segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Vestibular - Administração Pública da Fundação João Pinheiro

Vestibular para o curso de Administração Pública da Fundação João Pinheiro, Minas Gerais

A Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro (FJP), abriu edital para o curso de graduação em Administração Pública, que visa a formação de servidores para ingresso na carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental do Poder Executivo do Estado de Minas Gerais.

O curso tem a duração mínima de quatro anos, em regime de dedicação exclusiva. O curso é gratuito e o aluno recebe uma bolsa de estudos correspondente a um salário mínimo, ou, se for servidor público civil do Poder Executivo Estadual, que já tenha cumprido o período de estágio probatório no cargo que ocupa, a possibilidade de dispensa do pondo durante o período letivo e no horário escolar, com direito ao recebimento de sua remuneração do cargo efetivo.

As inscrições podem ser feitas entre 17 de agosto e 30 de setembro. Para se inscrever, o candidato deverá acessar o endereço eletrônico:
http://www.fundep.br/concursos durante o período
das inscrições.

Mais informações pelo site:
http://www.fjp.gov.br/escoladegoverno/

Saiba mais:
  • 17/08/2009 Mestrado e Doutorado na Fundação Getúlio
  • 1º Encontro Montalvânia no Triângulo Mineiro


    Clique na imagem

    Alimentação em risco

    Alimentação em risco
    Redução de ajuda do Programa de Alimentação da ONU reafirma crise dos alimentos, que aumentou o preço de comida nos países pobres e os diminuiu em locais mais desenvolvidos.

    Agosto 12, 2009

    Da Revista Sustenta


    A crise de alimentos segue a mesma regra de qualquer outra crise: a demanda cresce, mas a oferta diminui. Mesmo com a expansão da fome, o Programa Mundial de Alimentos (PMA) anunciou, no final de julho, redução nas doações de comida às 1,02 milhão de pessoas em situação de subnutrição. A diferença será de pouco menos da metade do necessário: em vez de 6,7 bilhões de dólares esperados, a doação dos países para o fundo é estimada em 3,7 bilhões. Isso significa que, embora muitos países estejam se desenvolvendo, a exemplo do Brasil e da Índia, por questões essencialmente políticas, econômicas, logísticas e geográficas, menos alimentos chegam à população e, portanto, a fome tem aumentado, fazendo crescer consequentemente o número de pessoas vivendo na miséria.

    “Estamos enfrentando uma queda, sem precedentes e perigosa, nos nossos fundos de emergência. Isto se deve, principalmente, ao fato de que ainda não caíram as necessidades de alimentos que se acentuaram no ano passado com a crise econômica; e observamos que a fome aumenta”, afirmou Josette Sheeran, diretora do PMA em Washington. Ela atribui a queda dos donativos a orçamentos governamentais mais rígidos adotados depois da explosão da crise financeira internacional, no final do ano passado.

    Um exemplo de medida adotada por governos que podem ter agravado a crise dos alimentos foi a decisão da Índia e do Vietnã de cortarem as exportações de arroz e a das Filipinas de estocar as importações do produto. Isso fez com que o preço desse artigo dobrasse. Em entrevista ao portal britânico da BBC, Alexander Sarris, oficial da Organização para Agricultura e Alimentação (FAO), disse que “a alta nos preços do arroz no final do ano passado não resultou de uma queda na oferta. Ela foi devida a acúmulos por uma variedade de países e outros agentes que consumem arroz, que pensaram que não haveria arroz suficiente no mercado”.

    Ricos x pobres


    A mesma reportagem do site inglês fez uma pesquisa comparativa sobre produtos da cesta básica de grandes cidades de países pobres e ricos. De acordo com a pesquisa, variação é grande. Em Washington e Bruxelas, capitais de países desenvolvidos (EUA e Bélgica), os preços dos alimentos básicos caíram drasticamente, enquanto em países menos desenvolvidos eles subiram.

    Os destaques foram para Nairobi (Quênia) e Buenos Aires (Argentina). O aumento dos custos na cidade africana, por exemplo, pode ser causado por mau tempo e manipulação do mercado, que limitaram as safras comercializadas. Enquanto que em Bruxelas, a vantagem para a queda foi o bom clima, competição entre supermercados e baixa nos custos do petróleo, que por sua vez barateou frutas e legumes.

    A Agência Estado também noticiou preços 25% maiores na África do que antes da crise dos alimentos. No Sudão, preço é o triplo do que em 2007. Em Gana, por exemplo, o milho ficou 200% mais caro se comparados os meses de junho deste ano com o de 2007. Mas as causas desse aumento nem sempre são um acaso. “Os governos se intrometeram no mercado de uma maneira que podemos qualificar como desestabilizadora. Em outras palavras, eles compraram demais ou restringiram exportações”, disse Sarris. “Eu diria que eles criaram um tipo de expectativa de pânico”, completou.

    Uma equação desequilibrada


    O PMA ainda não especifica em que países ou quanto foi cortado do orçamento destinado aos alimentos, mas o número baixo já preocupa países que seriam beneficiados. Até agora essas nações receberam apenas US$ 1,8 bilhão, enquanto 108 milhões de pessoas deixarão de ser atendidas. Ao mesmo tempo em que os preços dos alimentos aumentaram no último ano, uma em cada seis pessoas precisa de comida com urgência, de acordo com Sheeran. “Não há nada mais básico do que comida. Se as pessoas não a têm, uma das três coisas acontece: elas se revoltam, elas migram ou elas morrem”, problematizou a secretária.

    Reportagem do jornal Folha de S. Paulo apontou outros dois fatores que influenciaram a crise dos alimentos. Um deles é o aumento do preço do petróleo, cujos derivados são usados nos cultivos, em máquinas e fertilizantes, e no transporte dos alimentos. O outro é o desvio de parte da produção agrícola para a de biocombustíveis. Com isso, a oferta de produtos como o milho, que é usado para a produção de álcool nos EUA, ou a cana-de-açúcar, de onde se extrai o álcool no Brasil, diminui ainda mais e seu preço é valorizado.
    (http://www.planeta-inteligente.com/page/article/id/45/Alimentao-em-risco

    Cidade Administrativa ganha portal na internet

    O Governo de Minas oferece à população um canal permanente de informações sobre a nova sede da administração estadual: o Portal Cidade Administrativa. No endereço www.cidadeadministrativa.mg.gov.br, servidores e cidadãos em geral poderão acompanhar as principais informações sobre o empreendimento, que estará totalmente pronto no 1º semestre de 2010.

    No Portal é possível conhecer todos os benefícios que a nova sede irá proporcionar: a funcionalidade de reunir 18 secretarias e 25 órgãos públicos em um mesmo local, tornando a máquina administrativa mais eficiente; a moderna infraestrutura à disposição dos funcionários, que terão mais conforto com a integração de ambientes, mobiliário ergonômico e tecnologia de última geração e transporte exclusivo até o local. Informações, também, sobre a economia gerada pela redução de custos operacionais, como aluguéis, telecomunicações, transporte, água e energia, entre outros.

    O Portal traz ainda notícias sobre o relacionamento com a comunidade do entorno, que será beneficiada com melhorias na infraestrutura, e o estímulo ao desenvolvimento econômico da Região Norte, com a atração de novos investimentos. É possível ainda acessar links para portais do governo, além das últimas notícias, galeria de fotos, vídeos sobre a evolução da obra, números e outras curiosidades. Na seção “Fale Conosco”, o cidadão poderá interagir com o Governo, enviando sugestões e dúvidas ou solicitando esclarecimentos.

    Há ainda informações sobre os programas socioambioentais desenvolvidos na região e sobre o Parque Estadual Serra Verde, localizado no entorno da Cidade Administrativa – uma área rica em nascentes, animais e espécies vegetais. O parque, o segundo maior da Região Metropolitana, será entregue à população no final de 2009.

    Com o Portal, o cidadão terá acesso às informações atualizadas sobre a Cidade Administrativa, um projeto que cria um novo eixo de desenvolvimento na Região Metropolitana.

    sábado, 29 de agosto de 2009

    Praça ATIVA 2009 têm início nesse domingo, 30/08



    sexta-feira, 28 de agosto de 2009

    Lançamento do Projeto Rede de Saberes - 28/08 - Paraiba

    Projeto Rede de Saberes tem lançamento dia 28 de Agosto na Paraíba

    O Projeto Rede de Saberes, que reúne escola pública e ONGs da região do Mangabeira, em João Pessoa, será lançado neste dia 28 de agosto, sexta-feira, na capital da Paraíba. O lançamento acontece na Escola Municipal Zumbi dos Palmares (Rua Rita Xavier de Oliveira, s/n, Mangabeira VI, João Pessoa).

    Rede de Saberes é um dos seis projetos que serão desenvolvidos na Paraíba, entre o segundo semestre de 2009 e o ano de 2010, como parte da Terceira Edição do Programa pela Educação em Tempo Integral, do Fundo Juntos pela Educação.

    O Programa pela Educação em Tempo Integral é a primeira iniciativa do Fundo Juntos pela Educação, constituído em 2004 por Instituto Arcor Brasil, Instituto C&A e VITAE. O Programa, que tem apoio técnico da Fundação FEAC (Federação das Entidades Assistenciais de Campinas), objetiva a criação e/ou fortalecimento de espaços locais de aprendizagem, muito além dos muros dos prédios escolares, e voltados à educação integral de crianças e adolescentes. O propósito é que os jovens tenham atividades educacionais o tempo todo, oferecidas por redes formadas entre escolas, bibliotecas, entidades e outros ativos das comunidades.

    Estão envolvidas nos seis projetos da Paraíba cerca de 50 organizações. O Projeto Rede de Saberes é integrado pela Escola Zumbi dos Palmares, Aldeias Infantis SOS, Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na Paraíba, Ação Fraternal de Educação Integrada (AFEI) e Centro de Referência da Juventude Ylton Veloso Filho.

    Na mesma oportunidade do lançamento do Projeto Rede de Saberes, neste dia 28 de agosto, serão entregues os prêmios do Concurso de Redação Zumbi dos Palmares, símbolo da luta contra a discriminação racial. A iniciativa é da Bamidelê, junto a estudantes da Escola Zumbi dos Palmares.

    Mais informações:
    Fundo Juntos pela Educação – www.juntospelaeducacao.com.br
    José Pedro Soares Martins – Consultor de Comunicação
    (19) 8206.1867 –
    josepmartins@uol.com.br

    quinta-feira, 27 de agosto de 2009

    Lançamento O Senso Religioso na UFMG

    Lançamento O Senso Religioso na UFMG


    Clique na imagem

    Lembrete - II Seminário de Fé e Política

    Movimento Mineiro de Fé e Política
    II Seminário Estadual
    “Cuidar da Vida: espiritualidade, Ecologia e Economia”
    12 de Setembro de 2009 – Belo Horizonte – Minas Gerais
    Escola Sindical 7 de Outubro – Rua Nascimento 101 Barreiro – BH/MG
    Rumo ao 7º Encontro Nacional de Fé e Política

    Ecologia e Economia tem a mesma raiz grega. Ecologia é cuidar da casa. Economia é administrar a casa. A nossa “casa” comum está sendo devastada, poluída, exaurida. Refazer a “casa” é uma questão política e um “ministério” da fé.
    A discussão acerca da preservação do meio ambiente, os cuidados com a natureza, a qualidade de vida dos povos e o futuro da humanidade estão no centro dos debates.
    Há uma crise econômica atravessando o mundo, com graves conseqüências. Há também uma crise de projetos e de valores.
    Por outro lado, há também Esperança que nasce dos movimentos sociais e do surgimento de novas formas de luta, provocando e exigindo a reflexão acerca de projetos alternativos de um ‘outro mundo possível’.
    Para nós, militantes da Fé, da Vida e da Esperança, é importante aproveitar este momento emergente de “crises” e repensar nossa militância e engajamento.
    Neste sentido, como forma de preparação, aquecimento para nosso 7º Encontro Nacional de Fé e Política, em 28 e 29 de Novembro deste ano, na cidade de Ipatinga, Minas Gerais, o Movimento Mineiro de Fé e Política realiza seu IIº Seminário Estadual.
    O Movimento de Fé e Política é ecumênico, não confessional e supra-partidário.
    Seus participantes atuam em movimentos sociais, pastorais, organizações populares ou partidos políticos; assumem a causa dos pobres, dos oprimidos e dos excluídos; conferem prioridade à conscientização e organização popular; recusam a manipulação das bases. Reafirmam como valores fundamentais para o ser humano a solidariedade, a cooperação e o direito de todos à vida em plenitude. Comprometem-se com o exercício da cidadania ativa e a construção de uma sociedade socialista, democrática, plural e planetária.
    Nosso Movimento Mineiro de Fé e Política encontra-se hoje espalhado em várias cidades do Estado.
    De forma plural, quer propiciar aos cristãos engajados na política, como detentores de mandatos ou não, militantes de movimentos sociais ou cidadãos comprometidos com a transformação da realidade, um espaço de reflexão de suas atividades à luz da fé, dos valores evangélicos e dos desafios de uma realidade marcada pela crescente pobreza e exclusão.
    Somos um grupo articulador no estado, formado por militantes, voluntários, que se dedicam a organizar momentos comuns e atividades específicas.
    Por isso, convidamos você a participar e nos ajudar a divulgar nosso IIº Seminário Estadual.
    As inscrições serão feitas por email, preenchendo-se a ficha em anexo e enviando para fepoliticamg@hotmail.com até o dia 08 de Setembro.
    Visite também nossa página: www.fepoliticamg.org.br. Inscrições abertas para o Encontro Nacional.

    Márcia Sacramento
    Movimento Mineiro de Fé e Política
    Articuladora Estadual
    marciasacramento@terra.com.br
    (31) 9953 9751 / (31) 8861 1359

    Programa:
    Local: Escola Sindical 7 de Outubro
    Rua Nascimento 101 – Barreiro – Belo Horizonte – Minas Gerais
    Horário: 8:00h às 18:00h
    Objetivo: Proporcionar reflexão em torno do tema do 7º Encontro Nacional de Fé e Política, ajudando na mobilização e preparação estadual dos militantes do Movimento de Fé e Política em Minas Gerais.
    Participantes/Convidados: Pessoas que, a partir de sua Fé, estejam participando de Grupos de Fé e Política, Fóruns de discussão social e política, Pastorais Sociais, Sindicatos, Movimentos Populares, exercendo ou assessorando mandatos legislativos, executivos, ou movimentos sociais, enfim, pessoas que se interessem pelo tema e pela relação entre Fé e Política.

    Pauta:
    7:30h – Credenciamento
    7:40 h – Café da Manhã
    8:30h – Abertura
    Mística da Militância
    9:10h – “Cuidar da Vida: Espiritualidade, Ecologia e Economia”
    Selvino Heck (Membro da Coordenação Nacional do Movimento Fé e
    Política – Assessor Especial do Presidente Lula)
    Coordenação: Geralda Dilene Ribeiro dos Santos – Ipatinga – MG
    9:40h – Comentários – reações da plenária
    10:20h – “Cuidando de Vidas: desdobramentos”
    Coordenação: Fernando Tadeu David – Juiz de Fora – MG
    “Cuidar da Vida: Espiritualidade”
    Jaider Batista da Silva
    Jornalista, teólogo, mestre em Educação, doutorando em teologia e diretor do Instituto Metodista Izabela Hendrix.
    10:50h – “Cuidar da Vida: Ecologia”
    Ana Mansoldo – Psicóloga, educadora ambiental , analista de programas comunitários na COPASA
    11:20h – “Cuidar da Vida: Economia”
    Professor Robson dos Santos Marques – Economista e professor da PUC Minas, indicado pelo Núcleo de Estudos Sóciopolíticos (NesP).
    11:50h – Comentários – reações da plenária
    12:30h – Almoço
    14:00h – Apresentação Cultural
    Artistas da APAE – Belo Horizonte – Minas Gerais
    14:30h – “Cuidar da Vida: Repensar a Militância e o Engajamento”
    Profetismo no exercício da militância
    Ética do Convívio
    Direitos Humanos na perspectiva do Cuidado
    - Márcia Sacramento – Movimento Mineiro de Fé e Política
    - Carlos Magno - Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual (Cellos)
    - Dr. Fernando Antonio Fagundes Reis – Promotor de Justiça –
    Coordenador da Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Social do Ministério Público do Estado de Minas Gerais
    Coordenação: Cássia Vieira de Melo – Belo Horizonte – MG
    16:00h – Café – Intervalo
    16:20 h – Comentários – reações da plenária
    17:30h – Envio Ecumênico
    18:00h – Encerramento

    Ficha de Inscrição

    Dados Pessoais:

    Nome completo:
    Idade:
    Escolaridade:
    C.I.:
    CPF:
    Possui alguma dessas deficiências:
    ( ) Auditiva
    ( ) Visual
    ( ) Mobilidade reduzida
    Endereço completo:
    Endereço:
    Bairro:
    Cidade:
    Estado:
    CEP:
    Dados para contato:
    Email:
    Telefone residencial:
    Telefone celular:
    Outras informações:
    Participa de alguma entidade:
    Igreja, Pastoral, Movimento ou outro grupo? Qual?
    Hospedagem:
    Vai se hospedar na escola Sindical
    ( ) Sim
    ( ) Não
    Chega que dia:
    Horário:
    Valor da Inscrição:
    ( ) R$ 30,00 (trinta reais) Sem hospedagem (café da manhã, almoço e café da tarde)
    ( ) R$ 50,00 (cinqüenta reais) Com hospedagem (jantar, café da manhã, almoço e café da tarde)
    Efetuar depósito bancário em favor de:
    Escola Sindical 7 de Outubro
    Banco: Caixa Econômica Federal
    Operação: 003
    Agência: 0082
    Conta Corrente: 540145-5
    Observação: Favor guardar comprovante de depósito para apresentar no ato de credenciamento.
    Enviar a ficha de Inscrição preenchida para o email:
    fepoliticamg@hotmail.com
    Informe a data em que efetuou o depósito.

    Mapa Escola Sindical.ppt

    Belo Horizonte Music Station 2009

    Belo Horizonte Music Station 2009 de novo nos trilhos

    O projeto, que mexe com o imaginário dos artistas, mescla shows nas estações do metrô de Belo Horizonte e performances de artistas populares nos vagões e nos corredores que dão acesso aos trens. O resultado é um alto astral que contamina músicos e público nas madrugadas da capital mineira.

    Belo Horizonte, agosto de 2009 – Quem se apresenta quer voltar sempre. Quem foi sondado e não pôde aceitar, devido a conflito de agenda, fica frustrado e pede para ser convidado no ano seguinte. Quem assiste, lamenta que dure tão pouco e que tenha apenas uma vez por ano. O Belo Horizonte Music Station é um projeto singular no emaranhado de shows e apresentações nas noites da cidade. Outra característica que o diferencia dos demais é a sua programação eclética. Com três palcos armados nas estações Santa Inês, Minas Shopping e Vilarinho - vagões e plataformas de embarque que abrigam performances de artistas variados, circo, dança, música eletrônica e poesia -, o Belo Horizonte Music Station conta com um público variado.

    Atraídos por estilos que vão do rock ao samba, do pop ao soul, derramando no mangue beat ou na bossa nova, jovens, coroas ou senhoras e senhores se misturam numa viagem musical e artística, sem aquela mesmice de visual e linguajar únicos, comuns em shows tradicionais. Na mistura todos se sentem confortáveis, pois embora pertençam a faixa etária, estilo e visual diferentes, há um vínculo que os unem de forma indelével: a música, a arte e a diversão.

    Adjetivos como ousado, criativo, inusitado, surpreendente são comuns na avaliação de quem participou do evento, seja artista ou público. Chico Amaral, o quinto Skank, por exemplo, disse que já tinha visto músicos tocando no metrô, mas banda só em BH. “É muito bacana. Você pega um público itinerante, animado, sendo despejado pelo trem. É uma coisa muito alegre”, concluiu. Marina Machado também comunga com Chico. “E um espaço não convencional. Quando estou fora de Minas ou do Brasil e falo sobre o Music Station, as pessoas babam”.

    Para Érica Navarro, 22 anos, publicitária, “a volta do Belo Horizonte Music Station foi, sem dúvida, um dos eventos mais marcantes que nossa cidade já realizou. Nós belo-horizontinos, que não estamos muito acostumados com esse tipo de intervenção cultural, nos deparamos com um evento diferente e ultra organizado, ultrapassando as expectativas. Além dos excelentes shows, os eventos extra-palco também mereceram grande destaque, pois agitava os vagões do metrô enquanto a galera ia de uma estação para a outra. Não havia quem ficasse parado ou não cantasse junto. Não vejo a hora de acontecer a próxima edição!” A dona de casa Zaine Fontes de Pádua,60, disse que adorou o BH Music Station. “Achei a ideia fantástica, nunca imaginei em ir a um evento com essa estrutura. Tudo foi muito bem organizado e muito seguro. As atrações musicais foram bem selecionadas. Espero que tenha mais artistas famosos na próxima edição. As viagens de metrô até as estações eram animadas e o público estava sempre alegre. Achei um espetáculo!”. Marcus César, integrante do grupo carioca Fino Coletivo também engrossa o coro. “É muito legal participar de um evento como esse, de vanguarda, onde tem várias bandas tocando. As pessoas pagam o preço de um show, assistem vários e participam de outros tantos. Para nós, uma banda independente, fazer parte desse show é muito prazeroso”.

    Versão 2009

    Para a edição deste ano, a Nó de Rosa, produtora do evento, caprichou na escolha dos artistas. Segundo Denio Albertini, foi difícil montar a programação, uma vez que os artistas consultados tinham uma agenda cheia. Mas como era para tocar no Belo Horizonte Music Station, eles acabaram dando um jeitinho. “Até nisso o evento ajuda. Os artistas se sentem estimulados a se apresentarem aqui. E não é só isso. O astral da cidade e do público contribuem muito para a receita ficar boa”, revela.

    O Belo Horizonte Music Station 2009 terá madrugadas. Nos dias 19 e 26 de setembro e no dia 03 de outubro. Confira a programação abaixo.

    Programação

    19 de setembro
    Palco Santa Inês
    00h15 – Vanguart
    Palco Minas Shopping
    00h15 – Macaco Bong
    Palco Vilarinho
    00h30 – Lenine
    2h – Cordel do Fogo Encantado

    26 de setembro
    Palco Santa Inês
    00h15 – Nasi
    Palco Minas Shopping
    00h15 – Forgotten Boys
    Palco Vilarinho
    00h30 – Diogo Nogueira
    2h – Mart'nália

    3 de outubro
    Palco Santa Inês
    00h15 – Funk Como Le Gusta
    Palco Minas Shopping
    00h15 – Curumin
    Palco Vilarinho
    00h30 – Zeca Baleiro
    2h – Orquestra Imperial
    Data: 19 e 26 de setembro e 3 de outubro
    Horário dos shows: 00h15

    Local: Estações do Metrô de Belo Horizonte – Central, Santa Inês, Minas Shopping e Vilarinho. Entrada obrigatória pela Estação Central – Praça da Estação, Centro, BH/MG
    Portões abertos às 23h30.
    Ingressos: R$ 80,00 inteira e R$ 40,00 meia-entrada – Ingressos limitados por noite
    Vendas de ingressos: Ticketmaster – Livraria Leitura(Savassi e BH Shopping) e bilheteria Chevrolet Hall – 0300.7896846
    Informações: (31) 3264-2423
    www.bhmusicstation.com.br
    www.twitter.com/bhmusicstation
    http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=92324781

    :: Bruno Grossi ::
    Ilustração, Cultura & Arte
    Ilustração
    www.ilustradorbrunogrossi.blogspot.com
    Convites Ilustrados e Personalizados
    www.turadinhas.com
    Criação
    www.caoxadrez.com
    Revista Cultural
    www.notaindependente.com.br
    Rádio
    www.programatrilhasdeminas.blogspot.com
    Associado à ABIPRO - Associação Brasileira dos Ilustradores Profissionais
    E-mail:
    brunogrossi.arte@gmail.com
    MSN:
    brugrossi@hotmail.com
    SKYPE: b.grossi

    quarta-feira, 26 de agosto de 2009

    Dia Mundial da Alimentação 2009

    Dia Mundial da Alimentação 2009: "Alcançar a Segurança Alimentar em Época de Crise"

    O tema escolhido pela FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) para o Dia Mundial da Alimentação deste ano é "Alcançar a Segurança Alimentar em Época de Crise". Com este tema, a FAO pretende estimular uma reflexão a respeito do quadro atual da insegurança alimentar mundial.

    O número de famintos teve um incremento recente de 105 milhões, passando a alcançar 1 bilhão de pessoas em todo o mundo, segundo a FAO. "Preocupa sobremaneira a FAO o fato de que as crises dos preços do petróleo, da alta dos preços dos alimentos e a crise econômico-financeira atingem de forma bastante acentuada a agricultura familiar, onde trabalham e vivem cerca de 70% dos famintos e desnutridos do mundo", diz o embaixador brasileiro José Antônio Marcondes de Carvalho, representante permanente junto À FAO

    Os pontos centrais de reflexão sobre o Dia Mundial da Alimentação 2009 deverão ser a proteção aos mais vulneráveis e o aumento dos investimentos na agricultura. "Reverter o quadro atual requer não apenas o reconhecimento da gravidade da situação, mas também um decisivo esforço mundial para solucioná-la", prevê o embaixador.

    No Brasil, a Semana Mundial de Alimentação, de 11 a 17 de outubro, deverá ter uma vasta programação nacional. Assim como acontece todos os anos, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), órgãos públicos e entidades parceiras participarão de inúmeros eventos pelo país.

    Neste ano, uma das metas do Consea é ver aprovada no Congresso Nacional a PEC 047/2003, que inclui a alimentação entre os direitos sociais de todos os brasileiros. A PEC já foi aprovada pelo Senado e tramita na Câmara, onde está sendo analisada por uma Comissão Especial.

    Fonte: Com informações do Itamaraty

    Convite Dia do Nutricionista

    A Comissão de Participação Popular da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, tem a honra de convidá-los para audiência pública no dia 31 de Agosto, às 13:30h, no auditório da ALMG, em Homenagem ao Dia do Nutricionista, com o tema: "A situação da nutrição no Brasil e o papel do nutricionista neste contexto",.

    Participarão desta audiência representantes do Conselho Regional de Nutricionistas de Minas Gerais, do Conselho Federal de Nutricionistas e da Associação Brasileira de Nutrição. O objetivo desta audiência é homenagear, através do Conselho Regional, todos os nutricionistas pelo papel estratético que cumprem na garantia pelo direito humano à alimentação adequada, na luta pela soberania alimentar e segurança alimentar, como também debater sobre essas temáticas em Minas Gerais e no Brasil.

    Contamos com a presença de todos e todas!
    Darklane Rodrigues
    assessora dep. André Quintão
    Presidente da Comissão de Participação Popular e
    Representante da ALMG no CONSEA/MG

    Darklane Rodrigues
    Assessoria Institucional
    Visite nosso site:
    www.andrequintao.com.br
    Telefone: (31) 2108.5170

    Fórum Mineiro de Soberania e Segurança Alimentar Nutricional

    Fórum Mineiro de Soberania e Segurança Alimentar Nutricional

    Primeiramente agradecemos a participação e acolhida ao nosso convite para o encontro do dia 10 de agosto e compartilhar a nossa alegria com a presença de todos e todas.

    De certa forma percebemos que a avaliação feita em conjunto nos deu mais clareza do quanto é complexa e diversificada a temática da segurança alimentar, no tocante a sua capilaridade e transversalidade, envolvendo outros campos e movimentos, possibilitando e se constituindo num elemento aglutinador e integrador de nossas lutas e ações.

    Neste sentido, e conforme encaminhamento dado no dia 10 de agosto, vimos convidar sua entidade para continuarmos o debate e a retomada do Fórum Mineiro de Segurança Alimentar e Nutricional no dia 01 de setembro de 2009 – terça-feira, das 9h às 18h, na Rua Padre Marinho, 455 - Pilotis Santa Efigênia - (esquina com Av. Brasil), no espaço oferecido pelo grupo de economia solidária.

    A proposta para o dia é a seguinte:

    9:00 - Acolhida
    9:30 - Debate: “De qual segurança e soberania alimentar estamos falando? ” com Débora Del Guerra Marcha Mundial das Mulheres.
    10:30 – Intervalo
    10:45 – Grupos – responderem:
    - Quais os inimigos da soberania e segurança alimentar em MG?
    - Que pautas da soberania e segurança alimentar são importantes para MG?
    12:00 - Almoço
    14:00 – Linha do tempo – FMSANS – Rodrigo – Cáritas.
    14:30 Reforçando e retomando os pontos levantados no dia 10/08.
    15:30 – Intervalo
    15:45 - É importante a retomada do FMSANS? Qual estrutura e formato?
    17:00 – Encaminhamentos
    18:00 – Encerramento.

    Sua presença será muito importante para consolidarmos e conseguirmos vencer mais este desafio.

    P/Comissão Provisória de Rearticulação do FMSSAN

    Cáritas Brasileira – Regional Minas Gerais
    Conselho Regional de Nutricionistas
    Rede de Educação Cidadã - MG
    Rede de Intercâmbio de Tecnologias Alternativas

    terça-feira, 25 de agosto de 2009

    Livro “Momentos e Lembranças” será lançado na Leitura Pátio (26/8)

    Livro “Momentos e Lembranças” será lançado na Leitura Pátio (26/8)

    Momentos guardados na memória são sinônimos de experiências e lições aprendidas durante a vida. Aprendizagem que, transmitida para outros, podem servir como conselho e guia, para orientar como se deve agir em determinada situação.

    Com o objetivo de registrar estes momentos especiais de sua vida, o sociólogo e escritor, Paulo Roberto de Souza Lima, escreveu o livro “Momentos e Lembranças”, que será lançado na Livraria Leitura Pátio Megastore (Av. Contorno, 6061, 3º andar - Savassi), dia 26 de agosto (quarta-feira), às 19h.

    Um livro de contos escrito de forma leve, porém consistente, que relata as experiências vividas e guardadas na memória. “Este livro é uma literatura recomendada para jovens e adultos, e reflete um olhar introspectivo e projetivo sobre momentos significativos da minha vida e das lembranças que deles guardo”, diz o autor.

    Em “Momentos e Lembranças”, os contos estão organizados por temas importantes para o sociólogo. Na primeira parte, “Contos do Aprendizado”, são relatados os momentos de iniciação ao exercício de escrever ficção. Na segunda, “Contos das minhas andanças”, são descritas observações dos diversos lugares que percorreu como Rio, Salvador, Tiradentes, Rezende Costa e Brasília. Na terceira e última parte, “Contos dos meus sonhos”, são recordações mais recentes, decorrentes e inspiradas pelo desenvolvimento espiritual e mediúnico do autor.

    Nos contos, os leitores vão encontrar lembranças com conteúdo marcado pelo simbolismo das percepções afetivas, psíquicas, espirituais e éticas que Paulo Roberto construiu desde sua infância, em Montes Claros (MG), na juventude em Belo Horizonte e, agora adulto, em diversos países das Américas e Europa.

    Paulo Roberto de Souza Lima é sociólogo e escritor. Atuou como professor e pesquisador da Faculdade de Educação da UFMG, Fundação João Pinheiro, Fundação Dom Cabral e Escola de Saúde Publicam/FUNED.

    Agenda:
    Lançamento: “Momentos e Lembranças” de Paulo Roberto de Souza Lima.
    Data: 26 de agosto (quarta-feira) // Horário: 19h
    Local: Espaço Cultural Terraço Leitura (Leitura Pátio Megastore – Av. do Contorno, 6061 - 3º andar – Savassi) // Entrada Franca

    Informações para a imprensa:
    Ampla Soluções em Comunicação: Liège Camargos e Marianna Moreira
    (31) 3221-9241 / 3225-1116 / 8899-0353
    ampla@amplacomunicacao.com.br

    Agosto/2009

    Rachel Wardi Lopez
    Ampla Soluções em Comunicação
    Rua dos Otoni, 22 / sala 603 - Santa Efigênia
    (31) 3225-1116 - (31) 3221-9241 - (31) 8854-2425
    rachel@amplacomunicacao.com.br

    Premio ODM - Minas Gerais

    Seminário Regularização Fundiária Urbana no Brasil

    Seminário Regularização Fundiária Urbana no Brasil
    Brasília (DF), 19 a 21/10/2009

    O Ministérios das Cidades, por meio das Secretarias Nacionais de Programas Urbanos – SNPU e de Habitação - SNH, em parceria com a Caixa Econômica Federal realizará em outubro o Seminário de Regularização

    Fundiária Urbana no Brasil, com o objetivo de aprofundar o conhecimento, discutir e avaliar as experiências de regularização fundiária urbana de interesse social realizadas em todo o território nacional nos últimos anos.

    O Seminário se constituirá em um espaço propício à busca de soluções inovadoras e eficazes para superação dos obstáculos enfrentados hoje nos processos de regularização fundiária urbana.

    Local: Brasília ( O local será informado por ocasião da Inscrição)
    Data: 19 a 21 de Outubro
    Inscrições: A partir de 1º de Setembro , pelo site http://www.cidades.gov.br/

    Programação

    19/10/09
    17h00 às 18h00 Credenciamento
    18h00 às 18h30 Abertura Solene
    18h30 às 20h00 Palestra: A importância da Regularização Fundiária Urbana
    20h00 Coquetel de Abertura

    20/10/09
    9h às 10h40 -
    Grupos Temáticos
    - Aspectos ambientais
    - Participação Social
    - Políticas / Plano Diretor / Programas
    - Amazônia e terras da União
    10h40 às 11h - Coffee-break
    11h00 às 12h00 -
    Grupos Temáticos
    - Aspectos ambientais
    - Participação Social
    - Políticas / Plano Diretor / Programas
    - Amazônia e terras da União
    12h às 13h - Debates em todos os grupos temáticos
    13h às 14h30 - Almoço
    14h30 às 16h - Palestra: Lei nº 11.977/2009 – Lei Nacional de Regularização Fundiária
    16h às 16h15 -
    Coffee-break
    16h15 às 17h30 - Debates

    21/10/09

    9h às 10h20 - Grupos Temáticos
    - Aspectos registrais
    - PAC
    - Implementação dos instrumentos
    - Aspectos urbanísticos
    10h20 às 10h40 -
    Coffee-break
    10h40 às 11h00 - Grupos Temáticos
    - Aspectos registrais
    - PAC
    - Implementação dos instrumentos
    - Aspectos urbanísticos
    11h00 às 12h00 - Debates em todos os grupos
    12h às 13h30 - Almoço
    13h30 às 15h - Palestra: Regularização Fundiária Urbana de Interesse Social e Novos Instrumentos: Demarcação Urbanística e Legitimação De Posse
    15h às 16h - Debates
    16h às 16h15
    - Coffee-break
    16h15 às 17h30 - Palestra de Encerramento: Os Desafios da Regularização Fundiária Urbana

    Secretaria Nacional de Programas Urbanos
    Programas
    Biblioteca
    Legislação

    Walkabout Kids - aprendizado no Outback

    Diversão e aprendizado no Outback

    Aprender inglês de maneira diferente e criativa, além de conhecer a cultura e a culinária australiana sem sair de Belo Horizonte. Esta é a proposta do Outback Steakhouse do Pátio Savassi e escolas de inglês da capital, por meio do Walkabout Kids.

    Iniciativa do Outback, o programa proporciona aos estudantes de inglês, de até 13 anos, que vivam uma tarde tipicamente australiana no restaurante. Curiosidades e informações sobre a cultura da região são ensinadas em inglês e até os elementos da decoração ganham espaço para discussão. No fim, todos participam da degustação de um dos pratos do cardápio, especialmente elaborado para a garotada, o Joey Menu.

    Para Jaqueline Caldeira, sócia-proprietária do Outback Pátio Savassi, o Walkabout Kids é uma maneira de o restaurante contribuir com o desenvolvimento cultural das crianças. "Nossa parceria começou com apenas uma escola de inglês. O sucesso foi tanto que decidimos abrir espaço para outras escolas", comemora Jaqueline, após o balanço positivo do programa, que teve início no primeiro semestre deste ano.

    As instituições de ensino que desejarem participar do Walkabout Kids devem entrar em contato com o Outback Steakhouse pelo telefone: (31) 3288-3768.

    Informações para a Imprensa:
    Hipertexto Consultoria e Assessoria de Imprensa
    Tel: 31.3227.4566 / 3223.5137 / 9404.0102 / 9404.0123
    Jornalista responsável: Cilene Impelizieri
    hipertexto@hipertextoweb.com.br
    www.twitter.com/hipertextoweb

    Belo Horizonte Music Station 2009

    Belo Horizonte Music Station 2009 de novo nos trilhos

    O projeto, que mexe com o imaginário dos artistas, mescla shows nas estações do metrô de Belo Horizonte e performances de artistas populares nos vagões e nos corredores que dão acesso aos trens. O resultado é um alto astral que contamina músicos e público nas madrugadas da capital mineira.


    Belo Horizonte, agosto de 2009 – Quem se apresenta quer voltar sempre. Quem foi sondado e não pôde aceitar, devido a conflito de agenda, fica frustrado e pede para ser convidado no ano seguinte. Quem assiste, lamenta que dure tão pouco e que tenha apenas uma vez por ano. O Belo Horizonte Music Station é um projeto singular no emaranhado de shows e apresentações nas noites da cidade. Outra característica que o diferencia dos demais é a sua programação eclética. Com três palcos armados nas estações Santa Inês, Minas Shopping e Vilarinho - vagões e plataformas de embarque que abrigam performances de artistas variados, circo, dança, música eletrônica e poesia -, o Belo Horizonte Music Station conta com um público variado.

    Atraídos por estilos que vão do rock ao samba, do pop ao soul, derramando no mangue beat ou na bossa nova, jovens, coroas ou senhoras e senhores se misturam numa viagem musical e artística, sem aquela mesmice de visual e linguajar únicos, comuns em shows tradicionais. Na mistura todos se sentem confortáveis, pois embora pertençam a faixa etária, estilo e visual diferentes, há um vínculo que os unem de forma indelével: a música, a arte e a diversão.

    Adjetivos como ousado, criativo, inusitado, surpreendente são comuns na avaliação de quem participou do evento, seja artista ou público. Chico Amaral, o quinto Skank, por exemplo, disse que já tinha visto músicos tocando no metrô, mas banda só em BH. “É muito bacana. Você pega um público itinerante, animado, sendo despejado pelo trem. É uma coisa muito alegre”, concluiu. Marina Machado também comunga com Chico. “E um espaço não convencional. Quando estou fora de Minas ou do Brasil e falo sobre o Music Station, as pessoas babam”.

    Para Érica Navarro, 22 anos, publicitária, “a volta do Belo Horizonte Music Station foi, sem dúvida, um dos eventos mais marcantes que nossa cidade já realizou. Nós belo-horizontinos, que não estamos muito acostumados com esse tipo de intervenção cultural, nos deparamos com um evento diferente e ultra organizado, ultrapassando as expectativas. Além dos excelentes shows, os eventos extra-palco também mereceram grande destaque, pois agitava os vagões do metrô enquanto a galera ia de uma estação para a outra. Não havia quem ficasse parado ou não cantasse junto. Não vejo a hora de acontecer a próxima edição!” A dona de casa Zaine Fontes de Pádua,60, disse que adorou o BH Music Station. “Achei a ideia fantástica, nunca imaginei em ir a um evento com essa estrutura. Tudo foi muito bem organizado e muito seguro. As atrações musicais foram bem selecionadas. Espero que tenha mais artistas famosos na próxima edição. As viagens de metrô até as estações eram animadas e o público estava sempre alegre. Achei um espetáculo!”. Marcus César, integrante do grupo carioca Fino Coletivo também engrossa o coro. “É muito legal participar de um evento como esse, de vanguarda, onde tem várias bandas tocando. As pessoas pagam o preço de um show, assistem vários e participam de outros tantos. Para nós, uma banda independente, fazer parte desse show é muito prazeroso”.

    Versão 2009

    Para a edição deste ano, a Nó de Rosa, produtora do evento, caprichou na escolha dos artistas. Segundo Denio Albertini, foi difícil montar a programação, uma vez que os artistas consultados tinham uma agenda cheia. Mas como era para tocar no Belo Horizonte Music Station, eles acabaram dando um jeitinho. “Até nisso o evento ajuda. Os artistas se sentem estimulados a se apresentarem aqui. E não é só isso. O astral da cidade e do público contribuem muito para a receita ficar boa”, revela.

    O Belo Horizonte Music Station 2009 terá madrugadas. Nos dias 19 e 26 de setembro e no dia 03 de outubro. Confira a programação abaixo.

    Programação

    19 de setembro
    Palco Santa Inês
    00h15 – Vanguart
    Palco Minas Shopping
    00h15 – Macaco Bong
    Palco Vilarinho
    00h30 – Lenine
    2h – Cordel do Fogo Encantado

    26 de setembro
    Palco Santa Inês
    00h15 – Nasi
    Palco Minas Shopping
    00h15 – Forgotten Boys
    Palco Vilarinho
    00h30 – Diogo Nogueira
    2h – Mart'nália

    3 de outubro
    Palco Santa Inês
    00h15 – Funk Como Le Gusta
    Palco Minas Shopping
    00h15 – Curumin
    Palco Vilarinho
    00h30 – Zeca Baleiro
    2h – Orquestra Imperial
    Data: 19 e 26 de setembro e 3 de outubro
    Horário dos shows: 00h15

    Local: Estações do Metrô de Belo Horizonte – Central, Santa Inês, Minas Shopping e Vilarinho. Entrada obrigatória pela Estação Central – Praça da Estação, Centro, BH/MG
    Portões abertos às 23h30.
    Ingressos: R$ 80,00 inteira e R$ 40,00 meia-entrada – Ingressos limitados por noite
    Vendas de ingressos: Ticketmaster – Livraria Leitura(Savassi e BH Shopping) e bilheteria Chevrolet Hall – 0300.7896846
    Informações: (31) 3264-2423
    http://www.bhmusicstation.com.br/
    www.twitter.com/bhmusicstation
    http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=92324781

    :: Bruno Grossi ::
    Ilustração, Cultura & Arte
    Ilustração http://www.ilustradorbrunogrossi.blogspot.com/
    Convites Ilustrados e Personalizados http://www.turadinhas.com/
    Criação http://www.caoxadrez.com/
    Revista Cultural http://www.notaindependente.com.br/
    Rádio http://www.programatrilhasdeminas.blogspot.com/
    Associado à ABIPRO - Associação Brasileira dos Ilustradores Profissionais
    E-mail: brunogrossi.arte@gmail.com
    MSN: brugrossi@hotmail.com
    SKYPE: b.grossi

    “A Música, a Razão e a Improvisação - Palestra no Pátio Savassi

    André Queiroz participa do Estação Pátio Savassi (29/08)
    O improviso do jazz na música instrumental brasileira

    O músico André Queiroz é o convidado do projeto Estação Pátio Savassi para encerrar o ciclo de debates do mês de agosto com a palestra “A Música, a Razão e a Improvisação”. O encontro será realizado no anfiteatro (piso L2) do Pátio Savassi (Av. do Contorno, 6061 Savassi), a partir das 11h.

    O fio condutor da palestra será a experiência musical de 25 anos atuando como baterista e sua relação com a improvisação. A partir disso, André vai analisar o fenômeno da improvisação na música popular, principalmente através da música instrumental brasileira e do jazz. O público poderá interagir com a palestra a partir dos exemplos que André usará para exemplificar o tema da discussão.


    André Machado Queiroz
    Foto: Fernando Fiúza

    André “Limão” Queiroz iniciou na música aos seis anos de idade, estudando trompete com o próprio pai. Depois veio a percussão e, mais tarde, a bateria. Desde 1985, atua profissionalmente em estúdios e palcos do Brasil e do mundo, acompanhando grandes representantes da música. Em 2006, abraçou a carreira de professor e desde então leciona no curso de Música Popular e de Percussão da Escola de Música da UFMG.

    Sobre o projeto

    Com curadoria da Estação do Saber , o Estação Pátio Savassi, recebe, semanalmente, intelectuais, escritores e profissionais renomados para palestras gratuitas e bate-papos com o público no anfiteatro do shopping.

    Debates online

    Em agosto, o tema das palestras é “Mais além da razão”. Quem quiser dar continuidade ao debate, as discussões sobre as palestras se mantêm no ambiente virtual através do fórum: www.estacaodosaber.art.br ou pelo Twitter (Julia Ramalho Pinto www.twitter.com/arpjulia). No Twitter são postados frases e comentários ao vivo das apresentações. Através desses ambientes, buscam-se redes sociais que discutam temas relativos à cultura.

    Agenda: “Estação Pátio Savassi – Palestra: A Música, a Razão e a Improvisação”
    Data: 29 de agosto de 2009, sábado // Horário: 11h
    Local: Pátio Savassi – Av. do Contorno, 6061 Savassi – Belo Horizonte – MG
    SAC Pátio Savassi: (31) 3263-8500 – www.patiosavassi.com
    Entrada Franca

    Informações para a imprensa:
    Estação do Saber: Ampla Soluções em Comunicação
    Liège Camargos / Rachel Wardi
    (31) 3225-1116/3221-9241/8899-0353
    ampla@amplacomunicacao.com.br
    www.amplacomunicacao.com.br

    Pátio Savassi: Hipertexto Consultoria e Assessoria de Imprensa
    Cilene Impelizieri – (31) 3227-4566/3223-5137
    hipertexto@hipertextoweb.com.br
    www.hipertextoweb.com.br

    Rachel Wardi Lopez
    Ampla Soluções em Comunicação
    Rua dos Otoni, 22 / sala 603 - Santa Efigênia
    (31) 3225-1116 - (31) 3221-9241 - (31) 8854-2425
    rachel@amplacomunicacao.com.br

    segunda-feira, 24 de agosto de 2009

    Anexo segue o folheto de propaganda do curso "Cuidador de Idosos" que a Promovendo irá realizar.

    Quanto ao trabalho de inscrição segue abaixo o roteiro estabelecido para preenchimento das lacunas.

    Dias/Mês Dias/Semana Plantonistas

    24/08 - 2ª feira
    25/08 - 3ª feira - Ângela/Elvira
    26/08 - 4ª feira - Beatriz
    27/08 - 5ª feira
    28/08 - 6ª feira - Ângela/Elvira
    31/08 - 2ª feira
    01/09 - 3ª feira - Ângela/Elvira
    02/09 - 4ª feira - Ângela/Elvira
    03/09 - 5ª feira
    04/09 - 6ª feira

    Para os dias sem plantonistas, estamos aceitando ofertas de disponibilidades.
    Para tal, favor contatar a Carmen no telefone: 3385.2504 ou Wilson: 3361.1260
    Wilson Dias


    Curso-Cuidador-de-Idosos.doc

    CONSEG – Preparando a Etapa Nacional

    Nos próximos dias, de 27 a 30 de agosto, acontece em Brasília a Etapa Nacional da 1ª CONSEG reunindo representantes do governo federal, gestores e trabalhadores da segurança pública e a sociedade civil organizada para a conclusão do debate sobre a construção de um modelo de segurança pública para o Brasil.

    A expectativa do Ministério da Justiça é reunir cerca de três mil participantes. Na pauta, a discussão dos princípios e diretrizes votados nas Etapas Municipais/Estaduais que serão levados a Brasília.

    Para os movimentos sociais e a rede do MNDH conclui-se com a realização da Conferência Nacional um momento extremamente delicado em nossa história, marcado por confrontos, divergências e dificuldades de estabelecer o debate de forma verdadeiramente ampla, democrática e que possa efetivamente transformar os rumos da segurança pública, a partir de nosso olhar.

    Os resultados das Conferências Municipais e Estaduais foram, em sua maioria, conflituosos e demonstram uma correlação de forças bastante desigual no que diz respeito ao poder da sociedade civil e dos movimentos sociais de incidirem decisivamente nos resultados da proposta de construção do novo modelo de segurança pública que o país precisa.

    A iniciativa do Governo Federal de debruçar, de forma inédita, o conjunto da sociedade brasileira sobre um tema tratado até então como prerrogativa do staff da segurança pública esbarra nas contradições do dia a dia, nos episódios de criminalização dos movimentos sociais, dos defensores e defensoras de direitos humanos e na violência causada pela prática da discriminação e a existências das desigualdades sociais.

    A participação da rede MNDH foi até aqui, em todos os estados que intervimos, propositiva, responsável e crítica, reafirmando nossa agenda de lutas, nossas prioridades e reivindicações na área da segurança pública. Mesmo com todas as dificuldades e contradições vivenciadas no processo podemos afirmar que não nos furtamos ao debate.

    Temos delegados e delegadas eleitos/as nas Conferências Estaduais para a CONSEG e nos cabe, nessa etapa final, qualificar nossa intervenção na defesa das propostas que se alinham com nossas reivindicações, garantindo uma atuação destacada.

    Nossa capacidade de articulação deve alcançar nossos parceiros históricos e que durante todo o processo somaram em propostas e no combate às dificuldades e tensões.

    O Fórum de entidades Nacionais de Direitos Humanos (FENDH), a Pastoral Carcerária, o Movimento Negro, Movimento de Mulheres, o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), o Movimento LGBTS, Conselho Federal de Psicologia, as entidades de representação de base dos trabalhadores na segurança pública, entidades não governamentais, dentre outras, são parceiros com os quais podemos somar na defesa da agenda das entidades tradicionais de defesa dos direitos humanos, na defesa da agenda do MNDH para a política de segurança pública do país.

    Por fim, é importante lembrar que os resultados da 1ª Conseg não são de nossa responsabilidade. Nossa responsabilidade é com o dever de pautar nossas reivindicações na luta por uma política de segurança pública voltada para os direitos humanos, pela defesa de uma população violada em seus direitos e em sua dignidade.

    Brasília, 20 de agosto de 2009.
    Gilson Cardoso e Cynthia Pinto da Luz
    p/Coordenação do MNDH e representantes do MNDH na 1ª Conseg

    Audiência pública - Política de Promoção da Igualdade Racial em Minas Gerais - 28 de agosto

    Ministro da Igualdade Racial participa de debate na Assembléia esta semana

    Será realizada nesta sexta-feira, dia 28, às 15 horas, audiência pública da Comissão de Participação Popular para debater a Política de Promoção da Igualdade Racial em Minas Gerais. O encontro contará com a presença do ministro da Igualdade Racial, Edson Santos. Participam da audiência a Subsecretaria de Direitos Humanos da Sedese, o Fórum Intergovernamental de Minas e a Frente Parlamentar de Igualdade Racional da Assembléia. No evento, haverá a entrega oficial dos Termos de Adesão ao Fórum Intergovernamental, subscrito por 80 prefeitos de Minas Gerais.

    Chá no Cinema - 5ª Edição


    Clique na imagem

    sexta-feira, 21 de agosto de 2009

    II Semana Nacional de Comunicação Ambiental da UFRJ || 24 e 25 de Agosto

    Vêm aí a Semana mais Verde da UFRJ

    Nos dias 24 e 25 de Agosto, o campus da UFRJ da Praia Vermelha receberá um evento muito importante, não pela sua magnitude, mas sim pela seriedade do assunto que aborda.

    A II Semana Nacional de Comunicação Ambiental busca, à medida que leva descobertas do âmbito científico para o conhecimento público, tornar evidentes as ferramentas que a comunicação proporciona para a realização de uma gestão socioambiental eficiente e, assim, permitir que a Humanidade se dê conta dos prejuízos que causa a si mesma e aos demais seres vivos, e da necessidade de encontrar meios para amenizá-los e revertê-los.

    Tendo como tema central a necessidade de desenvolvimento de práticas sustentáveis adaptadas à sociedade de consumo em que vivemos, a segunda edição da Semana de Comunicação Ambiental traz questões atuais, abordadas de forma consciente e coerente com a realidade contemporânea.

    Painéis sobre Propaganda & Marketing Verde, Comunicação Ambiental Comunitária e Política e Legislação Ambiental compõem a programação da Semana e prevêem uma contextualização menos ingênua sobre a problemática ambiental, bem como sobre as vertentes econômicas e políticas que a permeiam. Não poderia faltar é claro uma análise profunda sobre a cobertura midiática de todas essas questões, promessa da Conferência O Meio Ambiente na Mídia.

    O evento acontecerá no Salão Moniz de Aragão, campus da Praia Vermelha, Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, com mesas de debate previstas para a parte da manhã e da tarde dos dias 24 e 25. À noite haverá oficinas dinâmicas e interativas sobre Marketing Verde, Jornalismo Ambiental e Comunicação de Risco e Gestão de Catástrofes. O dia 25 conta também com o Café-da-manhã Verde, uma iniciativa do PET-ECO apoiada pela Fundação Xuxa Meneghel. O delicioso e ambientalmente correto lanche será todo feito com base nos princípios do Aproveitamento Máximo. Uma oportunidade para degustar a aprender que existem muitos jeitos de se proteger o Meio Ambiente.

    Cheque toda a programação e se inscreva pelo site
    www.petecoufrj.com/semanaambiental

    Show Aline Calixto em BH - 22/08 21h Music Hall


    Clique na imagem

    quinta-feira, 20 de agosto de 2009

    Minha Escola Cresce - Inscrições até 23/08/09

    Inscrições para Edição 2010 do Programa Minha Escola Cresce terminam dia 23 de Agosto

    Começaram dia 30 de julho, e se estendem até 23 de agosto, as inscrições para as escolas públicas que desejam participar da Sétima Edição, referente a 2010, do Programa Minha Escola Cresce, iniciativa do Instituto Arcor Brasil. Poderão se candidatar escolas públicas de ensino fundamental dos municípios paulistas de Rio das Pedras, Capivari, Mombuca, Rafard, Monte Mor, Piracicaba, Saltinho, Bragança Paulista, Morungaba, Pedra Bela, Pinhalzinho, Tuiuti e Vargem, além de Contagem (MG) e Ipojuca (PE).

    As inscrições poderão ser feitas pelo site do Instituto (www.institutoarcor.org.br ), para as escolas interessadas em participar da oficina de elaboração de projetos, primeira etapa do processo de seleção relativo à edição de 2010 do Programa Minha Escola Cresce. A oficina será realizada em setembro de 2009, e dela poderão participar até dois representantes da escola inscrita.

    O Programa Minha Escola Cresce é realizado desde 2004 pelo Instituto Arcor Brasil. A iniciativa foi adaptada para a realidade brasileira do Programa que foi desenvolvido na Argentina, entre 1996 e 2004, pela Fundação Arcor.

    As escolas selecionadas a participar podem inscrever projetos, elaborados pelas próprias unidades escolares, a partir de suas necessidades e potencialidades, e que sempre levam em consideração o protagonismo dos alunos e a participação de toda a comunidade escolar.

    Nas seis edições já realizadas em território brasileiro, contando a de 2009, já são 124 projetos aprovados, de escolas localizadas em municípios de regiões onde estão instaladas as fábricas da Arcor do Brasil. Dezenas de bibliotecas, hortas escolares e projetos de meio ambiente, música, teatro e artes em geral foram construídos ou viabilizados com o apoio do Instituto Arcor Brasil desde 2004.

    Estão são os requisitos para as escolas de ensino público fundamental dos municípios citados, que desejam participar da Sétima Edição do Programa Minha Escola Cresce: apresentar CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) próprio da escola em nome da
    Associação de Pais e Mestres, Conselho de Escola, Caixa Escolar, etc; participar da Oficina de Elaboração de Projetos; e não ter projeto aprovado na Sexta Edição do Programa Minha Escola Cresce, relativa a 2009.

    Após participarem da Oficina de Elaboração de Projetos, as escolas interessadas formulam e apresentam os seus projetos, que são avaliados por uma equipe de profissionais especializados. Os projetos escolhidos receberão apoio técnico e financeiro do Instituto Arcor Brasil para desenvolvimento ao longo de 2010. Em 2009 estão sendo apoiados 26 projetos.

    Mais informações:
    Instituto Arcor Brasil
    José Pedro Soares Martins – Consultor de Comunicação
    (19) 8206.1867
    imprensa@institutoarcor.org.br
    www.institutoarcor.org.br

    Itabirito Cultural

    Leia no Itabirito Cultural desta semana:
    Cinema, Peça Teatral, Apresentações Musicais e muito mais!


    Clique na imagem

    Convite! Formatura e Feira Solidária da Agricultura Urbana


    Convite para a formatura do Curso de Formação em Agricultura Urbana, realizado pela Rede de Intercâmbio de Tecnologias Alternativas. Vamos comemorar 5 meses de muito aprendizado: a agricultura urbana e suas múltiplas relações com a agroecologia, a reforma urbana, os movimentos sociais, a medicina popular, a soberania e segurança alimentar, a economia popular solidária, as questões de gênero e muitas outras questões.
    O evento acontece no próximo dia 23 de agosto (domingo) a partir das 15h no Centro Mineiro de Referência em Resíduos, que fica à av. Belém, nº40, esquina com av. Andradas, 7000.
    Haverá ônibus saindo da Praça da Estação, às 14h para levar os convidados até o local.
    Participem e ajudem a divulgar! Por favor, repassem o convite para os seus contatos.
    Mais informações: 9222-6125

    Marina Utsch
    www.rede-mg.org.br
    www.colunameioambiente.blogspot.com
    http://twitter.com/marinautsch

    Anfrísio Lima LIMA. Escritor, poeta, político e jornalista de Manga MG.


    Nasceu ainda no tempo do Império, aos 11 dias do mês de fevereiro de 1887, na cidade de Cabrobó - Estado de Pernambuco, sendo seu pai o farmacêutico Domiciano Pastor Ferreira Lima, e sua mãe dona Almerinda Omenídia Gonzaga Lima, de famílias cearenses e pernambucanas.

    Fez o curso primário e o secundário na cidade de Petrolina - Estado de Pernambuco. Transferiu-se para Simplício Mendes, no Piauí, e de lá para São João do Piauí, no mesmo Estado, onde exerceu o magistério público, trabalhou na Justiça Criminal e militou na imprensa local, colaborando com o semanário “A Voz do Sertão”, onde publicou suas primeiras produções poéticas.

    Em 1914, transferiu-se com seus pais para a localidade de Manga no Estado de Minas Gerais, na época, um pequeno burgo.

    Anfrísio Lima, juntamente com os seus irmãos - Domiciano Pastor Filho e Deoclécio Gonzaga Lima, o seu grande amigo, Cel. João Alves Pereira, Chefe local, o seu amigo Cel. Saul Luiz de França, demais amigos e toda a coletividade de Manga, trabalhou pela emancipação político-administrativa do distrito, então pertencente ao município de Januária.

    No dia 7 de setembro de 1923, graças ao esforço conjunto de todos, Manga foi emancipada de Januária e, no dia 24 de outubro do mesmo ano, inaugurada.

    Anfrísio Lima foi então eleito, por unanimidade de votos (fato único na história da política brasileira), o primeiro Presidente da Câmara e Agente Executivo Municipal (cargo que equivale ao de Prefeito atualmente). Exerceu na ditadura “Getúlio Vargas”, o cargo de Prefeito Municipal de Manga por diversas vezes. Foi Diretor-Gerente da Cia. Manga Industrial e Exportadora S/A e trabalhou, até o seu último dia de vida, no escritório de advocacia do Dr. Luís Carneiro Vianna.

    Suas produções literárias constam de várias antologias e coletâneas, como “A Sombra do Arco-Iris” de Malba Tahan e ‘Trovadores do Brasil” de Aparício Fernandes.

    Era delegado da União Brasileira de Trovadores, em Manga

    A vida sentimental e familiar de Anfrísio Lima foi também muito intensa e rica em experiências. Ficou viúvo por três vezes, o que o levou a quatro casamentos. Amou e respeitou profundamente todas as suas esposas, como sói acontecer aos grandes homens.

    Foram suas esposas: Ernestina Parente, Gertrudes Machado, Carmosina Granja e Dalva de Sá França. Teve dezesseis filhos (oito já falecidos), cinqüenta e oito netos e inúmeros bisnetos e tataranetos, espalhados, hoje, por este mundo a fora.

    O “Mestre e Poeta Anfrísio Lima” morreu no dia 02 de agosto de 1973, aos 86 anos, em Manga, cidade que ele adotou, de coração, como a sua verdadeira terra. O seu falecimento causou profundo pesar em todos os manguenses e deixou uma grande lacuna no seu meio social, político e cultural.

    Obras Literárias:

    Sombras (poesias)
    Flagrantes da Vida (poemas)
    Últimas Sombras (poesias e poemas)
    Espinhos de Mandacaru (romance regional)
    Vozes d'Alma (trovas)
    Trovando a Vida (trovas)
    Pauta com o Diabo e Outros Contos (contos regionais)
    O Rio São Francisco (poemas)

    Puroritmo – Festival da Cultura Consciente 2009

    Puroritmo – Festival da Cultura Consciente 2009
    22 e 23 de agosto
    Jardim Botânico de Brasília

    Um novo caminhar em direção a Cultura Consciente em Movimento da Ecolização de Atitudes, celebrar a Vida e Sentir o Puro Ritmo da Existência

    O Puroritmo Festival da Cultura Consciente acontece nos dias 22 e 23 de agosto, no Jardim Botânico de Brasília, uma das maiores Estações Ecológicas do Mundo.

    Durante dois dias serão organizadas áreas de gastronomia natural, Saúde Integral, Feira de Ecoprodutos, Oficinas, Palestras, cinema ambiental, Estandes de Organizações Socioambientais, Shows, DJs e apresentações artísticas e educacionais.

    A abertura do Festival esta marcada para as 9h de Sábado, 22 de agosto, com a presença de Instituições Socioambientais de Brasília e Entorno
    Aguardamos você!


    Serviço:
    O que: Puroritmo – Festival da Cultura Consciente 2009
    Quando: 22 e 23 de agosto de 2009
    Horário: A partir das 9h no sábado e domingo
    Onde: Jardim Botânico de Brasília (SMDB Conjunto 12 Lago Sul)
    Quanto:
    R$ 16 inteira e R$ 8 meia entrada, com carteirinha de estudante ou 1kg de feijão ou farinha de mandioca
    R$ 35 por dia, Antecipado, para participar das oficinas, palestras e entrada - inscrições somente pelo site, até dia 20/08.
    R$ 2 – taxa de visitação diária do Jardim Botânico

    Pontos de venda: A Tribo (105 Norte), Bendito Suco (413 Norte), Greens (302 Norte e 202 Sul) e Loja da Terra (408 Norte)

    Informações e programação completa:
    www.puroritmo.org.br
    Festival: 8117 8356 / 8431 7475 • Oficinas: 9964 2048

    Carta de Marina Silva ao PT

    Senadora Marina Silva
    Foto: Ana Limp



    Brasília, 19 de agosto de 2009

    Caro companheiro Ricardo Berzoini,

    Tornou-se pública nas últimas semanas, tendo sido objeto de conversa fraterna entre nós, a reflexão política em que me encontro há algum tempo e que passou a exigir de mim definições, diante do convite do Partido Verde para uma construção programática capaz de apresentar ao Brasil um projetonacional que expresse os conhecimentos, experiências e propostas voltados para um modelo de desenvolvimento em cujo cerne esteja a sustentabilidade ambiental, social e econômica.

    O que antes era tratado em pequeno círculo de familiares, amigos e companheiros de trajetória política, foi muito ampliado pelo diálogo com lideranças e militantes do Partido dos Trabalhadores, a cujos argumentos e questionamentos me expus com lealdade e atenção. Não foi para mim um processo fácil. Ao contrário, foi intenso, profundamente marcado pela emoção e pela vinda à tona de cada momento significativo de uma trajetória de quase trinta anos, na qual ajudei a construir o sonho de um Brasil democrático, com justiça e inclusão social, com indubitáveis avanços materializados na eleição do Presidente Lula, em 2002.

    Hoje lhe comunico minha decisão de deixar o Partido dos Trabalhadores. É uma decisão que exigiu de mim coragem para sair daquela que foi até agora a minha casa política e pela qual tenho tanto respeito, mas estou certa de que o faço numa inflexão necessária à coerência com o que acredito ser
    necessário alcançar como novo patamar de conquistas para os brasileiros e para a humanidade.
    Tenho certeza de que enfrentarei muitas dificuldades, mas a busca do novo, mesmo quando cercada de cuidados para não desconstituir os avanços a duras penas alcançados, nunca é isenta de riscos.
    Tenho a firme convicção de que essa decisão vai ao encontro do pensamento de milhares de pessoas no Brasil e no mundo, que há muitas décadas apontam objetivamente os equívocos da concepção do desenvolvimento centrada no crescimento material a qualquer custo, com ganhos exacerbados para poucos e resultados perversos para a maioria, ao custo, principalmente para os mais pobres, da destruição de recursos naturais e da qualidade de vida.

    Tive a honra de ser ministra do Meio Ambiente do governo Lula e participei de importantes conquistas, das quais poderia citar, a título de exemplo, a queda do desmatamento na Amazônia, a estruturação e fortalecimento do sistema de licenciamento ambiental, a criação de 24 milhões de hectares de unidades de conservação federal, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade e do Serviço Florestal Brasileiro. Entendo, porém, que faltaram condições políticas para avançar no campo da visão estratégica, ou seja, de fazer a questão ambiental alojar-se no coração do governo e do conjunto das políticas públicas.

    É evidente que a resistência a essa mudança de enfoque não é exclusiva de governos. Ela está presente nos partidos políticos em geral e em vários setores da sociedade, que reagem a sair de suas práticas insustentáveis e pressionam as estruturas públicas para mantê-las.
    Uma parte das pessoas com quem dialoguei nas últimas semanas perguntou-me por que não continuar fazendo esse embate dentro do PT. E chego à conclusão de que, após 30 anos de luta socioambiental no Brasil – com importantes experiências em curso, que deveriam ganhar escala nacional, provindas de governos locais e estaduais, agências federais, academia, movimentos sociais, empresas, comunidades locais e as organizações não-governamentais – é o momento não mais de continuar fazendo o embate para convencer o partido político do qual fiz parte por quase trinta anos, mas sim o do encontro com os diferentes setores da sociedade dispostos a se assumir, inteira e claramente, como agentes da luta por um Brasil justo e sustentável, a fazer prosperar a mudança de valores e paradigmas que sinalizará um novo padrão de desenvolvimento para o País.

    Assim como vem sendo feito pelo próprio Partido dos Trabalhadores, desde sua origem, no que diz respeito à defesa da democracia com participação popular, da justiça social e dos direitos humanos.
    Finalmente, agradeço a forma acolhedora e respeitosa com que me ouviu, estendendo a mesma gratidão a todos os militantes e dirigentes com quem dialoguei nesse período, particularmente a Aloizio Mercadante e a meus companheiros da bancada do Senado, que sempre me acolheram em todos esses momentos. E, de modo muito especial, quero me referir aos companheiros do Acre, de quem não me despedi, porque acredito firmemente que temos uma parceria indestrutível, acima de filiações partidárias. Não fiz nenhum movimento para que outros me acompanhassem na saída do PT,respeitando o espaço de exercício da cidadania política de cada militante.. Não estou negando os imprescindíveis frutos das searas já plantadas, estou apenas me dispondo a continuar as semeaduras em outras searas.

    Que Deus continue abençoando e guardando nossos caminhos.

    Saudações fraternas,
    Marina Silva

    Thiago Alves da Silva
    Comunicação Social - Jornalismo - UFV
    Movimento dos Atingidos por Barragens
    Assembléia Popular

    "Aos esfarrapados do mundo e aos que neles se descobrem e, assim descobrindo-se, com eles sofrem, mas sobretudo com eles lutam"

    Convite - Anistia 30 anos/BH


    Ato Comemorativa da Anistia Política


    Na ocasião serão lançados, com presença dos autores confirmada, os livros reeditados pela Editora Fundação Perseu Abramo:

    Fome de liberdade de Gilney Amorim Viana e Perly Cipriano

    Poemas do povo da noite de Hamilton Pereira (Pedro Tierra)
    Participe!

    Data: 26/08/2009
    Horário: 19h às 21h30min
    Local: Auditório Juscelino Kubitschek Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
    Avenida Afonso Pena, nº1212 – Centro

    Realização
    Fundação Perseu Abramo GT Anistia e Democracia Fórum Mineiro de Direitos Humanos
    PBH - Coordenadoria Municipal de Direitos Humanos Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais / MP-MG
    Pólos Cidadania Núcleo de Estudos Políticos Lucio Guterres

    Apoio
    Secretaria Especial dos Direitos Humanos – SEDH Comissão de Anistia – MJ

    Doações de Cartuchos - Impressoras Jato de Tinta

    Doações de Cartuchos - Impressoras Jato de Tinta

    A Rede Mineira da Cidadania está recebendo doações de cartuchos de impressoras jato de tinta novos e usados para atender as demandas de seus Projetos e também de entidades comunitárias parceiras demandadas.

    As empresas e pessoas em geral interessadas na doação poderão entrar em contato no tel: (31) 3227-6565 (das 13h30 às 18h) ou enviar um e-mail para
    redemgcidadania@gmail.com

    Eu Posso, Você Pode, Nós Podemos
    http://www.nospodemosminas.org.br/

    Rede Mineira da Cidadania
    R. Fernandes Tourinho, 235, Conj 902
    Savassi
    CEP. 30112-000 - Belo Horizonte, MG
    Tel: (31) 3227-6565
    Cel: (31) 8708-1497
    Site:
    http://www.redemgcidadania.org.br/
    E-mail:
    redemgcidadania@gmail.com

    Prêmio Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 2009 promove Seminário Estadual em Belo Horizonte

    Prêmio Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 2009 promove Seminário Estadual em Belo Horizonte

    Será realizado no dia 27 de agosto, em Belo Horizonte, o Seminário Estadual da 3ª Edição do Prêmio ODM Brasil, no Centro de Convenções Dayrell Hotel, situado à Rua Espírito Santo, nº. 901 – Centro – Belo Horizonte. Os seminários estaduais fazem parte da estratégia de sensibilização para o prêmio e serão realizados em 27 cidades em todo o Brasil.

    O Prêmio ODM Brasil premia ações e projetos que convergem para o cumprimento do Pacto do Milênio, que objetiva alcançar os Oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) da ONU, e busca estimular o debate e o engajamento de toda a sociedade na solução dos grandes problemas mundiais. A iniciativa do Prêmio é do Governo Federal, e conta com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade, além de um conjunto de organizações do setor privado e da sociedade civil.

    São premiadas duas categorias diferentes, sendo uma dirigida às melhores práticas de Governos Municipais e a outra às iniciativas provenientes das Organizações (setor privado, associações da sociedade civil, fundações, universidades, entre outras).

    Ao longo do Seminário, será lançada a Rede ODM Brasil que tem como objetivo estabelecer estratégias de cooperação entre os municípios brasileiros para melhor responderem às Metas do Milênio. Ainda, pretende-se formar uma comissão Estadual para Disseminação dos ODM.

    O Seminário contará com a presença de autoridades dos governos federal, estadual e municipal, bem como lideranças da sociedade civil. Outras informações podem ser obtidas pelos telefones (31) 3217-2035 / 3217-2345 / 3217-2346, pelo email: odm-mg@pbh.gov.br, ou ainda, em http://www.odmbrasil.org.br/ e http://www.redeodm.org.br/.
    Outras informações podem ser obtidas no site:
    http://www.nospodemosminas.org.br/

    Clique na imagem

    Adolescentes Acautelados recebem Diálogos da Juventude

    Achei que ia ser uma palestra normal, mas não. A gente participou, pôde falar. Muitas pessoas acham que a gente está perdido,mas de vez em quando aparece alguém que acredita na gente."

    Adolescente de 16anos, cumprindo medida sócio-educativa em R. Neves

    O projeto Diálogos da Juventude , promovido pelo Governo de MG em parceria com a Rede Mineira da Cidadania e o Programa de Voluntários da ONU no Brasil, reuniu até a presente data 65 jovens dos Centros Socioeducativos de Montes Claros, Ribeirão das Neves, e Juiz de Fora, para apresentar os oito objetivos de desenvolvimento do milênio.

    A assistente de operações do Programa de Voluntários da Organização das Nações Unidas (ONU), Diana Costa, que participou da capacitação de adolescentes em Ribeirão das Neves, avaliou que a ação é pioneira e poderá ser referência em outras partes do País. “É a primeira vez no Brasil que os objetivos do milênio são abordados em unidades socioeducativas. Depois de recolhermos os dados com o resultado desse trabalho, o projeto será analisado para que possa servir como exemplo de boas práticas”, explicou a representante da ONU.

    Segundo Walfredo Rodrigues, coordenador das Oficinas Temáticas do Projeto no âmbito da Rede Mineira da Cidadania, o projeto mostra o interesse do Governo do Estado pela juventude carcerária e também a participação do jovem, na construção de um mundo melhor. "O jovem quer mudar, quer participar", assegura Walfredo Rodrigues.

    Para o coordenador Especial da Juventude da Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude, Roberto Tross, o projeto é um mecanismo de inclusão para todas as juventudes. “Chegamos até as unidades para demonstrar ao jovem acautelado que ele pode participar de maneira efetiva de um mundo melhor. Dessa forma, ele reconhece seu papel como agente transformador de seu meio e passa por um processo de responsabilização. É a idéia da responsabilidade compartilhada, onde todo mundo ajuda a transformar. E o jovem em cumprimento de medida socioeducativa está integrado a esta mudança como parte inerente da solução e não do problema.”, afirmou Tross.

    Ramon Silva*, de 16 anos, que cumpre medida na unidade de Justinópolis, afirmou que o encontro “veio para acrescentar”. “Achei que ia ser uma palestra normal, mas não. A gente participou, pôde falar. Muitas pessoas acham que a gente está perdido, mas de vez em quando aparece alguém que acredita na gente”, contou o jovem.

    Diálogos da Juventude já foi realizado nas unidades socioeducativa de Montes Claros, Ribeirão das Neves e Juiz de Fora. As próximas etapas acontecerão nos municípios de Divinópolis, no Oeste do Estado; e Governador Valadares, no Vale do Rio Doce.

    Os jovens acautelados desenvolverão, com auxilio dos educadores dos Centros e da Rede Mineira da Cidadania, vários projetos que serão apresentados ao Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade,Governos e às Nações Unidas (ONU), além de concorrer ao Prêmio do Governo de Minas (Concurso Diálogos).

    O projeto é desenvolvido em parceria com o Programa de Voluntários das Nações Unidas, a Rede Mineira da Cidadania e o Centro Juvenil Salesiano, e é voltado para jovens entre 15 e 29 anos de idade. Em 2009, as secretarias de Estado de Defesa Social e a de Educação, passaram a integrar o projeto.

    No ano de 2008 o Diálogos da Juventude capacitou 1.541 jovens da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Para 2009, a expectativa é que mais de 2.000 jovens sejam beneficiados.

    Para receber mais informações sobre esse e outros projetos, escreva-nos:
    redemgcidadania@gmail.com

    *Nome fictício

    terça-feira, 18 de agosto de 2009

    Pesquisa sobre preconceito nas escolas

    O fator mascarado
    Combatido nos discursos, o preconceito ainda está muito entranhado na sociedade e nas escolas brasileiras

    Filipe Jahn

    Uma verdade que não se que enxergar: a escola também consagra preconceitos
    Uma pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em 501 escolas públicas do país, e divulgada em junho deste ano, revelou dados preocupantes sobre o preconceito no ambiente escolar brasileiro. Das 18,5 mil pessoas entrevistadas, entre alunos, professores, funcionários e pais, 99,3% demonstram algum tipo de preconceito - étnico-racial, socioeconômico, de gênero, geração, orientação sexual ou territorial ou em relação a pessoas com algum tipo de necessidade especial.
    De acordo com a pesquisa, os tipos de preconceito que apresentaram maior abrangência são aqueles relacionados a pessoas com necessidades especiais (96,5%), seguido por diferenças étnico-raciais (94,2%), e aqueles relativos a diferenças de gênero (93,5%). Além disso, assim como o preconceito, percebeu-se entre todos os públicos-alvo da pesquisa uma predisposição em manter menor proximidade em relação a determinados grupos sociais, como homossexuais, pessoas com necessidades especiais de natureza mental e ciganos.
    Cláudia Vianna, professora da Faculdade de Educação da USP que pesquisa as relações de gênero e sexualidade na educação, explica que o preconceito é uma disposição afetiva que pode ou não se transformar em um ato de discriminação. Só que, no Brasil, muitas vezes o preconceito não chega a ser explicitado, ou mesmo entendido como tal. Uma das razões para tanto está no estereótipo disseminado do brasileiro brincalhão. Ofensas sobre a cor de pele ou a orientação sexual, por exemplo, são entendidas apenas como traço típico de uma personalidade nacional. "Mas certamente existe", adverte Cláudia.
    Neutralidade inexistente
    Apesar de, em tese, a escola dever desempenhar um "papel neutro" no processo de transmissão de valores culturais - entenda-se por neutro o fato de não privilegiar nenhum credo, cultura ou procedência - e colaborar para a superação de preconceitos, na prática ela acaba sendo um fator de reforço daqueles já existentes. Isso porque os professores e autoridades escolares reproduzem, por meio de gestos, posturas e falas, sistemas de pensamento e atitudes que são excludentes. Ou seja, os educadores fazem eco, no ambiente escolar, às imagens negativas e estereótipos entre os quais muito provavelmente foram socializados.
    Há, por exemplo, casos em que professores relacionam o rendimento escolar de alunas apenas ao esforço e ao bom comportamento, sem estimular a criatividade ou o potencial para certas matérias curriculares como matemática. "Essa baixa expectativa sobre o desempenho escolar de meninas claramente contém um padrão sexista", afirma Cláudia Vianna. O cientista social Paulo Neves conta que uma pesquisa de sua autoria verificou que em alguns casos alunas recorrem à violência como forma de serem respeitadas. "Mas assim são duplamente repreendidas: por utilizarem uma forma de agressão para resolver os conflitos e por serem meninas, portanto utilizando-se de algo considerado contrário à sua natureza", revela o estudioso.
    No artigo "O fracasso escolar de meninos e meninas: articulações entre gênero e raça", publicado em 2003, a também professora da Feusp e estudiosa das relações de gênero Marília de Carvalho coletou informações sobre a cor atribuída às crianças da quarta série de uma escola fundamental de São Paulo, a partir de duas percepções: a dos professores e a dos próprios alunos. Após cruzar essas informações com o índice de aproveitamento de cada estudante, constatou-se uma tendência dos professores em "embranquecer" os melhores e "escurecer" os piores.
    Não que as instituições de ensino sejam as principais responsáveis pela permanência ou não de práticas discriminatórias, mas elas são parte fundamental para o entendimento e aceitação da diferença. Para exercer a função de inserir os jovens no espaço público, que é aquele em que se dá (ou, ao menos, em que deveria se dar) a aceitação da diversidade, a escola precisa se colocar de maneira firme contra as práticas preconceituosas e discriminatórias. E isso pode começar pela compreensão das relações existentes nesse ambiente, mostrando suas fissuras e contradições. "O educador deve estar preparado afetiva e intelectualmente para interferir nas situações em que os conflitos emergem", afirma Luiz Alberto Gonçalves, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O problema é que, segundo Gonçalves, a introdução do tema da diversidade nas escolas ainda é algo recente no país e muitos professores não têm formação e conhecimento para mediar apropriadamente essas situações. Só a partir dos anos 90 as políticas educacionais, por força das demandas sociais, sobretudo dos grupos excluí­dos na sociedade, foram obrigadas a reconhecer que o ambiente escolar brasileiro é pluricultural e pluriétnico.

    Cortando pela raiz
    Para enfrentar esses problemas, atualmente o MEC oferece cursos de formação continuada trabalhando a temática da diversidade e colocou em vigor a Lei 10.369, de 2003, que torna obrigatória a inclusão do estudo das "Relações Étnico-Raciais e o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana". Só que Luiz Gonçalves entende que essas ações podem criar a expectativa de que basta introduzir mudanças no currículo escolar e o problema do preconceito estará resolvido. Para ele, é preciso mudar a postura do corpo docente frente aos conteúdos e às relações escolares, assim como é preciso haver um esforço para construir uma nova forma de fazer a educação escolar. Combater o preconceito pressupõe reconhecer o outro na sua diferença e esse reconhecimento começa no próprio docente. "Muitas crenças que foram difundidas pelos conteúdos tradicionais terão de ser questionadas e até banidas", fala.
    Já Paulo Neves diz que não basta a escola desenvolver um trabalho para dias como o da consciência negra ou das mulheres se, no seu cotidiano, aqueles que pertencem a esses grupos são discriminados. Por isso, é importante elaborar um projeto político-pedagógico consistente, em que o estudo da temática esteja inserido tanto na sala de aula quanto nas horas de trabalho pedagógico coletivo. Entretanto, deve-se tomar cuidado para não haver exageros. Muitas discussões sobre as questões ou a excessiva criação de projetos acabam por prejudicar a consistência da reflexão dos envolvidos. "No fim, após passar pela escola, posso continuar acreditando nos preceitos de minha religião, por exemplo, mas não posso sair pensando que ela é a única e verdadeira", explica.
    Cláudia Vianna, da USP: reconhecimento do conflito como ponto de partida
    Cláudia Vianna compartilha a tese e entende que caminhar nessa direção requer o reconhecimento do conflito como pilar dos projetos coletivos. A partir daí, os professores podem promover a interação da diversidade, criando ambientes seguros para que eles e seus alunos possam questionar e refletir os valores hierarquizantes relacionados ao gênero, raça, classe social e idade, além de interferir na reprodução de estereótipos, sem medo do preconceito ou da exclusão. Vianna propõe também analisar com os alunos as atribuições e significados dominantes estudando-se os veículos da comunicação. De fato, a pesquisa da Fipe mostra que o incentivo ao acesso às mídias pode reduzir o preconceito observado entre os alunos em relação a todos os temas pesquisados.
    Ainda assim, além da sala de aula, o preconceito deve ser encarado como um problema complexo, que atinge esferas diferentes. O diretor de Estudos e Acompanhamento das Vulnerabilidades do MEC, Daniel Ximenes, acredita que qualquer ato desse tipo deve ser combatido via educação, mas isso não é tarefa somente da escola. Instâncias como o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal de Justiça também precisam denunciar e tomar posições. "No caso da escola, deve haver uma integração com os órgãos públicos e a comunidade ao seu redor, com iniciativas e diálogos sendo constantemente estimulados", completa.

    Maus resultados
    Um dos pontos mais polêmicos da pesquisa publicada pela Fipe indica que as ações discriminatórias são um fator importante para a qualidade no desempenho escolar dos alunos. Utilizando como base a Prova Brasil de 2007, chegou-se à conclusão de que existe uma correlação negativa sobre o conhecimento de ações discriminatórias e as médias dessa avaliação nas escolas. Ou seja, onde as ocorrências foram maiores, as notas tenderam a ser menores.
    Paulo Neves diz que não há como medir as consequências dessas atitudes no longo prazo, mas se elas não forem rechaçadas, acabam se tornando legítimas e prejudicam não somente o ambiente e o desempenho escolar como a fase em que crianças e adolescentes estão construindo uma identidade. "Se não há uma atitude contrária, a postura é reforçada e um aluno pode entender que é normal ter o mesmo procedimento", fala.
    A pesquisa mostra ainda que a ocorrência de agressões, simbólicas ou de fato, contra professores e funcionários é mais nociva ao desempenho escolar dos alunos do que onde essas ações ocorrem contra os próprios estudantes. O estudo comparou as escolas em que se tinha conhecimento desse tipo de ocorrência (designadas como bullying no estudo) contra os dois grupos, cotejando esse fator com o desempenho na Prova Brasil. A agressão contra professores e funcionários mostrou-se pior, revelando que, quando isso acontece, passa a haver uma maior desestruturação da instituição.
    Luiz Gonçalves afirma que tal razão é evidente, pois os educadores sem boas condições psicológicas acabam comprometendo o conteúdo a ser ensinado. Isso também ajuda a confirmar a ideia de que o educador é um dos profissionais que mais apresentam estresse em decorrência do trabalho. Segundo dados da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), 30% dos afastamentos em escolas da rede pública do país são resultantes de estresse e depressão. Outra pesquisa, realizada em 2003 pelo Sindicato dos Professores de Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), apontou que a depressão atingia então um em cada quatro professores paulistas. Para 62,4% deles, a violência escolar era a causa.