sábado, 26 de março de 2011

Feira do Vinil

Feira do Vinil - Nos segundos sábados de cada mês.

Resolução SEE Nº 1.812 - Eleição de Diretores Rede Estadual

Resolução SEE N .º 1 .812, de 22 de março de 2011 .

Estabelece critérios e condições para a indicação de candidatos ao cargo de diretor e à função de Vice-diretor de Escola Estadual de Minas Gerais e trata de outros dispositivos correlatos .

A Secretaria do Estado da Educação, no uso de suas atribuições, considerando os dispositivos da Lei n .º 869, de 05 de julho de 1952, Lei n .º 7 .109, de 13 de outubro de 1977, Lei nº 15 .293, de 05 de agosto de 2004, e Lei n .º 18 .975, de 29 de junho de 2010, demais normas regulamentares pertinentes e a necessidade de promover o gerenciamento competente das escolas estaduais e ampliar a participação da comunidade escolar na gestão dessas unidades de ensino,

Resolve:

Capítulo I

Das Disposições Preliminares

Art . 1º o cargo em comissão de diretor de Escola, com carga horária de 40 (quarenta) horas semanais, é exercido em regime de dedicação exclusiva por servidor ocupante de cargo efetivo, efetivado pela Lei Complementar n .º 100, de 05 de novembro de 2007 ou função pública estável, das carreiras de Professor de Educação Básica ou Especialista em Educação Básica, vedado ao seu ocupante exercer outro cargo na Administração Pública, direta ou indireta, em qualquer ente da federação .

Art . 2º A nomeação de servidor para exercer o cargo de diretor de Escola é da competência exclusiva do Governador do Estado, formalizada por ato próprio .

Art . 3º A função de Vice-diretor, com carga horária de 30 (trinta) horas semanais, é restrita a Professor de Educação Básica ou Especialista em Educação Básica, efetivo, efetivado ou detentor de função pública estável .

Parágrafo único . o Especialista em Educação Básica (Supervisor Pedagógico/Orientador Educacional) sujeito à carga horária de 40 (quarenta) horas semanais deverá cumprir 30 (trinta) horas semanais na função de Vice-diretor, complementando a jornada de trabalho no desempenho de sua especialidade na escola onde exerce a função de Vice-diretor .

Art . 4º A designação de servidor para exercer a função de Vice-diretor é da competência do titular da Secretaria de Estado de Educação .

Capítulo II

Do Processo de Indicação

Art . 5º Para participar do processo de indicação ao cargo de diretor de Escola e à função de Vice-diretor, os candidatos deverão constituir chapa completa e requerer a inscrição à Comissão organizadora prevista no art . 14 desta Resolução .

Art . 6º Cada chapa será composta por um candidato ao cargo de diretor e por um ou mais candidatos à função de Vice-diretor, conforme quantitativo definido no Anexo II da Resolução SEE n.º 1773, de 22 de dezembro de 2010 .

Parágrafo único . o candidato ao cargo de diretor ou à função de Vicediretor somente poderá se inscrever para uma única chapa, em uma única escola .

Art . 7º Poderá participar do processo de indicação de diretor e de Vicediretor servidor que comprove:

I – ser Professor de Educação Básica ou Especialista em Educação Básica, detentor de cargo efetivo, efetivado ou de função pública estável;
II - ter sido aprovado em exame de Certificação Ocupacional de Dirigente Escolar realizado pela Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais em 2007 ou 2010, no caso de diretor;
III - possuir curso de licenciatura plena ou equivalente, ou curso de Pedagogia;
IV - estar em exercício na escola para a qual pretende candidatar-se;
V - ter obtido pontuação igual ou superior a 70% (setenta por cento) na última Avaliação de desempenho, na parte relativa à avaliação qualitativa;
VI – estar em situação regular junto à Receita federal do Brasil;
VII – estar apto a exercer plenamente a presidência da Caixa Escolar, em especial a movimentação financeira e bancária;
VIII – estar em dia com as obrigações eleitorais;
IX – não estar, nos 5 (cinco) anos anteriores à data da indicação para o cargo ou função, sofrendo efeitos de sentença penal condenatória;
X – não ter sido condenado em processo disciplinar administrativo em órgão integrante da Administração Pública direta ou indireta, nos 5 (cinco) anos anteriores à data da indicação para o cargo ou função .

§1º o servidor que atualmente se encontra em exercício do cargo de diretor e possui curso Normal de Nível Médio ou licenciatura curta poderá se inscrever ao processo regulado por esta Resolução, desde que a sua formação seja compatível com o nível de ensino ministrado pela escola para a qual pretende se candidatar .

§2º Na falta de candidato da escola que atenda aos critérios do art . 7º desta Resolução ou desistência da(s) chapa(s) inscrita(s) em participar do processo, devidamente formalizada, poderão candidatar-se servidores lotados em escola estadual do mesmo município, desde que atendam às exigências desta Resolução .

Art . 8º A comunidade escolar fará a indicação de servidor ao cargo em comissão de diretor de Escola e à função de Vice-diretor dentre as chapas inscritas conforme critérios estabelecidos nesta Resolução .

Capítulo III

Da Indicação da Chapa pela Comunidade Escolar

Art . 9º o processo de indicação da chapa pela comunidade escolar será realizado nas escolas estaduais, em conformidade com cronograma estabelecido no Anexo I desta Resolução .

Parágrafo único . A comunidade escolar, por votação, indicará a chapa que julgar apta para a gestão da escola .

Art . 10 . A comunidade escolar, apta a participar do processo de indicação, compõe-se de:

I – categoria “profissionais em exercício na escola”;
II – categoria “comunidade atendida pela escola”:
a) segmento de aluno regularmente matriculado e frequente no ensino médio e aluno de qualquer nível de ensino com idade igual ou superior a 14 (quatorze) anos;
b) segmento de pai ou responsável por aluno menor de 14 (quatorze) anos regularmente matriculado e frequente no ensino fundamental .

§ 1º Os membros da categoria “profissionais em exercício na escola” que atuam em mais de uma escola estadual poderão votar em todas elas .

§ 2º Os membros da categoria “profissionais em exercício na escola” que estejam substituindo servidores afastados e aqueles cujo afastamento configurar efetivo exercício poderão votar normalmente.

§ 3º os membros da categoria “comunidade atendida pela escola” que reúnam condições para participar do processo em mais de uma escola estadual poderão votar em todas elas .

§ 4º o votante só terá direito a um voto por escola, independentemente de pertencer a mais de uma categoria ou segmento .

§ 5º o pai ou responsável por aluno menor de 14 (quatorze) anos, independentemente do número de alunos sob a sua responsabilidade, terá direito a um voto por escola .

Art . 11 . qualquer alteração na composição das chapas poderá ser feita no prazo máximo de 72 (setenta e duas) horas antes da realização da votação pela comunidade escolar .

Art . 12 . Em cada escola será considerada indicada pela comunidade escolar a chapa que obtiver o maior número de votos válidos .

Parágrafo único . Nas escolas onde houver apenas uma chapa inscrita, essa chapa será indicada se obtiver mais de 50% (cinqüenta por cento) dos votos válidos .

Art . 13 . Na hipótese de duas ou mais chapas obterem o mesmo número de votos válidos, haverá nova consulta à comunidade escolar para a escolha entre as chapas empatadas, em data prevista no Anexo I desta Resolução .

Parágrafo único . Permanecendo o empate no resultado da consulta de que trata o caput, o titular da Secretaria de Estado de Educação submeterá à consideração do Governador do Estado o nome do servidor indicado ao cargo de diretor que comprovar, pela ordem:

I – maior pontuação na última Avaliação de desempenho, na parte relativa à avaliação qualitativa;
II - maior tempo de serviço na escola;
III - maior tempo de serviço no magistério público estadual;
IV - maior idade.

Capítulo IV

Da Comissão Organziadora

Art . 14 . Em cada escola, o processo regulado por esta Resolução será coordenado por uma

Comissão organizadora composta, a juízo do Colegiado Escolar, por 3 (três) ou 5 (cinco) membros do referido colegiado, titulares e suplentes, definida em reunião realizada para esse fim, quando será também eleito, dentre os titulares, um dos membros para coordenar os trabalhos .

§ 1º. Na Comissão Organizadora do processo, fica vedada a participação:

I - do diretor da escola;
II - dos membros interessados em compor como candidatos as chapas inscritas ao processo;
III - dos membros que sejam cônjuges e parentes dos prováveis candidatos até o 2º (segundo) rau, ainda que por afinidade.

§2º . ocorrendo impedimento ou recusa dos membros do Colegiado Escolar para participar da Comissão organizadora, o colegiado indicará outros representantes da comunidade escolar, nos termos deste artigo .

Art . 15 . Compete à Comissão organizadora:

I - requisitar da direção da escola os recursos humanos e materiais necessários ao desempenho de suas atribuições;
II - planejar, organizar, coordenar e presidir a realização do processo, lavrando as atas das reuniões;
III - divulgar amplamente as normas do processo;
IV – receber e analisar os requerimentos de inscrição das chapas conforme os critérios estabelecidos no art . 7º desta Resolução e dar ciência aos candidatos, por escrito, do deferimento ou indeferimento da inscrição ao processo, no prazo de até 24 (vinte e quatro) horas a contar do seu recebimento;
V – inserir as chapas aprovadas no programa “Indicação de diretor e Vice-diretor de Escola Estadual de Minas Gerais”, disponível no site: www.educacao.mg.gov.br;
VI - permitir acesso, a todos os que se interessarem, à proposta pedagógica e a outros documentos e registros da escola;
VII - atribuir, por sorteio, a cada uma das chapas inscritas o número que deverá identificá-las durante todo o processo;
VIII - coordenar a divulgação das chapas inscritas, zelando pelos princípios éticos que devem nortear o processo de indicação;
IX - organizar as listagens dos votantes por categorias e segmentos da comunidade escolar;
X - convocar a comunidade escolar para participar do processo, mediante edital que deverá ser afixado na escola com, no mínimo, 48 (quarenta e oito) horas de antecedência do início da votação;
XI - designar e orientar, com antecedência mínima de 48 (quarenta e oito) horas, os componentes das mesas receptoras e escrutinadoras e o fiscal indicado pela chapa.
XII – receber, examinar e responder, no prazo de 01 (um) dia útil do recebimento, pedidos de reconsideração relacionados ao processo .

Art . 16 . Compete à Superintendência Regional de Ensino:

I - orientar e acompanhar o processo de indicação de diretor e Vicediretor nas escolas da circunscrição;
II – receber, analisar e responder, no prazo de 02 (dois) dias úteis do recebimento, os recursos interpostos pelas chapas;
III – encaminhar, de ofício, à Secretaria de Estado de Educação, no prazo de 02 (dois) dias úteis, os recursos não acatados, devidamente fundamentados, para decisão final.

Capítulo V

Da Divulgação das Chapas

Art . 17 . A Comissão organizadora, de comum acordo com os candidatos, realizará assembleias no recinto escolar para divulgação das chapas inscritas, em turnos e horários diferenciados, para possibilitar a participação do maior número de membros da comunidade escolar .

Art . 18 . Cabe à Comissão organizadora autorizar atividades de divulgação das propostas de trabalho das chapas, para conhecimento da comunidade escolar, no recinto da escola, respeitando as normas desta Resolução .

Art . 19 . As atividades de divulgação serão encerradas 24 (vinte e quatro) horas antes do início da votação pela comunidade escolar .

Capítulo VI

Da Votação e da Apuração dos Votos

Art . 20 . o processo de votação e de apuração dos votos será realizado na própria escola e conduzido por mesas receptoras de votos .

Parágrafo único. O número de mesas receptoras será definido pela Comissão organizadora .

Art . 21 . As mesas receptoras de votos serão compostas por 3 (três) membros titulares e 1 (um) suplente, escolhidos pela Comissão organizadora entre os habilitados a votar, com antecedência de, pelo menos, 48 (quarenta e oito) horas do início da votação .

§ 1º Ao Presidente da mesa receptora, indicado por seus pares, competirá garantir a ordem no local e o direito à liberdade de escolha de cada votante .

§ 2º Ao Secretário da mesa receptora, indicado pelo Presidente da mesa, competirá, durante a votação, registrar as ocorrências em ata circunstanciada que, ao final da votação, será lida e assinada por todos os mesários .

§ 3º Nenhuma pessoa ou autoridade estranha à mesa receptora poderá intervir, sob pretexto algum, nos trabalhos da mesa, exceto os membros da Comissão organizadora, quando solicitados .

§ 4º Não poderão integrar a mesa receptora os candidatos, seus cônjuges e parentes até o 2º grau, ainda que por afinidade, ou qualquer servidor investido no cargo de diretor ou na função de Vice-diretor .

Art . 22 . A Comissão organizadora deverá, antes do início do processo de votação, fornecer aos componentes das mesas receptoras as listagens dos possíveis votantes .

Art. 23. A mesa receptora de votos deverá identificar o votante mediante apresentação de documento de identidade ou, na falta deste, por reconhecimento formalizado, de pessoa da comunidade escolar .

Art . 24 . A relação das chapas com os respectivos números será colocada em local visível nos recintos onde funcionarão as mesas receptoras .

Art . 25 . o voto será dado em cédula única que deverá conter o carimbo identificador da escola, a rubrica de um dos membros titulares da Comissão organizadora e de um dos mesários .

§ 1º Será considerado nulo o voto que não identificar com clareza a chapa de interesse do votante .

§ 2º Caberá à mesa escrutinadora decidir se um voto é nulo ou não .

Art . 26 . As mesas receptoras, após o encerramento da votação, deverão lacrar as urnas e, depois de elaborada, lida, aprovada e assinada a ata dos trabalhos, deverão assumir imediatamente funções de mesas escrutinadoras, que se encarregarão da apuração dos votos depositados nas respectivas urnas .

Art . 27 . Antes de serem abertas as urnas, a Comissão organizadora verificará se há nelas indícios de violação e anulará qualquer urna que tenha sido violada .

Art . 28 . A apuração dos votos será feita em sessão única, aberta à comunidade escolar, em local previamente definido pela Comissão Organizadora.

Art . 29 . A mesa escrutinadora, antes de iniciar a apuração, deverá contar todas as cédulas, separar e contar os votos brancos, nulos e válidos .

Art . 30 . Se constatados vícios ou irregularidades que indiquem a necessidade de anulação do processo, caberá à Comissão organizadora dar imediata ciência do fato à Superintendência Regional de Ensino .

Art . 31 . Concluídos os trabalhos de escrutínio e depois de elaborada, lida, aprovada e assinada a ata dos trabalhos, todo o material deverá ser entregue pela mesa à Comissão organizadora, para:

I - verificar a regularidade da documentação do escrutínio;
II - verificar se a contagem dos votos está aritmeticamente correta e proceder à recontagem, de ofício, se constatada a existência de erro material;
III - decidir sobre eventuais irregularidades registradas em ata;
IV - registrar no formulário “Resultado final” a soma dos votos válidos por chapa e a soma dos votos brancos e nulos;
V – divulgar imediatamente à comunidade escolar o resultado final do processo de indicação;
VI - proclamar vencedora a chapa que obtiver a maioria simples dos votos válidos .

Art . 32 . Compete à Comissão organizadora encaminhar formalmente o resultado final à Superintendência Regional de Ensino, no prazo máximo de 02 (dois) dias úteis, arquivando cópia na escola .

Art . 33 . Compete à Superintendência Regional de Ensino inserir o resultado final do processo de cada escola no programa “Indicação de diretor e Vice-diretor de Escola Estadual de Minas Gerais”, disponível no site:www .educacao .mg .gov .br, no prazo estabelecido no Anexo I desta Resolução .

Capítulo VII

Dos Pedidos de Reconsideração e dos Recursos

Art . 34 . os integrantes das chapas que se sentirem prejudicados no decorrer do processo de indicação, deverão:

I – pedir reconsideração, no prazo de 01 (um) dia útil, à Comissão organizadora;

II – recorrer, no prazo de 02 (dois) dias úteis, à Superintendência Regional de Ensino, no caso de provimento negado ou não conhecimento do pedido de reconsideração feito na forma do inciso I .

§ 1º os recursos previstos no inciso II ão ser interpostos devidamente fundamentados e instruídos com a documentação que comprova o pedido de reconsideração nos termos do inciso I ou o indeferimento pronunciado pela Comissão organizadora .

§ 2º os pedidos de reconsideração e os recursos não têm efeito suspensivo .

§3º As respostas sobre os possíveis pedidos de reconsideração e recursos serão fornecidas aos interessados no prazo de 01 (um) dia útil para reconsideração e 02 (dois) dias úteis para recurso .

Capítulo VIII

Do Provimentodos Cargos de Diretor e das Funções de Vice-Diretor

Art . 35 . o titular da Secretaria de Estado de Educação submeterá à decisão do Governador do Estado, para nomeação, os nomes dos servidores indicados para exercer o cargo de diretor de Escola, nos termos desta Resolução .

Art . 36 . o titular da Secretaria de Estado de Educação designará para exercer a função de Vice-diretor os servidores indicados pela comunidade escolar, nos termos desta Resolução .

Art . 37 . A investidura dos servidores nomeados na forma do art . 35 e dos designados na forma do art . 36 desta Resolução dar-se-á em data fixada pela Secretaria de Estado de Educação.

Parágrafo único . No ato da investidura, os servidores nomeados para o cargo de diretor e designados para a funcão de Vice-diretor assinarão Termo de Compromisso, constantes dos Anexos II e III desta Resolução .

Capítulo IX

Das Disposições Finais

Art . 38 . Na escola onde houver apenas uma chapa inscrita e o número de votos for insuficiente para aprová-la ou onde não houver inscrição de chapa, caberá ao Colegiado Escolar indicar os nomes de servidores para ocupar o cargo de diretor e a função de Vice-diretor, em conformidade com o art . 7º desta Resolução .

Art . 39 . Nos afastamentos do diretor de Escola por até 30 (trinta) dias, responderá pela direção um Vice-diretor e, na falta deste, um Especialista em Educação Básica, sem remuneração adicional .

§1º Na hipótese do afastamento temporário superior a 30 (trinta) dias, será designado pelo titular da Secretaria de Estado de Educação Vicediretor para exercer o cargo de diretor, em substituição ao titular, respeitada a ordem de precedência em que tenha figurado na chapa.

§2º Na falta de Vice-diretor para assumir a direção da escola, o Colegiado Escolar indicará servidor que atenda aos critérios estabelecidos no art . 7º desta Resolução, que será designado pelo titular da Secretaria de Estado de Educação .

Art . 40 . ocorrendo a vacância do cargo de diretor de Escola, o Colegiado Escolar indicará para assumir o cargo, um Vice-diretor que tenha sido aprovado em exame de Certificação Ocupacional de Dirigente Escolar .

Parágrafo único . Na falta de Vice-diretor nas condições previstas neste artigo, caberá ao Colegiado Escolar indicar nome de servidor da escola ou do município, que atenda aos critérios estabelecidos no art . 7º desta Resolução .

Art . 41 . Na hipótese de afastamento temporário de Vice-diretor superior a 30 (trinta dias) ou de vacância da função, o Colegiado Escolar indicará para a função servidor em conformidade com o disposto no art . 7º desta Resolução .

Art . 42 . Após o processo de indicação de que trata esta Resolução até a realização do próximo processo, caberá ao diretor da Superintendência Regional de Ensino indicar servidores para o cargo de diretor e a função de Vice-diretor, em conformidade com o art . 7º desta Resolução, nas seguintes situações:

I - integração ou instalação de escola, seja por criação ou desmembramento;
II - irregularidade administrativa, devidamente comprovada, em escola .

Art . 43 . os diretores nomeados e os Vice-diretores designados nos termos desta Resolução permanecerão no cargo e na função até a realização de novo processo de indicação, que poderá ocorrer a partir de 2013 .

Parágrafo único . No próximo processo de indicação de candidatos ao

cargo de diretor será vedada a candidatura de servidor que contar, no

ato da inscrição, período igual ou superior a 4 (quatro) anos consecutivos no exercício do cargo de diretor, na mesma unidade de ensino .

Art . 44 . Nas escolas que funcionam em penitenciárias, a indicação para o cargo de diretor e para a função de Vice-diretor obedecerá às normas desta Resolução e os nomes indicados serão submetidos à apreciação da Secretaria de Estado de defesa Social .

Art . 45 . A indicação para o exercício do cargo de diretor e da função de Vice-diretor em escolas conveniadas será feita conforme estabelecido em convênio .

Art . 46 . A indicação pelo Colegiado Escolar de nomes de servidores para exercer o cargo de diretor ou a função de Vice-diretor será feita em reunião realizada para esse fim, com registro em ata assinada pelos membros presentes, com ampla divulgação na comunidade escolar .

Art . 47 . Será exonerado, por ato do Governador, ou dispensado, por ato do titular da Secretaria de Estado de Educação, o diretor ou o Vicediretor que:

I – estiver impossibilitado, por motivos legais, de exercer a presidência da Caixa Escolar;
II – no exercício do cargo ou da função tenha cometido atos que comprometam o funcionamento regular da escola, devidamente comprovados;
III – se afastar do exercício por período superior a 60 (sessenta) dias no ano, consecutivos ou não;
IV – obtiver resultado inferior a 70% (setenta por cento) na Avaliação de Desempenho, referente à avaliação qualitativa, após observados os prazos legais para recurso;
V – se candidatar a mandato eletivo, nos termos da legislação eleitoral específica;
VI - agir em desacordo com o Código de Conduta Ética do Servidor Público.

Art. 48. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação e revoga a Resolução SEE n.º 852, de 22 de dezembro de 2006.

Secretaria de Estado de Educação, em Belo Horizonte, aos 22 de março de 2011.

(a) Ana Lúcia Almeida Gazzola
Secretária de Estado de Educação





Curso de Capacitação em Terapia Comunitária

Curso de Capacitação em Terapia Comunitária

Curso de Capacitação em Terapia Comunitária.doc

quinta-feira, 24 de março de 2011

Estreia peça - O Homem que Chovia

Espetáculo cênico-musical estreia em Belo Horizonte

“O Homem que Chovia” conta a saga do jovem Leon, que ousou levar algo de bom apenas por querer fazer o bem

Estreia no dia 1º de abril no Teatro Alterosa em Belo Horizonte , “O Homem que Chovia”, espetáculo cênico-musical que navega por temas atuais e instigantes como política, miséria, materialismo, religião, fé, amor, ingenuidade perdida, sertão e cidade, sem, no entanto, tornar-se proselitista.


A peça conta a história de Leon um jovem do sertão do Brasil, que vive em um lugar onde há chuva, mas ninguém sente, ninguém vê. Um dia ele recebe uma nobre missão levar água cristalina para todo o povo. Mas como todo aquele que leva uma nova proposta, o herói ou martir é mal interpretado pelos homens da cidade. Transcorre assim, um drama: o povo não o compreende e o condena por oferecer água que ele diz ser cristalina, mas eles não conseguem perceber. Leon ousou levar algo de bom apenas por querer fazer o bem, no entanto, como acontece diariamente não foi compreendido por um mundo, no qual honestidade, bondade e gratidão são sentimentos esquecidos e desvalorizados.

Segundo o grupo, Cia. Caixa de Fósforos, “Leon é um homem que ousa caminhar com as próprias pernas, assumi seus sentimentos, sem medo de críticas. O personagem cria um paralelo com a falta de identidade do nosso tempo. Será que precisamos de um novo homem que nos mostre novas perspectivas? Será possível acreditar novamente em algo? É viável acreditar em alguém? Seguir esta pessoa aceitando suas mensagens? Difícil pensar em aceitação em um mundo que privilegia a esperteza e a audácia. Difícil aceitar-se ser uma ovelha em uma matilha de lobos.”


A Cia. escolheu desenvolver especialmente o tema religião por considerar que mesmo nos dias atuais, ainda passa por muitos tabus. Segundo o autor e ator, Adriano Gilbert “é importante associar tolerância e equilíbrio às relações sociais, associando a capacidade intelectual à possibilidade de algo que possa ser entendido como divino, independente da religião de cada pessoa”. A peça pretende mostrar ao público que podemos viver em um ambiente de tolerância, no qual a civilidade e aceitação são fundamentais.

Uma das características da Cia. Caixa de Fósforos é priorizar trabalhos autorais e desafiadores. Dentro dessa perspectiva “O Homem que Chovia” representou um grande desafio por se tratar de um musical. Os atores tiveram que passar por dois anos de aulas de dança e canto para poderem atuar, dançar e cantar simultaneamente durante o espetáculo. O texto inédito de Adriano Gilberti recebeu a trilha sonora concebida especialmente para a peça de Adriano Alves, mais novo membro da Cia.

Dados do Espetáculo
Duração: 1h20min
Gênero: Drama
Classificação: Livre
Direção: Jair Raso Texto: Adriano Gilberti Músicas: Adriano Alves Elenco: Thiago Pagani, Wellington Braga, Harley Winter, Cassia Juliana, Fabiane Aguiar, Adriano Gilberti, Adriano Alves e André Jaued

Serviço

“O Homem que Chovia”
Belo Horizonte, 1,2 e 3 de abril, sexta e sábado 21h/domingo 19h
Local: Teatro Alterosa – Av. Assis Chateaubriant, 499 – Floresta
Valor: R$ 30,00/meia entrada (R$15,00)
Ingressos a venda na bilheteria do Teatro de segunda a domingo de 12h às 19h30min e nos dias de espetáculos até o horários de início da peça.
Informações Teatro Alterosa – (31)3237-6611

Produção: Cia. Caixa de Fósforos
Site:
www.ciacaixadefosforos.blogspot.com
Twitter:@CaixaFosforos
Orkut: Cia Caixa de Fósforos ou
caixadefosforos06@gmail.com

Assessoria de Imprensa
Sinal de Fumaça – A comunicação original
(31) 3264-4404

Sérgio Stockler
(31) 9143-1001
sergio@sinaldefumaca.com.br

Viviane Afonso de Araújo
(31) 8889-2901
viviane@sinaldefumaca.com.br

Síntese da Fala - Programa de Sábado

De religiões e Planeta - breves notas

"Deus é Amor. Para nos ensinar a amar, ele inspirou o aparecimento das religiões. Deus mesmo não tem religião, mas pode ser encontrado através de todas elas" (Frei Betto)

O objetivo das religiões ou tradições religiosas é possibilitar ao ser humano a construção de um sentido de vida. O Ensino Religioso trabalha o diálogo inter-religioso, com o objetivo de conhebmacer e compreender o conhecimento historicamente acumulado pelas diferentes tradições religiosas. Quando este conhecimento é estudado e aprendido, quebram-se muitos dos nossos preconceitos. A gente aumenta as possibilidades de compreensão da religiosidade dos outros quando conhecemos os fundamentos e razões de sua religiosidade.

É possível dizer que não há como trabalhar o Ensino Religioso nas escolas sem falar da dimensão do amor, um dos valores mais sagrados e exaltados pelas religiões. O amor é compreendido na dimensão do cuidado: consigo mesmo, com os outros e com o planeta (demais seres vivos). O amor, valor universal pregado pelas religiões, é a base da preservação da vida e pilar na busca da felicidade e dignidade humanas. Propõe, ainda, a superação do individualismo exacerbado.

Se existem em torno de 65 mil religiões no mundo e, aproximadamente, 5 mil diferentes denominações religiosas no Brasil, é porque em nosso momento histórico vivemos carentes de espiritualidade e de respostas existenciais. Estamos falando de um mundo que evoluiu extraordinariamente na compreensão dos fenômenos da natureza e na produção de altas tecnologias que buscam facilitar a vida dos seres humanos, mas este mesmo mundo não foi capaz de possibilitar respostas que levem à plena felicidade e realização do ser humano.

Nosso mundo é feito de grandes contradições. Ao mesmo tempo em que festejamos os avanços tecnológicos na produção de alimentos, por exemplo, ainda há muita fome no mundo e no Brasil. Enquanto nosso PIB cresce, permanece a concentração de nossa renda. Enquanto ainda ocorre o abandono do campo, acontece a ocupação desordenada e perigosa nas periferias das grandes cidades. Enquanto buscamos paz, ainda muitos promovem a guerra em nome de seus interesses mesquinhos e individualistas. Enquanto nos orgulhamos com projetos de irrigação, poluímos nossas fontes de água potável, indispensáveis para a nossa sobrevivência. Tudo isto porque nos orientamos pelos valores individualistas e egoístas, que não nos permitem ocupar a terra e o planeta de forma racional e sustentável. Tudo isto porque produzimos tecnologias avançadas com a intenção de tão somente alimentarmos a ideologia de nosso consumo, ideologia esta que tem sido a base de nosso padrão de convivência e civilização.

É impressionante como já temos muitas informações sobre como deveríamos agir diante da vida e do planeta. O que temos como informação, deve agora traduzir-se em conhecimento. Este é o papel da escola e da educação: dar sentido útil e prático àquilo que todos nós já sabemos e aprendemos sobre a sustentabilidade, o meio ambiente, o bem-estar social, a biodiversidade, os demais seres vivos.

Há que se re-inventar nosso modo de viver e agir no mundo. Fala-se de uma Ética do Cuidado, onde as novas relações, hábitos e a mudança de nossas mentalidades façam a escolha de preservar a vida. É chegada a hora da evolução de nossa consciência. As futuras e a atual geração tem de ser beneficiadas por esta escolha. As religiões podem e devem nos orientar para que, em vida, possamos usufruir das melhores condições de vida e dignidade, em harmonia com o nosso ambiente.

Começe você mesmo, agora, a tomar pequenas atitudes que resultem na preservação da vida no planeta. Você faz a diferença! E esta diferença deve amenizar o impacto da ocupação que você faz da natureza, a partir dos seus recursos naturais. Não esqueça que as crenças, a vida dos seres vivos e as boas atitudes são o que de mais sagrado podemos dispor para o mundo.

Nei Alberto Pies, professor e ativista de direitos humanos.
pies.neialberto@gmail.com

Grande Conferência - Por que Conhecimento Tradicional?

Clique na imagem

Frente parlamentar quer fortalecer instrumentos de democracia direta

A Frente Mineira de Movimentos Sociais pela Reforma Política encaminha as notícias abaixo e o(a) convida a participar pela aprovação de uma reforma política ampla, democrática e participativa:

23/03/2011 19:37

Frente parlamentar é criada e quer fortalecer instrumentos de democracia direta

Brizza Cavalcante

Ato de lançamento da Frente Parlamentar pela Reforma Política com participação popular

Fazem parte da frente 182 deputados, 36 senadores e diversas instituições civis.

A instalação da Frente Parlamentar Mista em Defesa de uma Reforma Política com Participação Popular, nesta quarta-feira (23), deverá fortalecer a discussão em torno da democracia direta. Esse foi o principal mote do novo colegiado, que se intitulou um “mecanismo de aperfeiçoamento das instituições políticas e de defesa, consolidação e radicalização da democracia”.

Fazem parte da frente 182 deputados, 36 senadores e diversas instituições civis, como Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Associação Brasileira das ONGs (Abong), Associação dos Magistrados Brasileiros, Associação dos Juízes Federais, União Nacional dos Estudantes (UNE), Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil. Os coordenadores do grupo no Congresso serão a deputada Luiza Erundina (PSB-SP) e o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF).

Em seu manifesto público, a frente se propõe, entre outras medidas, a realizar atividades que aprofundem o debate e elaborem propostas para a reforma política, a articular e integrar ações das entidades da sociedade civil sobre o tema e a servir de “ponte” entre o Congresso Nacional e os movimentos sociais pela reforma política.

“Vamos estabelecer uma agenda de eventos estaduais para garantir a participação e a pluralidade da sociedade nos debates em torno da reforma política, para evitar que as propostas que tramitam no Congresso sejam aprovadas antes de a sociedade se manifestar”, declarou Erundina.

A deputada afirmou ainda que a frente quer ser um elo entre as comissões da Câmara e do Senado para otimizar o trabalho.

Mobilização
Rodrigo Rollemberg cobrou uma mobilização social semelhante à realizada durante a tramitação do projeto da Ficha Limpa, que foi amparado por cerca de 1,3 milhão de assinaturas. “Para que a reforma política seja profunda e democrática, refletindo os interesses da população, é necessária uma mobilização semelhante à da ficha limpa”, disse.


As entidades civis que participaram do lançamento da frente apoiaram o foco nos mecanismos de participação popular, mas houve quem sugerisse outros itens.
Foi o caso da Abong, cujo representante, José Antonio Moroni, reivindicou a aprovação do financiamento público de campanhas políticas, além da garantia de representação das “minorias”. “Não pode dinheiro privado financiar atividade pública, porque isso provoca a subrepresentação de mulheres, negros, indígenas, trabalhadores rurais e outros grupos que não têm acesso às fontes de financiamento”, afirmou. A tese de Moroni é que o sistema atual privilegia as elites econômica, social e política, enquanto o financiamento público poderá
favorecer uma participação popular mais representativa.

Comissão da Câmara
Ainda nesta quarta-feira, representantes da comissão especial da reforma política da Câmara se reuniram para discutir procedimentos relativos à
audiência pública prevista para esta quinta-feira e aos seminários regionais que serão realizados em cinco estados brasileiros. O presidente da comissão, deputado Almeida Lima (PMDB-SE), anunciou que já recebeu propostas de realizar os seminários nos estados de Goiás, Mato Grosso, Sergipe, Paraná e Minas Gerais.

Ele também anunciou a disposição de começar as votações sobre o sistema eleitoral “em meados de maio”. Anteriormente, o deputado havia manifestado a intenção de concentrar as votações no final do prazo de funcionamento da comissão, entre agosto e setembro.

O Senado também instalou uma comissão especial de reforma política que já deliberou sobre alguns temas, como o fim da reeleição e restrições nas regras para suplência de senador. Diante disso, alguns deputados manifestaram preocupação de o colegiado da Câmara ser criticado pela morosidade dos trabalhos.

Almeida Lima, no entanto, negou que a antecipação das votações tenha sido motivada por esse receio. “Não há competição com o Senado, mas não dá para deliberar sem ouvir a sociedade, e isso leva tempo. Se estivéssemos preocupados em igualar nosso ritmo de votações com o do Senado, não teríamos marcado as primeiras votações apenas para maio”, afirmou.

Reportagem - Rodrigo Bittar
Edição – Regina Céli Assumpção

Frente Parlamentar quer fortalecer instrumentos de Democracia Direta

Frente parlamentar quer incluir sociedade civil no debate sobre reforma política

17/03/2011 14:04


  • Ivan Richard Repórter da Agência Brasil

    Brasília - Representantes da Frente Parlamentar Mista para Reforma Política com Participação Popular estiveram hoje (17) com os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Marco Maia (PT-RS), para reivindicar que o debate sobre o tema envolva também a sociedade civil.

    Com a criação da frente, que será lançada oficialmente na próxima quarta-feira (23), haverá três fóruns para discutir a reforma política. Tanto o Senado como a Câmara criaram comissões independentes para tratar do assunto.

    De acordo com o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), um dos coordenadores da frente, o trabalho será feito de forma paralela ao das comissões, sem que haja sobreposição. "A frente não existe para se contrapor aos trabalhos da Câmara e do Senado. Queremos debater com profundidade o sistema político e eleitoral do país e apresentar contribuições", afirmou."Vamos apresentar outras sugestões para as comissões e aos plenários da Câmara e do Senado e pressionar os parlamentares de diversos partidos para que aprovem as propostas que estejam sintonizadas com os anseios da população”, acrescentou o senador.

    Apesar de ser contrário, neste momento, à participação da sociedade civil no debate em torno da reforma, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), considerou positiva a criação da frente. Para ele, o melhor momento para abrir a discussão com a sociedade será após o desfecho dos trabalhos das duas comissões.

    "Acho positivo, uma vez que conseguimos colocar a reforma política no meio do debate nacional como prioridade. Hoje se movimentam o Senado, a Câmara, a frente e todos querendo participar para encontrar um terreno comum em que se possa fazer a reforma política."

    Entre as entidade da sociedade civil que integram a frente estão a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT), entre outras.

    Edição: Juliana Andrade

    Frente Paralmentar quer incluir Sociedade Civil no Debate sobre Reforma Política

    Reforma política e sociedade civil
    Editorial publicado pela "A Voz do Cidadão" trata das iniciativas da sociedade civil em relação a reforma política e CBN exibe matéria sobre a atuação das entidades.

     Reforma política e sociedade civil
    Clique na imagem

    Editorial publicado em "A Voz do Cidadão"

    Veja aqui a matéria exibida pela Rádio CBN

    Entrevista sobre a Frente Parlamentar Mista da Reforma Política (22/03) - José Antônio Moroni

    Reforma política: consenso só com as entidades da sociedade
    Nem bem recomeçaram os trabalhos da comissão parlamentar de reforma política, terça-feira passada, nossos nobres deputados já deram o tom da conversa. Enquanto ninguém se entende sobre quais as propostas a serem debatidas - voto distrital, distrital misto, distritão, voto obrigatório, voto livre, lista fechada e por aí vai - alguns até se arriscam a sugerir abertamente uma “mordaça” à justiça eleitoral e ao Ministério Público, penalizando quem oferecer denúncia à Justiça motivado por promoção pessoal, má-fé ou perseguição.

    Mas o comentário de hoje vai na direção das iniciativas da sociedade civil, cada vez mais organizada e disposta a participar ativamente da fundamental discussão sobre a reforma política.

    E desta vez essa participação promete ser ainda mais organizada e focada do que já havia sido na aprovação da lei Ficha Limpa pela rede das 50 entidades do MCCE. A Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma Política acaba de confirma para o próximo dia 29 o lançamento de um Projeto de Lei de Iniciativa Popular para a Reforma Política, a ser levado à discussão no Congresso Nacional.

    Para quem não sabe, a Plataforma foi criada a partir de um seminário, “Os sentidos da democracia e da participação”, em 2004, e, nesse período, vem promovendo vários debates sobre o tema em diferentes espaços, seja no congresso nacional, na mídia e nos próprios movimentos da sociedade. São 35 organizações/redes das mais representativas da sociedade, como OAB, MCCE, AMB, Inesc, Abracci, CNBB, Amarribo, IFC, Voto Consciente e outras.

    A proposta da Plataforma está basicamente dividida em três eixos principais - democracia direta (referendo e plebiscito no contexto da internet), democratização dos partidos (para ampliar a participação dos filiados em face dos caciques) e reforma eleitoral propriamente dita - sobre temas como financiamento público de campanhas, listas de candidatos, justiça eleitoral e fiscalização, recall político, fim de suplentes de senador, cláusula de barreira, fim do voto secreto e outros.

    Vale lembrar que muitas dessas organizações atuaram ativamente pela aprovação da Ficha Limpa, e agora têm como prioridade um projeto de reforma eleitoral que sirva mais aos interesses dos cidadãos eleitores do que os políticos e governantes do momento, como cidadãos eleitos.

    Aqui na Voz do Cidadão vocês vão ficar sempre a par dos detalhes sobre o Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma Política. Vamos participar e ajudar a transformar este projeto de lei em um novo marco na história da cidadania no Brasil.

    Veja também am nota pública em que as entidades da sociedade civil defendem que a "proposta do distritão representará um duro golpe nas minorias

    Boletim do INESC

    Lançamento do Livro Histórias de Meninas - Meninas de Sinhá

    Analise Da Silva

    23 de março de 2011 20:11

    Lançamento do Livro Histórias de Meninas - Meninas de Sinhá
    Sábado dia 26 de março de 2011
    Local: CentoeQuatro, Praça Ruy Barbosa, 104 - Centro de BH
    (perto da Praça da Estação)
    Horário: 16hs

    Patrícia Lacerda

    Produtora Meninas de Sinhá
    (31) 9243-3291
    (31) 8862-0937 - 3434-7148
    Skype: patricia.lacerda9
    msn:
    tissabh@gmail.com
    Assista a lindos vídeos do grupo:
    Meninas de Sinhá

    Selo Escola Solidária 2011

    Homenagem Às Mulheres - Show Dóris e Banda - 25/03

    Homenagem Às Mulheres
    Show Dóris e Banda
    25/03/2011


    Clique na imagem

    quarta-feira, 23 de março de 2011

    Edital de Contratação de Pessoal - Analista de Comunicação

    Edital de Contratação de Pessoal - Analista de Comunicação

    Edital de Contratação de Pessoal - Analista de Comunicação.pdf

    terça-feira, 22 de março de 2011

    Editais de Bolsa Reuni - Área de Educação

    Divulgamos os editais para Bolsa Reuni na área de Educação
    Inscrições até o dia 24/03/2011 – confira os editais


    Licenciaturas

    Licenciatura Educação Intercultural de Educadores Indígenas – FIEI

    Licenciatura em Educação do Campo – LECAMPO

    Secretaria do PPGE/FaE/UFMG
    Av. Antonio Carlos, 6627 - Pampulha - 31.270-901 - Belo Horizonte - MG
    (31) 3409-5309 - 3409-5310
    e-mail:
    colpgsec@fae.ufmg.br
    site: http://www.posgrad.fae.ufmg.br/

    Secretaria do PPGE/FaE/UFMG
    Av. Antonio Carlos, 6627 - Pampulha - 31.270-901 - Belo Horizonte - MG
    (31) 3409-5309 - 3409-5310
    e-mail:
    colpgsec@fae.ufmg.br
    site: http://www.posgrad.fae.ufmg.br/

    Blog de Poesias incluído na lista sobre o Dia Mundial da Água

    Blog de Poesias incluído na lista sobre o Dia Mundial da Água das Nações Unidas

    Em função dos Poemas pela Água, o blog A Luz é o Corpo da Alma, da brasileira Maria do Rosário Lino, foi incluído na lista oficial de eventos sobre o Dia Mundial da Água 2011, pela UN Water, órgão do Departamento das Nações Unidas de Assuntos Econômicos e Sociais. O Dia Mundial da Água, neste dia 22 de março, terá como tema “Água para as cidades: respondendo ao desafio urbano”.

    O objetivo de UN Water, o setor das Nações Unidas que promove o Dia Mundial da Água, é promover uma reflexão em escala internacional sobre o impacto do rápido crescimento da população urbana, a industrialização e a incerteza causadas pelas mudanças climáticas, os conflitos e os desastres naturais sobre os sistemas urbanos de abastecimento de água. Neste ano em que o planeta deve chegar a 7 bilhões de moradores, mais da metade já vivem em cidades, indicando enormes desafios para garantir o suprimento de água nas áreas urbanas. (Eventos relacionados ao Dia Mundial da Água, no site especial de UN Water, estão em Site Un Water

    Um dos Poemas pela Água, de Maria do Rosário Lino, incluídos no site é “Água”, do livro “A Luz é o Corpo da Alma”, de 2002. Trecho do poema: “Suas cascatas despejam/ energia vital como/ um vitral de luz/ que se traduz em céu/ em contato com o ar”.

    Outro Poema pela Água é “O último farol”, do livro “O adolescer de um novo dia”, de 1997, com versos como: “Essa guerra surda hoje enterra/ nossos parentes aquáticos./ Sorumbáticos, teremos o mesmo fim./ E lacônicas as estrelas/ nos olharão piedosas,/ temerosas, porém,/ que o potencial destrutivo terreno,/ num último e verdadeiro ato obsceno/ alcance o macrocosmos,/ matando também o eterno”.

    “Sete Quedas”, do livro “Ide Ais”, de 1994, é outro Poema pela Água. “Ninguém dissolve/ a água/ ela evapora/ vai embora/ mas retorna/ em quedas/ d´água/ livre/ e sempre/ de pé”! E “Deixa a água”, do livro “Pó Ética da Paz”, de 1993, é outro Poema pela Água.

    Maiores informações:
    http://aluzeocorpodaalma.blogspot.com/

    segunda-feira, 21 de março de 2011

    22 de Março - Dia Mundial da Água


    22 de Março - Dia Mundial da Água

    Mobilização e Panfletagem na Praça Sete, amanhã, dia 22/3 - Dia Mundial da Água


    Mobilização e Panfletagem na Praça Sete, amanhã, dia 22/3 -
    Dia Mundial da Água - de 9 ao meio-dia

    sexta-feira, 18 de março de 2011

    Universidade Popular Juvenal Arduini

    Universidade Popular: Finalmente é hora de estradear...

    Convocatória

    Amigos, um sonho se dá na caminhada...assim, com alegria convocamos a todos para as atividades da Universidade Popular Juvenal Arduini.

    As atividades se darãojá, agora, no próximo sábado, dia 19 de Março de 2011, as 13 horas, na Rua Capitão Domingos, 1079.

    Contamos com todos...

    Reafirmamos que ela é um espaço público não-estatal...

    Organizará trocas e produções, diálogos e intervençoes nos diversos campos do saber e dos prazeres...

    Venha...multiplique essa notícia...

    Divulgue com seus contatos, amigos e coletivos que também sonham com um mundo de paz e solidariedade, liberdade e cidadania...

    Contamos com você...

    Juntos teceremos um novo tempo, novos alvoreceres...

    Nossa destinação pode ser retratada nesta reflexão do Monsenhor Juvenal Arduini, no seu livro Ousar:

    “ Há muito que desterritorializar. Há que alijar a mentalidade submissa. Há que emergir. E aventurar-se. E dizer a primeira palavra. E arriscar o primeiro passo. E fazer o primeiro salto. Há que peregrinar infatigavelmente. E estalar estruturas. E originar nova humanidade. Lançar sementes mais adiante. Irrigar chão seco. Recolher colheita farta. Nutrir desnutridos. E festejar a vida. Há que ser nômade seduzido por novos horizontes.”

    Desbravemos novos caminhos e sonhos...reinventemos a vida. Por uma nova terra, por um povo por-vir, lutemos...

    Um abraço com ternura...

    Jorge Bichuetti





    http://jorgebichuetti.blogspot.com/2011/03/universidade-poppular-finalmente-e-hora.html

    31º Aniversário do Martírio de Dom Oscar Romero

    31º Aniversário do Martírio de Dom Oscar Romero

    "Se me matarem, ressuscitarei nas lutas do meu Povo!"
    Dom Oscar Romero, bispo de El Salvador

    Dia 24 de Março, Quinta Feira, as 19 horas
    Salão paraquial da Igreja São José

    Presença de Dom José Maria Pires

    Lançamento de seu livro: "Um Profeta Em Movimento"

    Lanche: traga alguma coisa para a grande partilha.

    Realização:
    Fórum Político Interreligioso-BH
    Centro Acadêmico Oscar Romero - ISTA

    Circulação do Festival Estudantil de Teatro - Belo Horizonte


    A circulação do FETO - Festival Estudantil de Teatro está em sua terceira atividade. As cidades de Belo Horizonte, Itabira, João Monlevade e Uberlândia receberam espetáculos e oficinas durante esta circulação. Os espetáculos que fazem parte da circulação foram indicados pelos jurados do FETO 2010. As reapresentações têm como objetivo dar continuidade aos trabalhos e contribuir com o processo de formação desses novos atores, diretores, produtores e técnicos.

    Belo Horizonte receberá no dia 26 de março o espetáculo "O casamento da Fia Leiloada", do Caderno Teatral Pedro II. O espetáculo será apresentado às 16 horas na Praça Duque de Caxias no bairro Santa Tereza, com entrada franca.

    Gostaríamos de contar com seu apoio para a divulgação desta atividade no Arte e Educar. Seguem em anexo o release da circulação e o cartaz de divulgação. Em caso de dúvida, por favor entre em contato conosco.

    Sosti Reis
    Associação No Ato Cultural
    (31) 2555-8575
    (31) 8447-4188

    quinta-feira, 17 de março de 2011

    Convite para Show de Viola - sexta, 18 de março

    Clique na imagem

    Convocatória - Reunião de Criação do Banco Virtual de Trocas de Serviços da Grande BH

    Convocatória - Reunião de Criação do Banco Virtual de Trocas de Serviços da Grande BH

    Data: 17/03/2011 – Quinta - feira
    Horário: 19:00 às 21:00 hrs.
    Local: Centro Público de Economia Solidária - BH - Av. dos Andradas, 367 - 2º andar - Ed. Central -
    Praça da Estação - Fone/fax: 3277-9830.

    Prezados amigos e amigas da Região Metropolitana de Belo Horizonte e seus arredores,

    Há alguns anos, em alguns lugares do mundo, vários indivíduos e coletivos têm se beneficiado mutuamente com uma iniciativa de desconstrução da premissa mais básica da moderna sociedade de consumo, que prega que um indivíduo só tem acesso aos diversos serviços de qualidade se tiver dinheiro para pagar por eles.

    Em Fevereiro de 2011 algumas pessoas estão começando a fazer o mesmo na grande São Paulo, provando que nós brasileiros estamos prontos para dar esse importante passo na construção de uma nova sociedade com ações econômicas libertárias.

    O “Banco Virtual de Trocas de Serviços” é uma excelente ferramenta para qualquer indivíduo que possua alguma habilidade que possa ser útil para outros, e que esteja disposto a oferecer seu serviço em troca de poder usufruir das habilidades de outros que lhe possam ser úteis.

    Além da desconstrução relacionada à dependência direta do uso do dinheiro para a obtenção de serviços de qualidade, está em jogo também a oportunidade de quebra de paradigmas envolvendo os valores arbitrários atribuídos às profissões e à diferenciação de quem presta o serviço e onde – por exemplo: o mesmo serviço pode ser mais bem remunerado quando é feito por homens ou brancos ou nas capitais. Também, o Banco representa uma possibilidade de ter acesso a serviços muitas vezes indisponíveis em algumas localidades, de conhecer pessoas, de fortalecer economias locais e experiências comunitárias.

    Assim, gostaríamos de convidar todos vocês a colhermos juntos os incontáveis benefícios desse modelo inovador de economia solidária, cada um com o tempo que tiver disponível.

    Esta convocatória possui a intenção de começarmos juntos do zero um “Banco Virtual de Trocas de Serviços” que contemple a Região Metropolitana de Belo Horizonte e seus arredores. Propomos que todo o processo de idealização e construção aconteça de maneira coletiva e participativa, com liderança horizontal e descentralizada, a partir da primeira reunião aberta na qual serão bem vindos representantes de todas as áreas de prestação de serviços, sejam profissionais com ou sem qualificação comprovada, com qualquer nível de escolaridade, trabalhadores formais ou informais, temporários, artistas, artesãos, agricultores, etc.

    Quanto mais cabeças pensando juntas, mais bem estruturada e eficiente será nossa ferramenta.

    I Encontro Comunitário: Tecendo Direitos Região Noroeste (BH) e Novo Progresso (Contagem)


    I Encontro Comunitário: Tecendo Direitos Região Noroeste (BH) e Novo Progresso (Contagem)

    O que o Encontro?

    O I Encontro Comunitário: Tecendo Direitos é um evento que pretende fortalecer a atividade comunitária nos bairros: Novo Progresso, Ressaca, São Salvador, Coqueiros, Pindorama e comunidades localizadas nestas regiões.

    Eixos de Trabalho

    1. Apoio aos Presos: Organização dos/asfamiliares de encarcerados/as,e Atendimento Jurídico.
    2.Mulheres: Apoio à organzação das Mulheres.
    3.Juventude: Organização da juventude e formação de lideranças.

    Qual é o Objetivo?

    Contribuir para organização popular e rearticulação do movimento comunitário, por meio da auto-análise e autogestão das demandas das próprias comunidades.

    Cronograma

    8:30h Credenciamento
    9h Plenária de Abertura
    10h Grupos de Discussão:

    Grupo 1: Familiares de Encarcerados
    Grupo 2: Mulheres
    Grupo 3: Juventude

    12h- Almoço
    13:30h- Plenária de Encerramento
    15h- Lanche

    Um pouco mais sobre o Encontro

    A organização comunitária é a nossa causa, o instrumento que nossa comunidade dispõe para combater as demandas como a ausência de equipamentos públicos e falta de assistência social aos jovens encarcerados e seus familiares, a ausência de participação popular no processo de urbanização que continua segregando os pobres, etc. Para nós a importância da formação de novas lideranças, em especial mulheres e jovens, é fundamental para reanimar a organização comunitária e a participação popular nos destinos da comunidade, enfrentando as propostas tecnocráticas da administração, que ora são iniciativas exteriores à verdadeira demanda da comunidade, ora é apenas vitrine para a propaganda de governos sem identificação com as necessidades do povo.

    O problema central que pretendemos enfrentar é a ausência de organização comunitária e de lideranças capazes de promover a mobilização popular á favor dos interesses da localidade, a partir de pautas criadas e assumidas pela própria comunidade. O papel da construção de espaços de tomada de decisão comunitária, como assembléias, reuniões, etc. assumem uma relevância fundamental. Cumpri o papel de dar a oportunidade para o surgimento de novas lideranças e de envolver toda a comunidade na luta por seus próprios interesses, definidos coletivamente e democraticamente, o I ENCONTRO é um passo nesta direção.

    Junte-se á nós, participe das atividades do Núcleo Comunitário do São Salvador e região. Vamos juntos lutar pelo fortalecimento de nossas comunidades.

    Indicações

    Local: AMONP- Rua Gonçalves Dias, 320. Novo Progresso/Contagem
    Referência: Novo Progresso II, ônibus 2170B ponto de referência é proximo a subestação da Cemig, próximo ao CAIC e próximo ao ponto final do 2170B.

    Confira programação Artistico-Cultural - Março

    Confira programação Artistico-Cultural do mês de março em celebração ao mês da Mulher.

    18/03- Lual Bem-Me-Quero/ Negra
    Aniversário do quarto ano do Espaço Bem-Me-Quero, com músicas, histórias e poesia
    Horário :18:00 às 21:00 horas
    Local : Espaço Negra

    25/03 - Show com a cantora Dóris e Banda
    Horário: 19:00 horas
    Local: Praça Tiradentes

    Coordenadoria de Igualdade Racial
    Coordenadoria de Políticas para Mulheres

    Mixsórdia Informativo Cultural - 16 a 20 de Março

    Mixsórdia >> Guia Cultural >> Belo Horizonte MG Brasil
    mix.sór.dia (sin) >> miscelânea de aconteces >>
    sair da inércia e arranhar o diverso >>
    hoje à tarde? amanhã à noite? >> pulsar

    Sistema de som será instalado pela segunda vez na Praça da Assembleia
    Este sábado o RoodBoss Soundsystem realiza a sua décima edição. O sistema de som é sempre instalado em praças já passou pela Duque de Caxias (Santa Tereza), Afonso Arinos (Centro), Diogo de Vasconcelos (Savassi), dos Porcos (Cidade Jardim), Milton Campos (Cruzeiro), Prof. Godoi Betônico (Luxemburgo), da Estação (Centro) e será instalado pela segunda vez na Praça da Assembleia (Praça Carlos Chagas – Santo Agostinho). Os irmãos e designers Zumberto e Gustassifon e o DJ Fael (das festas Alta Fidelidade e Safadezas) são os principais seletores do RBS, que sempre conta com participações especiais. Os dois primeiros estiveram recentemente em Kingston onde tiveram a oportunidade de conhecer diversos artistas, gravar dubs exclusivas e agregar novos discos à coleção. Muita coisa foi reservada pra estrear no dia 19. Os integrantes do Jurassic Sound System / You & Me On a Jamboree estiveram juntos nessa viagem, garimparam muita coisa por lá também e estarão presentes carregados do enorme acervo que possuem.
    http://roodboss.com/
    Local: Praça da Assembleia (Praça Carlos Chagas) – Santo Agostinho // Horário: 13h às 22h // Entrada: gratuita

    Revista é lançada com show do Fadarobocoptubarão de Grindcore Interpretativo
    Citados no editorial da Samba 2, “os mineiros do Grupo Porco e do fadarobocoptubarão” aglutinam-se para festejar num único show o lançamento da revista brasiliense em BH, primeira parada da “Samba tour 2011”. Editada por Gabriel Mesquita, Gabriel Góes e Lucas Gehre, a publicação reúne trabalhos de quadrinhos, artes plásticas e experimentações gráficas. A edição de estreia recebeu o prêmio como a melhor entre as alternativas na Feira de Quadrinhos do Piauí. Esta segunda apresenta criações de 25 artistas, com diferentes traços, temas e estados de espírito, cumprindo a proposta de conduzir o leitor por boas descobertas, como o humor politicamente incorreto de Daniel Lafayette, a delicadeza sombria de Eduardo Belga, a memória apagada de Pedro Franz, as pinturas privadas de Fábio Baroli, só para repassar algumas das 132 páginas – 21 delas em 3D. Os exemplares estarão à venda por R$20 e vêm com um par de óculos 3D de brinde. A banda Tempo Plástico e os DJs JJBZ e Porquinho também tocam na festa.
    Samba // Grupo Porco // Fadarobocoptubarão // Tempo Plástico // JJBZ // A Obra
    Local: A Obra – r. Rio Grande do Norte, 1.168, Savassi // Horário: 22h // Entrada: R$15 // Revista: R$ 20 // Informações: (31) 3215-8077 e 3261-9431

    Confira a programação completa

    Mixsórdia é uma produção independente, editada por Daniel Silva, Débora Fantini e Marcelo Lustosa
    Sugestões? >>> sugestoes@mixsordia.com
    Informações e imagens são disponibilizadas por assessorias de imprensa ou responsáveis pelos eventos.

    Programação Cultural Nelson Bordello 15 a 19/03


    Clique na imagem

    Construção de Yurt - Palestra


    Construção de Yurt

    [Tecnologia de habitação dos povos nômades]

    Instituto Ecovida São Miguel – Moeda - MG

    Eco-construção de bambu, o Yurt é a habitação tradicional dos povos Mongóis da Ásia Central. A técnica usada há cerca de 2000 anos foi adotada pelo movimento de ecovilas e permacultura por sua praticidade, mobilidade, baixo custo e tamanho extremamente flexível.

    Facilitação: Pablo Bedmar (IPERS e IIFAC)

    29 de março de 2011
    Palestra aberta ao público mediante inscrições
    Local: Belo Horizonte – MG
    Horário: 19h às 21h

    8 a 10 de abril de 2011
    Vivência de construção de Yurt
    Local: Núcleo Ecovida São Miguel – Moeda – MG
    Imprescindível chegar na sexta à tarde/noite
    Investimento: R$ 120,00 - Vagas Limitadas
    Inclui material didático (virtual), certificado e hospedagem em camping natural.
    A alimentação será dividida entre os participantes.

    Informações e inscrições:
    ecovidasaomiguel@gmail.com

    (31) 8452-8116 / 9783-1304
    www.ecovidasaomiguel.ning.br

    Dia Mundial das Águas - Convite

    O Rio São francisco e a Articulação Popular São Francisco-Vivo, contam com sua presença.

    No lançamento do livro:
    "O Rio São Francisco e As Águas no Sertão" do fotógrafo João Zinclar
    22 de Março -"Dia Mundial da Água"
    Auditório das Irmãs Paulinas
    Av. Afonso Pena - nº2142 - 19:30 horas

    Participação especial dos cantores e violeiros: Joaci Ornelas e Bilora.

    Conviver com o semi-árido é a solução!

    Resenha - Zinclar, João. O Rio São Francisco e as águas no sertão. 2010. Campinas- SP
    Autor: Thiago Pereira de Carvalho, jornalista

    Fragmentos sobre um conflito eminente

    O livro de João Zinclar aborda questões que estão inextricavelmente ligadas ao meio ambiente e à luta de classes em seu conceito mais genuíno. O projeto faraônico de transposição das águas do São Francisco conclama as militâncias dos mais diversos movimentos sociais a um debate franco e sem precedentes contra argumentos falaciosos. Além dos movimentos sindicalistas, as ONG’s, educadores, ambientalistas, pastorais, populações ribeirinhas, indígenas e quilombolas estão amealhados numa discussão que os engloba de forma peremptória.

    Por ser um livro repleto de fotografias, a intenção de João Zinclar é denunciar a imprevidência e demagogia do governo para com aqueles que vivem às margens da bacia do rio. A união indissociável entre rio e povo é algo transmitido pelas lentes do fotógrafo com a sinceridade de quem não prescinde da luta pela água como direito elementar à vida.

    O processo de transformação em mercadoria pelo qual passa nossa sociedade é alvo renitente da obra fotográfica de Zinclar. A serviço de interesses das grandes corporações do segmento extrativista (mineradoras, siderúrgicas e afins) e hoteleiro, o Estado desrespeita um dos bens mais preciosos e necessários à vida. A água é tratada como apenas um meio para se obter lucros cada vez mais robustos. Sem qualquer preocupação com os danos trazidos ao meio ambiente, muitas empresas conseguem ainda burlar com desfaçatez as multas aplicadas por órgãos fiscalizadores do Estado. As mobilizações sociais ainda são tidas como um estorvo a ser retirado para que não se aplaque a busca incessante por dividendos. A poluição da bacia do São Francisco e de seus afluentes tem como principais responsáveis as mineradoras e siderúrgicas atreladas à conivência nociva dos governos federal, estaduais e municipais como um todo.

    A indolência do Estado brasileiro está retratada nas páginas do livro. Os conflitos oriundos do cenário entre capital e trabalho trazem ao século XXI mais do que problemas ambientais. A luta de classes inserida no prisma de fotos e textos traz à tona um antigo e emblemático conflito amalgamado pela persistência de imbróglios socioeconômicos que o capitalismo nunca foi capaz de solucionar. Como muito bem enfatiza o autor, o modo de produção capitalista somente valoriza aquilo que pertence a alguém enquanto propriedade privada, como fruto de uma rocambolesca e mórbida demanda de mercado. Desta forma, as ações enviesadas e distorcidas de conluios entre governos e empresas manifestam a tendência da atual conjuntura para converter tudo em mercadorias e lucros. Rio e povo passam a ser descartáveis, ventríloquos a serem manipulados ao bel-prazer de quem manda, naturalmente aqueles com maior poderio econômico e que se sentem capazes de comprar tudo e todos.

    As raízes de um povo, assim como seu modelo de sustento e sobrevivência não podem ser atropelados por mandos e desmandos de quem a princípio “pode mais”. Para mostrar essa aterradora realidade, “O Rio São Francisco e as águas no sertão” convocam o leitor a uma reflexão austera sobre uma tomada de posição combatente em relação à empáfia e descaso materializados no projeto de transposição da bacia do São Francisco. Preservação do rio e respeito às comunidades que dele dependem para sobreviver são o fio condutor desta obra.

    De uma Escola Aberta - Nei Alberto Pies

    De uma Escola Aberta

    “Os protagonistas aparecem e se esvaecem para seguir vivendo, história atrás de história, em outros personagens, que lhes dão continuidade. Tecidos pelo fio do tempo, eles são o tempo que fala: são bocas do tempo” (Eduardo Galeano, em De pernas pro ar – A escola do mundo ao avesso, LPM)

    Ainda existe uma Escola Aberta em nossa cidade. Uma escola aberta para uma prática pedagógica que promova, fundamentalmente, a inclusão através da apropriação do conhecimento, com interação social. E que tem por filosofia ser uma “escola questionadora e transformadora das práticas sociais, que garanta o exercício dos direitos da criança e do adolescente, oportunizando meios para a construção do conhecimento e exercício da cidadania”. Mas qual será mesmo a função social deste educandário? Quais razões justificam hoje a sua existência?

    O surgimento da Escola Aberta, hoje Escola Estadual de Ensino Fundamental de Passo Fundo, remete a um determinado momento histórico. No ano de 1993, cria-se uma Comissão Interinstitucional composta pela Coordenadoria Regional de Educação, Fundação de Bem-estar do Menor, Secretaria Municipal de Educação, Sexta Coordenadoria Regional de Saúde, Juizado de Menores, Câmara de Vereadores e representantes de associações de bairros. Buscava-se, à época, construir uma escola e um currículo que tivesse por objetivos promover “os menores desassistidos pela escola regular” para “uma condição de se educar, ser respeitados, poder criar, escolher, decidir e sonhar”. Afirmava-se a intenção de não postular uma nova escola, mas recriar a própria escola numa dimensão social mais viva.

    Desde então, com maior ou menor atenção e apoio dos gestores educacionais, a escola vem cumprindo, heroicamente, a missão de acolher e trabalhar com crianças e adolescentes que não tem encontrado suficiente acolhida e inclusão na escola regular, a maioria em descompasso de idade e escolaridade. Os educandos participam de aulas regulares, pela manhã, e oficinas, pela parte da tarde. “Para além da formação básica, as oficinas buscam incentivar e propiciar uma formação para o trabalho e a valorização da vida, permitindo também uma maior integração e vivência em grupo que leve os adolescentes a serem agentes de transformação junto à família e seu meio social mais amplo” (Doc. Proposta para estruturação e implantação, janeiro 1993)

    Como em toda escola pública, a direção e o corpo docente da Escola Aberta vem lutando bravamente para manter as melhores condições do espaço físico, do trabalho pedagógico e do processo de ensino-aprendizagem. Mas a esta escola agrega-se uma função mais do que educativa: a dimensão da humanização, da convivência social, da construção dos sujeitos de direitos, da motivação para estudar. E para que possa exercer sua dimensão social, precisa ser tratada com mais prioridade. Precisa ter mais apoio, para um trabalho multidisciplinar. Precisa ser reconhecida pela sociedade por seu trabalho de acolhimento, educação, inclusão e cidadania. Precisa de um olhar diferenciado, que permita que se faça a diferença.

    Estamos, hoje, em outro momento histórico. A Escola Aberta justifica-se hoje por ser um espaço educativo capaz de atender e entender um contingente de crianças e adolescentes que não tem sido compreendidos e entendidos em escolas regulares. Aqui, procura-se fazer uma fusão entre escola-arte-cultura-linguagem-cidadania-convivência-conhecimento. Passo Fundo, como outras cidades, precisa de um espaço educativo que desafie para uma formação integral do ser humano, a começar pelas nossas crianças e adolescentes mais vulneráveis. E atesta, para todos nós, que para humanizar a gente, só mesmo cuidando dos outros.

    Nei Alberto Pies, professor e ativista de direitos humanos.

    MEC vai esclarecer TCU sobre bolsas do Prouni

    Correio Braziliense, 14/03/2011 - Brasília DF

    MEC vai esclarecer TCU sobre bolsas do Prouni

    Ascom MEC

    O Ministério da Educação vai levar ao conhecimento dos auditores do Tribunal de Contas da União informações sobre o Prouni que, aparentemente, não foram levadas em conta no relatório preliminar revelado pelo jornal O Globo, neste domingo (13/3). Basicamente o Ministério da Educação pretende esclarecer que há três situações inteiramente distintas no Prouni: Instituições filantrópicas - Estas instituições quando não preenchem o número de bolsas regulamentar do Prouni são obrigadas a, sob o mesmo critério sócio-econômico, preencherem com outra forma de seleção, sob pena de perderem o certificado de filantropia (CEBAS - Certificado de Entidade Beneficente e de Assistência Social), o que acarreta na perda da isenção do recolhimento da quota patronal da Previdência, de 20% sobre a folha de pagamentos. Entidades sem fins lucrativos não filantrópicas - Estas instituições gozam de isenção fiscal independente de sua adesão ao Prouni e, portanto, não há que se falar em renúncia fiscal vinculada ao programa.

    Instituições com fins lucrativos - Respondem por 20% das bolsas e sua ocupação se dá por dois critérios: a reoferta das bolsas não preenchidas no ano seguinte; e agora, mais recentemente, pela lista de espera de inscrições. Em geral, os relatórios do Tribunal de Contas a União apresentados até o momento apresentam um vício de origem, ao contar a bolsa não preenchida em um ano e preenchida no ano seguinte como ofertas distintas. Isso caracteriza claramente uma dupla contagem. Levando-se em conta o número de estudantes da rede privada, de cerca de 4,5 milhões, o número de bolsas ativas do Prouni, 489.127 e o fato de que as instituições filantrópicas e entidades sem fins lucrativos não filantrópicas respondem por 80% das bolsas, a média de bolsas preenchidas se encontra rigorosamente dentro dos padrões da lei.

    O Ministério da Educação tem trabalhado em parceria com o Tribunal de Contas da União no sentido de aprimorar o programa. Este ano, nos termos da lei, as instituições que tiveram duas avaliações insuficientes no SINAES devem ser excluídas. Bem como o preenchimento das bolsas oferecidas será feito por meio de uma lista de inscrições, supervisionada pelo próprio MEC. As instituições particulares de ensino superior que aderiram ao programa, em sua maioria, estão coerentes com as normas e procedimentos. A supervisão deve continuar a ser feita caso-a-caso, punindo e excluindo aquelas que estão fora do padrão regulamentar. Assessoria de Comunicação Social

    Casa Una de Cultura - Inauguração

    Casa Una de Cultura – Experimentalismo e Novas Linguagens

    O Centro Universitário Una completa 50 anos e Belo Horizonte recebe de presente um novo espaço cultura.

    No dia 22 de março será inaugurado o novo espaço cultural dedicado às artes na capital, a Casa Una de Cultura. O belo casarão do início do século, no qual funcionará a Casa, está localizada à Rua Aimorés, 1451, próximo à Praça da Liberdade. O novo espaço cultural da cidade consiste de três salas menores e uma sala multiuso que comportará aproximadamente 50 pessoas. Com o centro a Una pretende interferir de forma mais direta na vida cultural de Belo Horizonte, e ir além das atribuições educacionais que constituem sua principal vocação. A inauguração da Casa faz parte das comemorações do cinqüentenário do Centro Universitário.

    A proposta da Casa Una é criar um centro cultural, que fomente o experimentalismo e as novas linguagens, questões que marcam o cenário contemporâneo, por meio de uma gestão colaborativa, formada por uma equipe multidisciplinar. Segundo Guaracy Araújo, um dos gestores da Casa, “os idealizadores do projeto pretendem fazer uso do espaço para abrigar manifestações artísticas das mais diferentes áreas, como artes cênicas, artes digitais, artes interativas, artes plásticas, audiovisuais, documental, literatura, música instrumental e vocal, poesia, saraus, videoarte e outras”.

    Ainda de acordo com Guaracy os princípios que norteiam o projeto são: o prazer de ter experiência e a interação. Para atender esses valores a Casa Una é um projeto aberto, que pretende ser construído dia a dia com os principais utilizadores do espaço: artistas, produtores e gestores culturais.

    Um dos desafios do projeto é conseguir usar em toda sua potencialidade as ferramentas digitais. Desta forma, a intenção é conseguir em breve veicular as atividades artísticas realizadas internamente na rede, viabilizando uma interação mais ampla entre o público e seus projetos, a fim de democratizar o acesso à cultura.

    A cada mês será proposto um tema como referência, criando um ambiente propício ao diálogo, ao envolvimento, a interação. No primeiro mês o tema será o feminino.

    Gestão Colaborativa

    A Casa Una de Cultura tem uma proposta inovadora, ser um espaço cultural gerido de forma colaborativa. Para atender essa diretriz o espaço foi apresentado previamente no dia 15 de fevereiro de 2011, a um grupo de 80 convidados, do qual fizeram parte produtores e gestores culturais, professores, empresários, artistas, formadores de opinião e representantes da mídia especializada. O encontro foi uma oportunidade de mostrar a Casa e convidar a todos a participar enviando propostas de projetos, exposições, cursos, seminários, mostras, shows e espetáculos.

    A opinião de quem foi à apresentação no dia 15 de fevereiro:

    Chico Pelúcio – Fundador e Diretor do Grupo Galpão - Em primeiro lugar é importante destacar que essa não é uma casa qualquer, é uma casa que tem seu significado para Belo Horizonte, então só de estar preservada e aberta ao público, já é uma conquista importante. Outro aspecto que merece destaque é o fato de ser um espaço cultural ligado a uma instituição de ensino, fomentando a ligação entre educação e cultura. Também achei muito bacana esse conceito contemporâneo de construir o espaço em parceria, em um diálogo contínuo com a sociedade.

    José Eduardo Gonçalves - Ex-presidente da Rede Minas – Esse projeto é uma provocação é uma casa que começa de um jeito totalmente diferente de todas as que eu conheço. A proposta é sensacional e instigante, cabe a nós agora ocuparmos esse espaço. Eu estou com vontade de montar acampamento aqui.

    Kiko Ferreira – Jornalista da Rádio Guarani – Os espaços têm que ser multiuso, assim como as pessoas são. Então é muito importante existir esse novo espaço e que os futuros parceiros sejam chamados a opinar. A Una está de parabéns por mais essa iniciativa.

    Lena Cunha – Professora e Gestora Cultural - Em primeiro lugar o fundamental é dar uso cultural para essa casa maravilhosa, do lado do Circuito Cultural da Praça da Liberdade. Em segundo lugar a proposta de incluir a opinião das pessoas que de fato vão utilizar o espaço é muito importante.

    Mauro Werkema – Jornalista - Qualquer espaço que se abra ao exercício cultural, à reflexão, à troca de ideias, ao pensamento, às expressões artísticas e culturais é algo que engrandecem a sociedade a que serve.

    Casa Una de Cultura
    Rua Aimorés, 1.451
    Casão 2º andar

    Assessoria de Imprensa
    Sinal de Fumaça – A comunicação original
    (31) 3264-4404

    Sérgio Stockler
    (31) 9143-1001
    sergio@sinaldefumaca.com.br

    Viviane A Araújo
    (31) 8889-2901
    viviane@sinaldefumaca.com.br

    Palestra - Mulher, Amor e Sexo - BH

    Mulher, Amor e Sexo é tema de palestra em Belo Horizonte (16/3)

    Grandes avanços na valorização e na postura da sociedade em relação ao sexo feminino já foram registrados. Mas, segundo a médica e psicanalista, Soraya Hissa de Carvalho, ainda há barreiras a serem quebradas, principalmente, quando o assunto é a sexualidade e as relações amorosas.

    “Amor e sexo ainda são tabus na criação feminina. Os homens recebem mais liberdade para expressar sua sexualidade. Isso está se modificando, mas toda mudança de comportamento é sempre lenta e gradativa. Por isso, nós mulheres, devemos falar mais sobre nós mesmos e nos descobrirmos em todos os sentidos, afetivamente e sexualmente”, afirma a médica.

    No mês no qual se comemora o Dia Internacional da Mulher, questões como essa é um convite ao debate sobre esse e outros assuntos importantes do universo feminino. Exatamente por isso a médica é psicanalista, Soraya Hissa de Carvalho, conduzirá a palestra “Mulher: amor e sexo”, no dia 16 de março (quarta-feira), às 19h, no Salão Vermelho da Procuradoria da Justiça (Av. Álvares Cabral, 1690 – 1º andar – Santo Agostinho), em Belo Horizonte.

    O encontro abre o ciclo de palestras mensais que a médica fará em 2011 a convite do Sindicato dos Servidores do Ministério Publico de Minas Gerais, uma iniciativa do presidente da instituição, Eduardo Castro Amorim. O bate-papo é restrito aos servidores associados ao sindicato.

    Agenda:
    Palestra: “Mulher: amor e sexo”, para filiados do SINDSEMP-MG
    Data: 16 de março (quarta-feira) // Horário: 19h
    Local: Salão Vermelho da Procuradoria da Justiça
    Av. Álvares Cabral, 1690 – 1º andar – Santo Agostinho – Belo Horizonte (MG)
    Informações: (31) 3330-8161

    Informações para a imprensa:
    Ampla Comunicação: Liège Camargos, Mariana Moreira
    (31) 3225-1116/ 3221-9241 / 8788-0043
    ampla@amplacomunicacao.com.br
    Março/2010

    Marianna Moreira
    Ampla Soluções em Comunicação
    Rua Visconde de Taunay, 61A - São Lucas
    Belo Horizonte - MG - 30240-300
    (31) 3225-1116 / 3221-9241 / 8822-0858
    imprensa@amplacomunicacao.com.br

    1º Ciclo 2011 de Palestras da Quarta Gerencial

    1º Ciclo 2011 de Palestras da Quarta Gerencial
    Palestras Gratuitas para Empreendedores e Empresários

    segunda-feira, 14 de março de 2011

    Programa Rádio sobre PNE

    Programa Rádio sobre PNE

    Pensar a Educação Hoje (14/03) 20h

    UFMG Educativa 104,5 FM

    TCU descobre que 29% do ProUni não beneficiaram alunos, mas só universidades

    TCU descobre que 29% do ProUni não beneficiaram os alunos, mas só universidades

    O Globo, 12/03/2011 - Rio de Janeiro RJ

    TCU descobre que 29% do ProUni não beneficiaram alunos, mas só universidades
    Fábio Fabrini e Demétrio Weber

    Brasília - O programa Universidade para Todos (ProUni), que concede isenção fiscal em troca de bolsas para estudantes de baixa renda, paga por vagas não preenchidas. Uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que 29% das bolsas disponíveis entre 2005 e 2009 - o que equivale a 260 mil vagas - não foram ocupadas. Mesmo assim, as instituições de ensino privadas que participam do ProUni receberam desconto total dos impostos. Embora já tenha contestado os números e a metodologia de cálculo do TCU, o Ministério da Educação (MEC) admite a distorção. O problema é consequência da lei que criou o ProUni, em 2005.

    - Se você me perguntar se eu faria a lei assim, eu diria que não faria - resume o secretário de Educação Superior, Luiz Cláudio Costa.

    Para ter direito à isenção fiscal, as universidades só precisam aderir ao programa e oferecer um percentual predeterminado de bolsas. A lei, no entanto, não exige que as vagas sejam preenchidas nem vincula a isenção a níveis mínimos de ocupação. Nos últimos anos, o TCU realizou ao menos três auditorias no ProUni. O problema da ociosidade foi constatado já em 2008.

    "Da maneira como o programa está desenhado, as instituições têm recebido toda a isenção fiscal e não têm efetivado todo o benefício previsto", escreveram os auditores. O TCU concluiu que não há estímulo para as instituições preencherem todas as vagas. Os auditores também entenderam que a falta de fiscalização in loco, por parte do MEC, dá margem a que as universidades manipulem dados e reduzam a oferta de bolsas.

    Salário digno aos Professores do Brasil

    Salário digno aos Professores do Brasil

    Ganhamos repercussão internacional na GloboNews - Assine nossa petição

    Não esqueça de assinar nosso abaixo-assinado:
    http://www.educanacao.org/

    A causa que defendemos - salário digno para os professores, e tudo o mais que a proposta representa como aprimoramento da educação - ganhou repercussão internacional, com sua divulgação no programa "Manhattan Connection" deste domingo passado, dia 13, às 23 horas, pela Globonews (Canal 40) nas televisões a cabo, sob o comando do jornalista Lucas Mendes, diretamente de Nova York.

    Convide seus amigos, colegas e familiares a juntar-se a nós, numa irradiação do nosso apelo, que precisa sensibilizar o maior número de pessoas para transformá-lo num projeto de lei popular a ser encaminhado ao Congresso Nacional.

    Divulgue os links em seu perfil, site, twitter ou blog:
    http://www.educanacao.org

    Mais uma vez grato pelo apoio recebido, e temos certeza, se multiplicará cada vez mais. Vamos lá, a hora é essa!