: Santo Antônio (R. Leopoldina), Praça da Liberdade, Centro (Av. Augusto de Lima), Av. Pedro II, Av. Pres. Carlos Luz, UFMG [adentra o Campus]; aos sábados, não adentra a UFMG os saídos a partir de 12:00; não adentra a UFMG aos domingos;

- 9502 UFMG: São Geraldo, Av. Silviano Brandão, Floresta, Centro (Av. Amazonas, Av. Afonso Pena), Av. Pres. Antônio Carlos (Lagoinha, IAPI, Hosp. Belo Horizonte, viad. São Francisco), B. São Francisco, UFMG [adentra o Campus]; aos sábados e domingos não adentra a UFMG;

- 9550 São Francisco: Casa Branca, Caetano Furquim, Boa Vista, Cidade Nova, Santa Inês, Av. José Cândido da Silveira, Av. Cristiano Machado, Minas Shopping, Av. Bernardo Vasconcelos, viad. São Francisco, B. São Francisco, UFMG; no domingo não chega até o portão da UFMG;

- Suplementar 50 Caiçara: Nova Vista, Cidade Nova (CETEC-MG, Av. José Cândido da Silveira, Av. Cristiano Machado), Minas Shopping, Av. Bernardo Vasconcelos, viad. São Francisco, UFMG [adentra o Campus], Av. Abraão Caram, Av. Pres. Carlos Luz, Shopping Del-Rey, Caiçara, (R. Rosinha Sigaud, R. Vila Rica); aos sábados, não adentra a UFMG os saídos dos pontos finais a partir de 13:40; não circula aos domingos;

- Suplementar 50 Nova Vista: Caiçara (R. Vila Rica, R. Belmiro Braga), Alto Caiçara (R. Alabandina), Shopping Del-Rey, Av. Pres. Carlos Luz, Av. Abraão Caram, UFMG [adentra o Campus], viad. São Francisco, Av. Bernardo Vasconcelos, Minas Shopping, Cidade Nova (Av. Cristiano Machado, Av. José Cândido da Silveira, CETEC-MG) Nova Vista; aos sábados, não adentra a UFMG os saídos dos pontos finais a partir de 13:40; não circula aos domingos;

+ Portão 1 (Principal, + uns 10min a pé) Qualquer ônibus vindo do Centro de Belo Horizonte que passe na Av. Pres. Antônio Carlos em frente ao Campus Pampulha, além de:

- Suplementar 53 Confisco: São Gabriel, PUC São Gabriel, Av. Cristiano Machado, Minas Shopping, Av. Bernardo Vasconcelos, Av. Pres. Antônio Carlos (viad. São Francisco, UFMG), Av. Abraão Caram (UFMG, Mineirão), Av. Pres. Carlos Luz (UFMG), Ouro Preto, Paquetá, Santa Terezinha, Urca, Jdim. Zoológico, Confisco;

- Suplementar 53 São Gabriel: Confisco, Jdim. Zoológico, Urca, Santa Terezinha, Paquetá, Ouro Preto, UFMG, Mineirão, Av. Pres. Antônio Carlos (viad. São Francisco), Av. Bernardo Vasconcelos, Minas Shopping, Av. Cristiano Machado, PUC-São Gabriel, São Gabriel;

- Suplementar 70 Shopping Del-Rey: Conjunto Felicidade, Tupi (R. Mal. Henrique Lott, R. José Lins do Rego, R. Furquim Werneck), Guarani (Av. Waldomiro Lobo), São Bernardo (R. Maria Amélia Maia), Planalto (Av. Dr. Cristiano Guimarães, Av. Gal Olímpio Mourão Filho), Av. D. Pedro I, Av Pres. Antônio Carlos (Barragem da Pampulha, UFMG, Viad. São Francisco), Ermelinda (Av. Frei Henrique Diniz, R. Pinheiros), Aparecida (Av. Américo Vespúcio), Cemit. da Paz, Alto Caiçaras (R. Alabandina), Shopping Del-Rey;

- Suplementar 70 Conjunto Felicidade: Shopping Del-Rey, Cemit. da Paz, Av. Américo Vespúcio (Aparecida), Ermelinda (R. Pinheiros, Av. Frei Henrique Diniz), Viad. São Francisco, Av. Pres. Antônio Carlos (UFMG, Barragem da Pampulha), Av. D. Pedro I, Planalto (Av. Gal Olímpio Mourão Filho, Av. Dr. Cristiano Guimarães), B. São Bernardo (R. Maria Amélia Maia), Av. Waldomiro Lobo (Guarani), Tupi (R. Furquim Werneck, R. José Lins do Rego, R. Mal. Henrique Lott), Conj. Felicidade;

Edital de Seleção de Profissionais

Edital de Seleção de Profissionais

O Serviço Internacional (IS), agencia de cooperação internacional atuante em 7 paises da Europa, América Latina, Africa e Oriente Médio, seleciona para seu escritório nacional sediado em Recife/PE:
1 Coordenador(a) Técnico

1 Coordenador(a) Administrativo/Financeiro do Projeto “Construindo um Sertão Sustentável e Solidário”.

Os editais de seleção e o formulário de candidatura se encontram em anexo.

Serviço Internacional (IS)
Rua Caio Pereira, 100 - Recife, PE
Fone: (81) 3244 6391
E-mail:
info@isbrasil.org.br
Site:
www.isbrasil.org.br

Pluralidade é destaque em Conferências Estaduais


20/11/2009
Redação*
FNDC


Apesar do pouco tempo para serem realizadas, as etapas estaduais da Conferência Nacional de Comunicação (Confecom) estão demonstrando uma expressiva capacidade de mobilizar a sociedade em torno da comunicação. Há pouco menos de um mês para o encontro nacional, que ocorre entre os dias 14 a 17 de dezembro em Brasília, 14 estados já elaboraram suas propostas e elegeram suas delegações. A pluralidade dos participantes e das propostas tem sido destaque em todas as conferências.

A qualidade das etapas estaduais da Confecom tem surpreendido, considerando o curto prazo para a sua realização. Para a cineasta Berenice Mendes, representante da Associação Nacional das Entidades de Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões (Aneate) na Coordenação Executiva do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), a organização “demonstra a boa vontade e o engajamento do poder público federal, estadual e de toda a sociedade na realização e preparação dessas conferências”. Na última semana 11 estados realizaram com sucesso as suas etapas. Confira.

Minas Gerais

A Conferência Estadual de Comunicação (Conecom) mineira, convocada pelo governo estadual, realizou-se entre os dias 13 a 15 de novembro, na Assembleia Legislativa do Estado. O evento foi marcado pelo bom entendimento e respeito entre sociedade civil, sociedade civil empresarial e governo. Fato reconhecido pelo presidente da Comissão Organizadora Nacional, Marcelo Bechara, que participou dos três dias do encontro. Segundo ele o espírito de participação democrática dos três segmentos em Minas Gerais serve como exemplo ao restante do país.

Minas foi o estado com maior número de propostas até o momento. Cerca de 700 proposições serão levadas à Brasília. Entre elas está o fortalecimento das rádios comunitárias, a universalização do acesso à internet e a implantação de conselhos de comunicação. No âmbito estadual, destacam-se as moções, aprovadas por contraste visual, que condenam o cerceamento da imprensa mineira pelo Governo Estadual, e propõe a participação democrática da sociedade nos conselhos gestores da Rede Minas e da Rádio Inconfidência. Foram eleitos os 144 delegados destinados ao estado, desses 64 representam os movimentos sociais, 64 o setor empresarial e 16 o poder público (mais informações aqui).

Santa Catarina

Em Santa Catarina a Conecom, que ocorreu nos dias 14 e 15 de novembro, reuniu aproximadamente 260 pessoas. Foram eleitos 20 delegados da sociedade civil, 20 do setor empresarial e cinco do poder público. O Estado elaborou 450 propostas para serem debatidas na Confecom (confira aqui os resultados da Conecom/SC). O Coordenador-geral da Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária (Abraço) e membro da Executiva do FNDC, José Sóter, destaca entre elas a sugestão de isonomia das rádios comunitárias com os meios comerciais. “Santa Catarina pede, por exemplo, que se conceda às rádios comunitárias a permuta de 50% do valor da eletricidade, que já é concedida para as emissoras comerciais”, destaca o dirigente.

Pernambuco

A regionalização da produção cultural deu o tom da conferência de Pernambuco. O encontro realizado entre os dias 13 a 15 de novembro na cidade do Recife mobilizou mais de 250 pessoas. O estado elegeu 68 delegados, divididos em 30 para a sociedade civil, 30 para o setor empresarial e oito para o poder público. Segundo a psicóloga Roseli Goffman, representante do Conselho Federal de Psicologia (CFP) na coordenação Executiva do FNDC e deste na Comissão Organizadora Nacional (CON), o segmento empresarial compôs um acordo para a participação dos pequenos empresários em 20% das vagas. Ao final do encontro foram contabilizadas 500 propostas a serem levadas para a Conferência Nacional.

Bahia

Na Conecom da Bahia, ocorrida nos dias 14 e 15, foram apontadas mais de 200 propostas. Entre elas, medidas que facilitam o cumprimento do artigo 221 da Constituição Federal - que trata da cota de produção de 30% de conteúdo regional pelos meios de comunicação. A Conferência baiana elegeu 108 delegados para representar o estado na Confecom, sendo 12 do poder público, 48 da sociedade civil e 48 da sociedade civil empresarial.

Tocantins

Em Tocantins, o encontro aconteceu no dia 14. Segundo Claudia Santos, integrante da Comissão Organizadora Estadual, o encontro foi bastante produtivo e demonstrou aos representantes da sociedade civil a necessidade de serem protagonistas no debate sobre políticas públicas em comunicação no estado. As propostas elaboradas durante o evento, focaram a questão da taxação específica dos produtos audiovisuais estrangeiros. No final da Conecom foram eleitos 33 delegados (10 para a sociedade civil, 10 do empresariado e três do poder público).

Rio Grande do Sul

No Rio Grande do Sul (RS) a Conecom, realizada nos dias 17 e 18 de novembro, deu ênfase ao aprimoramento do conceito de controle público, no sentido de identificá-lo como uma ação conjunta da sociedade e do estado, pautada pelo marco regulatório. De acordo com o presidente da Comissão Organizadora Estadual e Coordenador Geral do FNDC, Celso Schröder, a Conecom gaúcha correspondeu às expectativas não só dos gaúchos, mas de toda a sociedade brasileira. “Ela aconteceu nos moldes das demais etapas e obteve um grande sucesso, não só em relação a participação de inscritos [470], mas também com a qualidade dos painelistas, dos debates e das intervenções. Cumpriu a sua tarefa de preparar delegados, teses e reflexões produzidas no estado”, afirma. Segundo ele, o Rio Grande do Sul realizou 17 etapas municipais, o que qualificou o processo.

A Conferência do RS elegeu ao todo 86 delegados (38 para a sociedade civil, 38 para a sociedade civil empresarial e 10 para o poder público). Na abertura do evento Cristina Feio, do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Rio Grande do Sul (Sintrajufe -RS), ressaltou que a Confecom é uma conquista dos movimentos sociais, mas que a luta por uma comunicação mais democrática continua.

Amazonas

Já a Conecom do Amazonas, realizada nos dias 17 e 18, elaborou cerca de 200 propostas. De acordo com o jornalista Fernando Oliveira Paulino, do Laboratório de Políticas de Comunicação (LapCom), as propostas são relativas às dificuldades locais de comunicação. “Os participantes solicitaram, por exemplo, um número maior de telefones públicos e efetividade na distribuição de correspondências nos municípios do interior”, exemplifica.

A criação de um conselho de técnicos para estudar as dificuldades enfrentadas pelos meios de distribuição no estado e na Região Amazônica também foi outro ponto de consenso entre os três segmentos presentes no evento. No final do encontro foram eleitos 33 delegados, sendo 10 para a sociedade civil, 10 para os empresários e três para o poder público.

Amapá

Na Conecom do Amapá, realizada nos dias 17 a 19 de novembro, foram apresentadas 133 propostas referentes aos eixos da Confecom. Também foram eleitos 23 delegados; 10 para a sociedade civil, 10 para os empresários e três para o poder público. Para o secretário de Comunicação do Estado, Marcelo Roza, foi a oportunidade de começar de fato o debate. Os amapaenses, segundo ele, desejam estar no mapa da comunicação e a consideram essencial para o desenvolvimento do Estado.

Maranhão

O encontro do Maranhão, aconteceu entre os dias 16 a 18 de novembro. Participaram 214 pessoas, sendo 115 representantes da sociedade civil, 57 da sociedade empresarial e 42 do poder público. Foram eleitos 50 delegados, sendo 22 da sociedade civil, 22 do setor empresarial e seis do poder público. Entre os temas debatidos na Conecom maranhense destaca-se a flexibilização das regras para o funcionamentos da rádios comunitárias.

Rio Grande do Norte

Na etapa potiguar, realizada nos dias 17 e 18, foram aprovadas 97 propostas para os três eixos temáticos da Confecom. Foram eleitos na Conecom do Rio Grande do Norte 23 delegados que representarão o estado na etapa nacional. Desses 10 são dos movimentos sociais, 10 do empresariado e três do poder público. Entre as propostas apresentadas no evento está a criação de um Fórum Potiguar de Discussão Permanente sobre Mídia.

Rondônia

Rondônia elegeu 23 delegados para a etapa nacional da Confecom. Eles se dividem entre 10 da sociedade civil, 10 da sociedade civil empresarial e três do poder público. Entre as propostas para a Confecom apresentadas no evento, se destacou a que prevê a proibição de publicidade direcionada às crianças e adolescentes. A Conecom de Rondônia aconteceu nos dias 12 e 13.

Neste final de semana acontecem as últimas 12 etapas estaduais: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo, Pará, Paraíba, São Paulo, Roraima, Goiás, Ceará e Distrito Federal.

* Com informações da Assessoria de Imprensa da Confecom.

Secretaria Executiva
http://www.fndc.org.br/
(51) 3213-4020 r.217

Edital de Recursos Financeiros Brazil Foundation

Edital de Recursos Financeiros Brazil Foundation

O prazo vai até dia 15 de Dezembro de 2009

Apresentem seus projetos.

Fonte:
Brazil Foundation

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Combate à desnutrição faz déficit de altura cair mais de 75% em crianças

Combate à desnutrição faz déficit de altura cair mais de 75% em crianças

Pesquisa do Ministério da Saúde aponta avanços, em 33 anos, no acesso à alimentação do brasileiro. País espera eliminar desnutrição entre 10 e 15 anos

O acesso à alimentação está aumentando a estatura das crianças brasileiras. O déficit de altura nas meninas menores de cinco anos, um dos principais indicadores de desnutrição, caiu 85% de 1974 a 2007. Entre os meninos, a redução foi de 77% no mesmo período. Pesquisa inédita Saúde Brasil 2008, do Ministério da Saúde, avaliou o crescimento da população e verificou que, caso o Brasil mantenha o ritmo, a desnutrição será praticamente nula entre 10 e 15 anos. Porém, isso não significa que, necessariamente, a população está se alimentando de maneira saudável. O mesmo estudo mostrou que o risco de obesidade vem aumentando no país, principalmente entre os jovens do sexo masculino.

“O aumento da altura do brasileiro é um reflexo da melhoria do padrão nutricional. Os investimentos em políticas públicas de distribuição de renda, de saneamento e de melhorias na alimentação e nutrição contribuíram para avanços e superação da desnutrição no país”, analisa Deborah Malta, uma das responsáveis pela pesquisa Saúde Brasil 2008 e coordenadora-geral de Doenças e Agravos Não-transmissíveis do Ministério da Saúde. Ela destaca que o crescimento na estatura das crianças, o maior entre todas as faixas etárias, permite ao país uma visão otimista quanto ao fim da desnutrição infantil, considerado um problema de saúde pública.

Segundo Deborah Malta, os dados apontam exatamente a mudança no perfil nutricional do brasileiro, de um estado de desnutrição para o sobrepeso. O aumento do risco de obesidade entre os adolescentes alerta para o padrão de alimentação dos jovens. “Eles optam cada vez mais por produtos gordurosos e deixam os exercícios físicos de lado. Um comportamento que pode continuar na vida adulta”, avalia a coordenadora.

A pesquisa Saúde Brasil 2008 comparou o resultado de cinco questionários domiciliares sobre estatura e Índice de Massa Corporal (IMC) realizados no Brasil entre 1974 e 2007. É a primeira vez que o estudo, feito anualmente pelo Ministério da Saúde, traz informações sobre altura e risco de obesidade.

BRASILEIRO ESTÁ MAIS ALTO - A análise sobre a redução no déficit de altura mostra que as crianças brasileiras estão cada vez mais próximas do padrão internacional estipulado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é feito a partir das medidas antropométricas (peso e altura) de meninos e meninas sadias. Dados da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS), do Ministério da Saúde, apontam que a desnutrição atingia, em 1996, 13,4% das crianças com menos de cinco anos. Caiu para 6,7% em 2006 – queda de 50% em dez anos.

O Saúde Brasil 2008 demonstra ainda que os ganhos em altura ocorrem também nos adolescentes de 10 a 19 anos. Nessa faixa etária, a redução foi de 70%, aproximadamente, em 29 anos (1974-2003). “Uma vez que se tem maior acesso a alimentos, as crianças podem crescer em todo o seu potencial genético. Assim, as novas gerações estão ganhando em altura” explica Deborah Malta.

Os avanços são observados também na população adulta. O estudo comprova que o brasileiro está mais alto. As mulheres ganharam 3,3 cm em 14 anos. Elas cresceram quase duas vezes mais que os homens, passando de uma média de 1,55m, em 1989, para 1,58m, em 2003. Eles, nesse período, aumentaram 1,9 cm no tamanho e chegaram a uma média de 1,70 m em 2003 – contra 1,68m em 1989. Entretanto, esse ganho de altura entre os adultos ainda está abaixo do padrão mundial usado como referência.

HOMENS COM MAIS RISCO DE OBESIDADE – O estudo aponta também um aumento na relação entre peso e altura (Índice de Massa Corporal - IMC). A tendência de crescimento é maior entre os meninos de 10 a 19 anos. Esse grupo apresentou o maior risco de obesidade, com um aumento de 82,2% do IMC em 29 anos. “Embora os números demonstrem que os meninos estão abaixo do padrão referência da OMS, preocupa o aumento crescente do peso deles”, analisa Deborah Malta.

Entre as meninas de 10 a 19 anos, o aumento do IMC foi de 70,3%. Contudo, no caso delas, existe uma tendência a estabilidade. Elas apresentam índices próximos do padrão de referência. Também há diferença entre os dois sexos na idade adulta. Enquanto o risco de obesidade dos homens aumentou constantemente em 29 anos, as mulheres mantiveram o índice estável nos últimos 15 anos da análise.

“O estudo aponta uma reação das mulheres contra o sobrepeso. Dos anos 90 à atual década, o peso delas tende à estabilidade. Esta situação ainda é mais clara entre mulheres com maior escolaridade e renda. Elas demonstram muito mais preocupação com o corpo e a saúde do que os homens”, afirma Deborah Malta. Ela acrescenta que o aumento do peso é uma tendência mundial que reflete as mudanças no padrão de alimentação e do estilo sedentário da população. “Em todo o mundo, aumentou o consumo de alimentos industrializados, com mais gordura e açúcar”.

No Brasil, entre 1974 e 2003, as mulheres ganharam 1,6 kg/m² e os homens, 2,2 kg/m². O estudo Saúde Brasil 2008 indica que, apesar do aumento, a média do IMC do brasileiro ao fim do período avaliado está muito próxima dos 25 kg/m². O sobrepeso é caracterizado quando o IMC ultrapassa esse valor e a obesidade, quando o índice fica acima de 30. O excesso de peso atinge uma parcela significativa da população. Dados do Ministério da Saúde de 2008 apontam que 43,3% das pessoas com mais de 18 anos que vivem nas capitais estão com sobrepeso.

PROMOÇÃO DA SAÚDE - Nos últimos três anos, o Ministério da Saúde repassou mais de R$ 92 milhões para projetos de promoção da saúde, incentivo à atividade física e hábitos alimentares saudáveis. Ao todo, 460 municípios foram beneficiados. Em novembro deste ano, mais R$ 51 milhões serão destinados às iniciativas no setor. Ao todo foram selecionados projetos de 1.260 municípios. “Com isso, esperamos aumentar os níveis de atividade física da população, contribuindo com o controle do sobrepeso”, afirma Deborah Malta.

SUPLEMENTO ALIMENTAR - O Ministério da Saúde investe, anualmente, R$ 37 milhões em ações de promoção de hábitos alimentares saudáveis, prevenção e controle de distúrbios nutricionais e doenças associadas à alimentação nos estados e municípios, além da capacitação de profissionais. Desse total, R$ 22 milhões destinam-se a compra e a distribuição de suplemento de ferro e vitamina A. Esses produtos ajudam no combate à desnutrição e à mortalidade de crianças de seis meses a cinco anos de idade. Em 2009, 450,5 milhões de comprimidos e 9 milhões de frascos desses dois suplementos foram distribuídos aos estados, beneficiando 10,9 milhões de pessoas.

Com o objetivo de fortalecer as ações de promoção e orientação para uma alimentação saudável nas cidades, o Ministério aumentou o número de municípios que recebem recursos diretos para iniciativas no setor. Em 2009, 172 municípios receberam o incentivo, contra 132, em 2008. Isso porque antes apenas as cidades com mais de 200 mil habitantes recebiam a verba. Agora, conforme portaria publicada em outubro de 2009, o critério passou a ser municípios com mais de 150 mil. Os governos locais das 172 cidades receberão R$ 6,33 milhões. Contando com os valores repassados aos estados, o total será de R$ 8,63 milhões.

HÁBITOS SAUDÁVEIS - Além desse investimento, o Sistema Único de Saúde (SUS) conta hoje com 526 nutricionistas e 382 profissionais de educação física que acompanham o trabalho das equipes de Saúde da Família em todo o país. Eles atuam nos Núcleos de Apoio da Saúde da Família em ações de promoção da saúde, incentivo e orientação para uma alimentação saudável e prática de exercícios, acompanhamento do peso e estatura dos pacientes. Os núcleos foram criados em 2008, com o objetivo de reforçar o trabalho das equipes de saúde da família. Atualmente, 769 estão em funcionamento em todo o país.

A promoção e orientação sobre alimentação saudável é também uma das diretrizes do programa Saúde na Escola, em que as equipes de saúde da família atuam nas instituições, com o apoio dos professores. A iniciativa, criada em 2008, atende 2,6 milhões de alunos em 608 municípios de todos os estados brasileiros e Distrito Federal. O programa funciona em 16.470 escolas, onde atuam 2.700 equipes de saúde da família.

Outras informações
Assessoria de imprensa
(61) 3315 3580
jornalismo@saude.gov.br

I Simpósio de Segurança Alimentar do Norte de Minas Gerais

A Comissão Organizadora do I Simpósio de Segurança Alimentar do Norte de Minas Gerais tem o prazer de convidá-lo para a solenidade de abertura do mesmo, a ser realizada no dia 19 de novembro de 2009, ás 19 horas, no auditório do Instituto de Ciências Agrárias da UFMG.

Comissão Organizadora do I Simpósio de Segurança Alimentar do Norte de Minas Gerais




Clique nas imagens

AMEFA lança Edital para Contratação de Profissional para Secretaria

AMEFA lança Edital para Contratação de Profissional para Secretaria

Edital de contratação de um/a profisisonal para atuar na secretaria da AMEFA.

O prazo de inscrição é de hoje (18/11 até 09 de dezembro. A seleção será dia 16 de dezembro. Inicio dos trabalhos - 11 de janeiro de 2010.

Qualquer dúvida, favor entrem em contato, conforme dados abaixo.

Idalino Firmino dos Santos
Secretario Executivo da AMEFA.

Endereço da AMEFA
Rua Olivia Maria de Jesus, 1710, Floramar
31.742-036 - BH - MG
Tel.: (0xx31) 3434-0003 - Fax: (31) 3434-8491
E-mail:
amefaefa@yahoo.com.br

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Notícia COEED-MG/CONAE-2010 - Estado Minas, 17/11/2009 "Educação como prioridade"

Estado de Minas, 17/11/2009 - Belo Horizonte MG

Educação como prioridade

É preciso garantir transporte e alimentação escolar, infraestrutura e valorização profissional
Dineia Domingues - Professora da PUC Minas, integrante da Conferência Estadual de Educação
A sociedade mineira realizou a etapa estadual da Conferência Nacional de Educação (Conae/2010), marcada para abril de 2010, em Brasília. Segmentos civis, governamentais e profissionais, organizados e mobilizados desde os municípios, discutiram e revisaram o documento-base, apresentando o que entendem necessário como política pública educacional e oferta escolar, para assegurar vaga e permanência de crianças, jovens e adultos na escola. A conferência setorial abarca a educação básica e a superior, da creche à pós-graduação. A Conae/2010 pode ser acompanhada no site www.mec.gov.br. A Conferência Estadual (Coeed-MG) teve 34 etapas intermunicipais e regionais, desde junho.

Estudantes, pais, profissionais, gestores governamentais, representações de classe e movimentos sociais debateram a política nacional, as ações de governo, o financiamento, a valorização profissional e a diversidade e o direito à diferença. Defendem como se devem construir garantias de direitos em forma de políticas e de serviços, para que contribuam para diminuir as desigualdades entre nós. Ao discutir a construção um Sistema Nacional de Educação (Sinae), que se espera articulado, as conferências trazem ao debate a orientação política para a garantia do direito social; a mobilização da qualidade e valorização da educação básica e superior; propostas de consensos pela qualidade e pelas igualdades – em forma de orçamentos públicos, de gestão democrática e por meio de regime de colaboração entre as esferas de governo. Resumem-se em dois grandes, os desafios da política educacional: o de fazer o Estado, com as máquinas de governo municipais, estaduais e federal, cumprirem o papel de assegurar direitos sociais, efetivamente, em forma de políticas e serviços educacionais, e o de fortalecer participação e controle social das ações de governo.

O documento que aprimoramos com as conferências mostra que tivemos avanços importantes, mas modestos, considerando o quanto ainda estamos longe de mitigar desigualdades com ajuda da educação. São grandes conquistas, considerados os enormes problemas que perduram. Exemplificando, temos o Fundo de Financiamento da Educação Básica (Fundeb), da creche ao ensino médio e das modalidades indígena, de jovens e adultos, especial e profissionalizante. Temos um piso salarial nacional pela primeira vez no país. Caminhamos para o fim do vestibular, com o acesso ao ensino superior, enfim tratado da perspectiva dos direitos iguais, por meio de políticas inclusivas e desiguais para tratar os iguais em direitos. Recentemente, conquistamos o fim da incidência da Desvinculação das Receitas da União (DRU) sobre os recursos federais da educação, voltando ao setor, até 2011, 20% dos recursos federais, cerca de R$ 9 bilhões, estima o Ministério da Educação (MEC). Há poucos dias ampliamos a escolaridade obrigatória, estendida da faixa pré-escolar, dos quatro anos de idade, até 17 anos, ou ensino médio.

As ações de monitoramento da execução orçamentária de programas de governo são outro tema importante nas conferências, dada a urgência e necessidade para os cofres públicos e para os brasileiros. A prestação de contas de recursos da pasta, crescentes nessa conjuntura, exige aprimorarem-se os mecanismos de controle e avaliação de diretrizes, eixos, programas e ações dos governos. O cadastramento dos conselhos de acompanhamento e Controle Social do Fundo da Educação Básica (Cacs)/Fundeb nos sistemas do MEC e o acompanhamento e controle da distribuição, transferência e aplicação dos recursos do fundo, são tarefas novas e importantes para o país. Se espera maior implicação do Ministério Público (MP), das esferas legislativas e judiciárias, com a sociedade organizada, para efetivar garantias como o transporte e a alimentação escolar, a infraestrutura e a valorização profissional, entre tantas que exigem acompanhamento e controle. Os delegados escolhidos na etapa mineira da conferência defendem e submetem nossas propostas à etapa nacional, na qual se define a versão final do documento-referência. Inspirar debate, legislação e ações governamentais e civis voltadas à oferta e à qualidade da educação que queremos. É para isso que serve o documento gerado na conferência.

8ª Edição Feira Cultural Preta 2009

8ª Edição Feira Cultural Preta 2009

A cidade de São Paulo será novamente palco de uma das mais tradicionais festas de celebração da cultura negra brasileira. A 8ª edição da Feira Preta Cultural acontece no dia 13 de dezembro, das 12h às 22h, no Palácio das Convenções do Anhembi.

O evento terá o tema “Heranças Compartilhadas Negros e Índios. Segundo sua idealizadora, Adriana Barbosa, a intenção é proporcionar ao público reflexão sobre duas culturas importantes na construção da sociedade brasileira.

A programação cultural será marcada pela diversidade cultural. Artistas plásticos, literários, cineastas, religiosos, estilistas, dançarinos, entre outros fazedores de cultura celebrarão a riqueza cultural. O público será convidado a interagir com as artistas por meio de oficinas, bate-papo, desfiles e manifestações culturais.

O encontro é conhecido por reunir música, dança, moda, culinária, literatura, cinema e outros elementos da cultura negra em um só local.

Algumas atrações da feira para 2009

Palco da Preta

Mestre de Cerimônia: Max DMN
Ato Ecumênico Inter Religioso
DJ’s e Vj’s
Intervenção cultural: Encontro de danças populares afro-brasileira
Show Roda de Samba Rock: Clube do Balanço, Opalas e Sandália de Prata

Palco Alternativo

DJ’s
Intervenções artísticas
Shows de Hip Hop
Microfone aberto

Literatura

Lançamento Selo Negro – Editora Summus
Citações de Poemas: Quilombhoje e Literatura Periférica

Artes Plásticas

Euller (Cedeca Interlagos)
Guilherme Scabim
Rodrigo Felipe
Edson Ikê

Fotografia

Feira Cultural Preta 7 anos
Gueto Brasil – Sidney Salatiel
Moçambique Hoje – Iris Yan

Oficinas

Tecidos Afros – Jaergenton
Tambores – Zé Benedito
Dança Afro

Filmes

O Povo Brasileiro – Darcy Ribeiro
Verificando – 13 Produções
De – bata: Odum Produções
Festa da Boa Morte – Identidade Brasil

Intervenções Itinerantes

Cortejo Cultural e Dança do Orixás – Casa do Boneco – BAHIA
Desfile Cafuso (Negros e Indigenas) – Balaco – RIO DE JANEIRO
Roda de Capoeira
Feira de Trocas

Intervenções Indígenas

Degustasom

Boteco Vila do Samba – Amigos do João e Convidados

Expositor

Em suas 7 (sete) edições, mais de 80 mil pessoas já prestigiaram o evento, para esse ano estimamos um público aproximado de 11 mil pessoas, é o lugar ideal para fazer novos negócios, apresentar tendências de moda e cabelo, decoração, acessórios, artes plásticas entre outros produtos.

A Feira Preta preza pela qualidade e para acompanhar essa evolução, estamos oferecendo o que há de melhor no mercado em termo de estrutura. Os stands serão personalizados e equipados com iluminação própria, carpete, cadeira e mesa. Você expositor só deverá se preocupar em divulgar e vender o seu produto.

Para atendê-lo melhor, disponibilizamos stands em estrutura octanorme e diversos tamanhos, além de um serviço de locação de equipamentos para mobiliar o seu stand, tais como araras, cabides, manequins entre outros.

Apoio: Planeta Voluntários - A maior Rede Social de Voluntários e ONGs do Brasil !!!

Feira Cultural Preta 2009
Data: 13 /12/2009
Local: Palácio das Convenções - Anhembi - São Paulo
Telefones: (11) 3031-2374
Sites: www.feirapreta.com.br
E-mail: expositoresfeirapreta@gmail.com
MSN: feirapreta@hotmail.com.br
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=OwmFmuLLONk

Convite: a festa de uma nova história. 305 anos - Santa Bárbara



Clique na imagem

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Estação Pátio Savassi 21/11 - Palestra Ecos de Zumbi

Palestra "Ecos de Zumbi" celebra Dia Nacional da Consciência Negra no Estação Pátio Savassi

O ator e diretor teatral Evandro Nunes participa do Estação Pátio Savassi do dia 21 de novembro, sábado, a partir das 11h, com o tema: “Ecos de Zumbi”, no Espaço Cultural Terraço Leitura, na Leitura Pátio Megastore (Av. do Contorno, 6061/Piso L3- Savassi). A entrada é franca.

Na palestra, Evandro Nunes irá falar sobre a arte negra no século XXI e a importância da cultura contemporânea afro-brasileira, que se reflete na polifonia das vozes que ecoam nas cidades. Após a palestra, haverá apresentação do Grupo Negraria.

Evandro Nunes é ator, diretor de teatro, educador social, pedagogo, arte-educador e, atualmente, presidente do Grupo Negraria.

Negros no Brasil

O Brasil pode ser considerado o país com maior diversidade de raças do mundo, e o mais ‘negro’ depois da África. Aqui, em cada lugar, em cada tradição, é possível perceber traços da herança africana incorporados à vida dos brasileiros. Mesmo com todas as lutas e repressões, a alegria deste povo não foi abalada, e se manifestou na música, dança, arte e, muito forte, na culinária. As muitas riquezas trazidas pelos negros é que ajudaram a construir o Brasil de hoje.

Zumbi dos Palmares foi o maior símbolo brasileiro da resistência contra a opressão dos negros e escravos. O dia de sua morte, 20 de novembro, foi proclamado, em 1995, o Dia Nacional da Consciência Negra.

Exemplo como o de Zumbi e, atualmente, do Grupo Negraria, coletivo de artistas negros, que trabalha o resgate dos antepassados como forma de valorizar a arte negra contemporânea, reforça a presença da herança africana entre nós.

Estação Pátio Savassi

O ‘Estação Pátio Savassi’ é um projeto do Shopping Pátio Savassi, coordenado pela Estação do Saber, com curadoria de Júlia Andrade Ramalho Pinto. A iniciativa promove palestras gratuitas para o público do shopping, abordando temas atuais e variados. Os convidados são intelectuais, escritores e profissionais renomados e os debates levam cultura e entretenimento às manhãs de sábado do shopping. Em novembro, o tema das palestras aborda o ‘Olhar Contemporâneo’.

Debates online

As palestras do projeto podem ser acompanhadas pelo Twitter (www.twitter.com/arpjulia), onde são postadas frases e comentários ao vivo. Além disso, para dar continuidade ao debate, as discussões dos temas seguem no ambiente virtual através do fórum: www.estacaodosaber.art.br. Nestes ambientes, o objetivo é buscar redes sociais que discutam temas relativos à cultura.

Agenda: Estação Pátio Savassi – Palestra: “Ecos de Zumbi”
Data: 21 de novembro de 2009, sábado
Horário: 11h
Local: Leitura Pátio Savassi
Av. do Contorno, 60613º andar - Savassi
Belo Horizonte – MG
SAC Pátio Savassi: (31) 3263-8500
www.patiosavassi.com
Entrada Franca

Informações para a Imprensa:
Hipertexto Consultoria e Assessoria de Imprensa
Tel: 31.3227.4566 / 3223.5137 / 9404.0102 / 9404.0123
Jornalista responsável: Cilene Impelizieri
hipertexto@hipertextoweb.com.br
www.twitter.com/hipertextoweb

Estação do Saber: Ampla Soluções em Comunicação
Liège Camargos e Patrícia Leris
(31) 3225-1116 / 3221-9241 / 8719-8873
ampla@amplacomunicacao.com.br
www.amplacomunicacao.com.br

TW Informa - Música e Teatro

TW informa: Música e Teatro
Henriqueta Lisboa / Noel Rosa / Telê Santana
Moji e Libre Cantare / Teatro Santo Agostinho


Clique na imagem

Visite também:
http://www.itabiritocultural.com.br/
http://www.thelmolins.com.br/
www.myspace.com/thelmolins
http://www.wagnercosse.com.br/
www.myspace.com/wagnercosse
www.twitter.com/thelmolins

Papa pede fim de especulação financeira para se combater a fome

Papa pede fim de especulação financeira para se combater a fome
Agência Ansa

O papa Bento XVI disse hoje, em seu discurso na Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar, da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que uma das causas da fome no mundo é a especulação financeira e pediu às nações que repensem suas políticas de segurança alimentar.

O Pontífice falou no final da manhã de hoje, primeiro dia da cúpula -- que termina na quarta-feira. O evento reúne mais de 60 chefes de Estado e de Governo para discutir alternativas a fim de erradicar a fome no mundo.

Bento XVI explicou que a fome tem suas raízes "no aumento dos preços dos produtos, na diminuição da disponibilidade econômica das populações mais pobres e no limitado acesso ao mercado e à comida". Por isso, fez um apelo pelo término das operações financeiras visando ao lucro sobre os produtos alimentares.

O Papa pediu ainda o fim do "egoísmo" e dos "modelos orientados ao consumo próprio", que "permitem que a especulação se estenda ao mercado de cereais, onde a comida é vista como qualquer outro produto".

Segundo ele, não há nenhuma relação de "causa e efeito entre o crescimento da população e a fome", já que o número de pessoas sem acesso regular a alimentos continua sofrendo um "dramático aumento", mesmo que a terra esteja em condições de "nutrir suficientemente todos os seus habitantes".

Joseph Ratzinger condenou também a "destruição do abastecimento alimentar em função do lucro econômico" e o emprego de "certas formas de subvenção que perturbam gravemente o setor agrícola".

Durante o discurso, o Pontífice convidou os países presentes a repensarem "os atuais mecanismos de segurança alimentar" que, segundo ele, estão revelando todas as suas "fraquezas".

"Não é possível continuar a aceitar a riqueza e o desperdício enquanto o drama da fome assume dimensões sempre maiores", acrescentou. A solução apresentada pelo Papa seria o estabelecimento de relações harmônicas entre as nações desenvolvidas e as que estão em desenvolvimento.

"Se o objetivo é a eliminação da fome, a ação internacional é chamada não somente a favorecer o crescimento econômico equilibrado e sustentável e a estabilidade política, mas também a procurar novos parâmetros, necessariamente éticos e, posteriormente, jurídicos e econômicos, para inspirar a cooperação de forma a construir um relacionamento igualitário entre países que se encontram em diferentes graus de desenvolvimento", explicou Bento XVI.

O Papa lembrou que, apesar dos países mais pobres estarem integrados à economia mundial de uma forma mais ampla do que no passado, o mercado internacional os torna mais vulneráveis e os faz recorrer à ajuda de instituições intergovernamentais.

"A Igreja não pretende interferir nas escolhas políticas", continuou. De acordo com o Santo Padre, a instituição se "une aos esforços para eliminar a fome", desde que respeitem "a sabedoria e os resultados da ciência, como também as escolhas determinadas pela razão quando responsavelmente iluminada por valores autenticamente humanos".

Antes da intervenção do chefe de Estado do Vaticano, o diretor-geral da FAO, Jacques Diouf, havia dito que a organização e a Igreja Católica concordam que a fome "é uma questão moral".

Diouf disse que a presença de Bento XVI era um "evento excepcional" e afirmou esperar que a visita "permita também levar a luta contra a fome no mundo a um nível de responsabilidade coletiva e ética que transcende os laços e interesses nacionais e regionais, para reafirmar em voz alta e forte o direito à alimentação, que é o primeiro entre os direitos do homem".

O diretor-geral da FAO afirmou ainda que a presença do Santo Padre "confere a esta cúpula uma forte dimensão espiritual para confrontar" uma situação que "é a mais trágica e intolerável, se não a mais midiática" entre os problemas do mundo.

Esta foi a primeira vez que Joseph Ratzinger, que assumiu o pontificado em 2005, participou de um encontro da FAO. João Paulo II esteve em três reuniões da entidade, em 1979, em 1992 e em 1996.

1ª Kizomba - Betim


Clique na imagem

Seminário A Economia do Negro no Brasil

Convite para o Seminário "A Economia do Negro no Brasil"

Uma Fortaleza Bela e sem Racismo!

Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - COPPIR
Parque da Liberdade (Cidade das Crianças)
Rua Pedro I, s/n, Centro
CEP: 60.035.100
Fone: 3452-2355/ 3425-5836

Convite Seminário 2009.doc

Convite com ficha de inscrição.doc

Semana de Solidariedade debate segurança alimentar e nutricional

Semana de Solidariedade debate segurança alimentar e nutricional

Secretariado Nacional da Cáritas Brasileira

Todos os anos, a Cáritas Brasileira dedica uma semana do mês de novembro para o diálogo acerca da solidariedade. São diferentes iniciativas que acontecem em todo o País a partir das comunidades, paróquias, dioceses e regionais. A cada ano, buscamos fazer este diálogo através de uma temática específica.

Neste ano em que se comemora o centenário de Dom Helder Câmara, fundador da Cáritas Brasileira, a semana de solidariedade resgata um de seus pensamentos proféticos: “Se dou comida a um pobre, me chamam de santo, mas se pergunto por que ele é pobre, me chama de comunista”.

A realidade de fome e exclusão em que vivem 14 milhões de brasileiros e brasileiras indica a importância de debater a segurança alimentar e nutricional, de forma que todos e todas devemos refletir sobre a solidariedade- esta força transformadora que nos trona humanos – e a importância de praticá-la cotidianamente.

A Semana de Solidariedade, que acontece de 5 a 12 de novembro, impele-nos a pensar e a agir para a construção de um Brasil mais justo, na perspectiva do desenvolvimento sustentável e solidário que queremos. Ao final desta semana, no dia 12 de novembro, a Cáritas Brasileira completa 53 anos sempre acreditando que por meio de atitudes internas e ações concretas, contribuímos para uma cultura de solidariedade no nosso país.
www.caritas.org.br

Rony Enderson
- Membro do ISANM - Instituto Sócio Ambiental do Norte de Minas.
- Assistente Social do Instituto Federal de Educação, ciencia e Tecnologia do Norte de Minas - Campus Januária (MG)
Assistente Social - CRESS. 11.144, 6ª Região. MG.
(38) 9957-7266
Clique no link abaixo para visualizar o curriculum lattes:
http://lattes.cnpq.br/7358230340191271

Clique na imagem